segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Ferroviários da CPTM anunciam paralisação de trens dia 1º de novembro

Categoria não fechou acordo com a companhia para pagamento de participação nos lucros.

Sem avanços nas negociações sobre o acordo coletivo para o pagamento do PPR (Programa de Participação nos Resultados) referente a 2017, o Sindicato dos Ferroviários de São Paulo agendou para 1º de novembro paralisação de trens das linhas 7 (Rubi) e 10 (Turquesa) da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). A greve, que ainda passará por votação de trabalhadores, no dia 31, durante assembleia da categoria, se efetivada, afetará cerca de 181,4 mil usuários da região.
“A CPTM tem se recusado a atender as reivindicações da categoria em conceder um valor com base na inflação e superior ao ano passado”, justifica o presidente do Sindicato dos Ferroviários, Eluiz Alves de Matos.
De acordo com o representante da categoria, embora funcionários estejam desde o dia 20 em estado de greve, a direção da companhia estadual tem se mostrado irredutível quanto ao assunto. “Ninguém se prontificou em realizar nova reunião até o momento. Justamente por isso vamos manter nossa decisão e, se nada se alterar até o dia 31, iremos paralisar os serviços às vésperas do feriado (de Finados, celebrado no dia 2 de novembro).
Nesta semana, o sindicato chegou a fazer comunicado à população avisando sobre a possível greve. No entanto, segundo a CPTM, se efetivada, a paralisação ocorrerá de maneira “irresponsável”.
Isso porque, de acordo com a companhia, foi assinado, no dia 23 de outubro, acordo coletivo referente ao programa de participação nos resultados deste ano com todos os sindicatos responsáveis pelas demais linhas que compõem o sistema de trens do Estado. “Essas entidades sindicais aprovaram em assembleias o PPR antes da assinatura do acordo, que somente não foi assinado, ainda, pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, representante das linhas 7-Rubi e 10-Turquesa”, disse, em nota, a companhia.4
A proposta da CPTM prevê o cálculo do PPR com base em indicadores de qualidadecomo receitas, passageiros transportados e assiduidade do empregado. Considerando a data-base de julho de 2017, a garantia mínima é de R$ 4.274,11.
No momento, a companhia diz aguardar o aceite do sindicato e “espera que seus integrantes não declarem uma paralisação de forma irresponsável que prejudicará diretamente a população”.

Diário do Grande ABC – 28/10/20171

Nenhum comentário: