segunda-feira, 31 de julho de 2017

Consórcio negocia venda de concessão da 'linha das universidades' do metrô se São Paulo


O consórcio Move SP recebeu proposta de uma empresa internacional interessada em adquirir a concessão da linha 6-laranja, mais conhecida como "linha das universidades", do metrô paulistano.
A negociação, de caráter confidencial, é válida por 60 dias e foi comunicada à pasta dos transportes da gestão Alckmin (PSDB). Caso o acordo se concretize, o governo não precisará relicitar o processo de concessão e as obras, que estão paradas, têm a previsão de serem retomadas ainda neste semestre.
Nos próximos dois meses, a Move SP vai analisar questões jurídicas, financeiras e técnicas da nova proposta.
O interesse internacional pelo empreendimento alivia a situação financeira da Move SP. Três das empreiteiras do consórcio (Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC Engenharia) estão sendo investigadas pela operação Lava Jato pelo pagamento de propinas a políticos, o que inviabilizou a obtenção de financiamento para o prosseguimento das obras.
A implantação da linha 6-laranja teve início em janeiro de 2015 e, em 2 de setembro do ano passado, por decisão unilateral, a Move São Paulo informou a paralisação integral das obras, alegando dificuldades na obtenção de financiamento de longo prazo junto ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).
Pelo contrato, a concessionária é a única responsável pela obtenção dos financiamentos para a construção, cuja execução atingiu os 15%. O governo Alckmin aportou, até o momento, R$ 694 milhões para pagamento de obras e R$ 979 milhões para pagamento das desapropriações de 371 ações.
Prometida durante a campanha de Alckmin, a linha 6-laranja é apenas uma das seis obras de expansão do Metrô. Todas elas estão atrasadas.
ATRASO
Com 15 km de extensão e 15 estações, a linha 6-foi apelidada de linha das universidades, por ter em seu trajeto sedes de instituições de ensino como PUC, Mackenzie e FAAP. O anúncio da linha foi feito ainda na gestão José Serra (PSDB), em 2008. Na época, a promessa era de que a linha já estaria em operação em 2012.
Na época, moradores de Higienópolis se organizaram para protestar pela presença do metrô. O termo "gente diferenciada" chegou a ser usado para descrever as pessoas que seriam atraídas por uma estação no tradicional bairro paulistano.
A assinatura do contrato de PPP (parceria público privada) só ocorreu em dezembro de 2013, quando a estimativa era de que a linha poderia funcionar parcialmente até 2018.
O contrato foi comemorado por ser a primeira PPP plena do Brasil. Ou seja, o consórcio vencedor não apenas faria a obra, como seria responsável pela operação da linha por 25 anos. A expectativa é de que isso tornaria o projeto mais atrativo à iniciativa privada, além de incentivar o término das obras. O custo total do empreendimento é de R$ 9,6 bilhões, dos quais R$ 8,9 bilhões serão divididos entre governo e o consórcio.
OUTRAS LINHAS
Ramais previstos no planejamento da Secretaria de Transportes Metropolitanos em 2013, mas que não tiveram nem as obras iniciadas

Linha 19-celeste (Campo Belo - Guarulhos)
Linha 20-rosa (Limão - Santo André)
Linha 23-magenta (Lapa - Dutra)

Folha de São Paulo – 31/07/2017

Comentário do SINFERP
Venda de concessão... Um negócio dentro de um negócio chamado concessão. Tá certo: esse governo faz o que bem entende com os interesses públicos,  como se fossem interesses privados deles.

Nenhum comentário: