terça-feira, 4 de julho de 2017

Linha 6 do Metrô: Governo de SP dá mais prazo para Consórcio obter financiamento para retomada das obras


As obras da linha 6-Laranja do Metrô estão paradas desde setembro de 2016. Também chamada de Linha das Universidades, a Linha 6-laranja deve ligar a Vila Brasilândia, na região noroeste de São Paulo, ao centro da capital paulista. Considerada a linha das universidades, por atender regiões onde estão vários estabelecimentos de ensino, a linha 6-Laranja deve ter integração com a linha 1-Azul e 4-Amarela do metrô e 7-Rubi e 8-Diamante, da CPTM.
O Consórcio Move SP, responsável pelas intervenções e vencedor da licitação ocorrida em 2013, desde setembro vem postergando prazos para resolver o problema de dinheiro, motivo principal que paralisou a obra.
Conforme noticiou o Diário do Transporte, em primeira mão, no dia 08 de março de 2017, o prazo final dado pelo Governo do Estado foi 15 de junho, podendo assim, haver nova licitação. O Move São Paulo solicitou empréstimo de R$ 5,5 bilhões. Por causa da paralisação das obras, o Governo do Estado de São Paulo pediu anuência da Assembleia Legislativa e levará a solicitação ao BNDES de remanejamento de R$ 200 milhões, que estavam previstos para linha 6-Laranja, para linha 5- Lilás, prevista para se prolongar até a Chácara Klabin. A linha 5 já opera entre Capão Redondo e Adolfo Pinheiro.
Em 15 de junho deste ano, por exemplo, expirou o prazo dado pelo governo estadual para o Consórcio encontrar uma solução para conseguir financiamento do BNDES. O consórcio é formado pela Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC Engenharia, toda citadas na Operação Lava Jato.
Na data o governo do Estado publicou uma nota, ampliando o prazo para as empreiteiras se regularizarem junto ao BNDES até o dia 30 de junho, sexta-feira passada. E na mesma nota fez uma ameaça ao Consórcio: “Caso o atual concessionário não consiga obter financiamento junto ao BNDES, o Governo do Estado poderá ser impelido a iniciar o processo de decretação da caducidade do contrato e iniciar um novo processo licitatório respeitando os devidos prazos legais”.
Hoje (dia 3) a Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Governo do Estado de SP anunciou que está analisando informações fornecidas pelo consórcio Move SP para a retomada das obras da linha 6-laranja. Ou seja, um novo prazo foi concedido ao Consórcio, que informou ao governo que está buscando financiamento de longo prazo para retomar e finalizar a obra paralisada desde setembro de 2016.
A linha 6-laranja é uma dentre as seis obras de expansão do Metrô, sendo que todas estão atrasadas.
HISTÓRICO:

A ligação entre a região de Brasilândia, na zona noroeste, e a estação São Joaquim, na região central de São Paulo, deve atender a mais de 630 mil pessoas por dia. Quando assinado em dezembro de 2013, a linha 6-Laranja foi comemorada por ser a primeira PPP – Parceria Público Privada plena do país. O consórcio Move faria a obra e seria também o responsável pela operação da linha por 25 anos. O custo total do empreendimento era de R$ 9,6 bilhões, sendo que deste valor R$ 8,9 bilhões seriam divididos entre governo e consórcio.
A previsão inicial para inauguração da linha 6 era 2020. A data agora é uma incerteza.
Considerada a linha das universidades, por atender regiões onde estão vários estabelecimentos de ensino, a linha 6-Laranja deve ter integração com a linha 1-Azul e 4-Amarela do metrô e 7-Rubi e 8-Diamante, da CPTM.
Até o momento, foram gastos R$ 1,7 bilhão no empreendimento.

OBRAS PROMETIDAS E ATRASADAS:

Linha 2 (Extensão até a Rodovia Dutra) – prometida para 2020, está sem prazo de conclusão
Linha 4 (Trecho até Vila Sônia) – prometida para 2014, com prazo de conclusão previsto para o  2º semestre de 2019
Linha 5 (Extensão até Chácara Klabin + 11 estações) – prometida para 2014, com prazo de conclusão para o 2º semestre de 2018
Linha 6 (Brasilândia a São Joaquim) – prometida para 2020; obra paralisada, sem previsão de conclusão
Linha 15 (Trecho até São Mateus) – prometida para 2016, com prazo de conclusão para o 1º semestre de 2018
Linha 17 (Congonhas ao Morumbi) – prometida para 2014, com prazo de conclusão para o 2º semestre de 2019
Linha 18 (Tamanduateí ao ABC) – prometida para 2018, sem prazo
Diário do Transporte – 03/07/2017

10 comentários:

Luiz Carlos Leoni disse...

Prezados,

Entendo que deva entrar nesta "Listinha" a instalação prioritária da estação Metrô ferroviária do Bom Retiro prometida em junho de 2013 como integração da Linha 6- Laranja no lugar da de Água Branca.

A instalação desta estação neste local traria muitos benefícios pois além da descentralização das estações periféricas, inclusive a Júlio Prestes, além de reurbanizar uma região extremamente degradada.

No final de Junho, uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo afirmou que a prefeitura de São Paulo prepara uma desocupação da favela do Moinho, a última do centro da cidade, no prolongamento da cracolândia, nos Campos Elíseos.

Ainda segundo a mesma reportagem, a favela do Moinho abasteceria de crack a cracolândia.

Este local trata-se na última grande área estratégica na capital para este tipo de empreendimento, para desafogar as estações periféricas principalmente a Luz, e a introdução de trens de passageiros de longo percurso.

Para tanto devera um projeto de moradias de para onde essas pessoas poderão ir depois de serem removidas.

O projeto prevê uma série de intervenções positivas para a praça e os espaços públicos do entorno: instalar wifi, arrumar calçada, arborizar, iluminar.

SINFERP disse...

Pouco provável Leoni, pouco provável. Não dão conta nem da listinha acima.

Carlos Roberto disse...

ja dei a sugestao de colocar o Sr Leoni como secretário de transportes tem a solução pra tudo

SINFERP disse...

Sr. Leoni, Carlos Roberto, tem boas sugestões, e é sempre bem recebido neste blog. É um amigo deste blog, e de seus frequentadores.

Carlos Roberto disse...

Sim o fato dele ser um amigo do blog nao significa dizer que ele tem a solução pra tudo,sou engenheiro eletrotecnico e conheço muito de tração eletrica e trens tambem

SINFERP disse...

Bem, com essas qualificações pode, se desejar, contribuir com ideias, críticas, sugestões, etc. Sr. Leoni contribui. Nem sempre concordamos com as sugestões dele, mas isso é o menos importante. Abrimos espaço, a exemplo do que fazemos com todos que queiram se manifestar sobre transporte de pessoas sobre trilhos. Você também é bem recebido. É um blog independente, briga pela moralização do transporte metroferroviário, apartidário, e não pretende ser um meio de tecnicidades. Tenta ser acessível principalmente aos usuários.

Anônimo disse...

Linha 6 laranja ....só em 2050 , e olhe lá ....

SINFERP disse...

Promessa não custa, há quem acredite, e a maioria esquece. Nós vamos lembrando e relembrando. Rsrsrsr

Luiz Carlos Leoni disse...

Não sei se o texto da Folha apresentado no blog da Rackel Rolnik é o completo, pois li e reli e não encontrei nenhuma menção que exatamente nesta área já estava reservada para utilização como estação Metrô ferroviária desde 25/01/2013 pelo Alkmin, conforme anunciado em inúmeros blogs como do Estadão, Jovem Pan, São Paulo Trem Jeito entre outros, por este motivo a promessa vem daquela data, para quem quiser pesquisar.

Tão desencontrada como esta informação foi o motivo oficial alegado para sua desocupação, o que demonstra um total desconhecimento dando a impressão que prefeito e governador não se conversam e são de partidos diferentes.

Causa-me estranheza a omissão ou o desconhecimento por parte do jornalista uma pesquisa mais abrangente com relação aquela área, pois em uma das informações consta uma demarcação de forma equivocada como uma Zona Especial de Interesse Social (ZEIS), ou seja nem revisar o plano Diretor os responsáveis fizeram.

A finalidade da proposta da construção da estação no Bom Retiro seria reagrupar todas elas além o aproveitamento de área já reservada para esta finalidade, em que as linhas da antiga Sorocabana e Santos a Jundiaí correm em um plano paralelo, o que facilita muito sua implantação, além do uso para os planejados futuros trens de longo percurso que já existiam no passado, revitalizando a Júlio Prestes e aliviando a Luz.

Também poderia ser aproveitada na transversal como uma futura estação do Metrô (Não necessariamente a Linha 6-Laranja).

Também é importante ressaltar que esta é a ultima área estratégica na capital para esta finalidade, pois a do Pari foi transformada em feirinha, e na Barra Funda em Memorial. Por falar em museu, foi planejado em São Bernardo um “Museu do Trabalho e do Trabalhador” para guardar o acervo de um ex-presidente no qual já foram gastos R$ 21 milhões e se encontra desocupado.

Ótima esta ideia de listar as promessas não cumpridas, pois 2018 está aí e o povão costuma esquecer, e os políticos gostam de repetir!!!

SINFERP disse...

Sim, é muito boa a ideia de listar as promessas onde apenas se interessam em saber se há ou não trem novo na linha. Nada dizem sobre estações, acessibilidade, novas linhas, etc. Nosso povo se conforma com o que tem, e acha o máximo quando algo "novo" substitui o existente. Esse é o motivo das promessas, ainda que descumpridas. Esse é o motivo do trem novo, mesmo sem contrapartida na infraestrutura. Uma pena.