quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Alckmin promete nove estações de Metrô até dezembro


O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou neste sábado, 4, que vai inaugurar nove estações da Linha 5-Lilás do Metrô até o fim do ano. As três primeiras serão abertas em julho: Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin.

As demais são Eucaliptos, Moema, AACD-Hospital do Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin, todas com término das obras previsto para dezembro. A estação Campo Belo é a única que ficou para 2018 por problemas no processo de desapropriação dos imóveis.

“É uma grande conquista para São Paulo. Esta vai ser uma das mais importantes linhas de metrô, extremamente moderna, com expectativa de atrair 850 mil usuários”, disse o governador durante vistoria às obras da estação Brooklin, que está 98% concluída.

De acordo com Alckmin, a conclusão do ramal significará um incremento de 11 km à malha do metrô e de 26 novos trens para operar na linha. “Temos hoje oito trens em operação e passaremos a ter outros 26. Esses novos já serão submetidos a testes no carnaval”, afirmou.
Comprado por R$ 650 milhões, o lote citado pelo governador está parado desde 2012, o que levou o Ministério Público Estadual (MPE) a entrar na Justiça com ação de improbidade administrativa contra o Metrô e oito agentes públicos por mau uso do dinheiro público. Há ainda um questionamento sobre a bitola dos trens, menor que de composições de outras linhas.

O secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, um dos citados na ação, disse acreditar que agora as dúvidas serão sanadas e a ação, encerrada.

O Estado de S. Paulo - 05/02/2017
Comentário do SINFERP
Ah, ele promete, é?

4 comentários:

Anônimo disse...

Será ??????

SINFERP disse...

Bem, ele "promete". Sempre promete.

Luiz Carlos Leoni disse...

1ª Os trens da Linha-5 Lilás de bitola 1,435m não poderão interpenetrar na Linha 2-Verde Chácara Klabin 1,60m.

2ª A bitola larga permite que se utilize a largura máxima padronizada para vagão de passageiros conforme gabarito, é de 3,15 m (padrão no Brasil), sendo que a Supervia-RJ esta tendo que cortar parte das plataformas para se adaptar as larguras dos novos trens, enquanto a CPTM-SP que já á possui para este valor, quer prolongar em ~10 cm, pois as composições recebidas como doação da Espanha além de outras que não as Budd ter que trafegar com plataformas laterais no piso em frente as portas de ambos os lados, pois são mais estreitas e estão fora de norma, criando um vão entre trem e plataforma em ambos os lados.

3ª Padronizar gabarito de composições assim como forma de alimentação elétrica se terceiro trilho ou pantógrafo catenária é tão importante quanto a bitola, isto faz com que se tenha a flexibilidade das composições trafegar em qualquer local do país, sem que sejam feitas adaptações.

4ª Para visualizar e comprovar através de uma planilha de comparativo de custos de materiais ferroviários de que a diferença de valores entre as bitolas de 1,435m e 1,6m é mínima, veja: http://www.marcusquintella.com.br, entre outras, e esta tem uma explicação lógica, pois o que muda é somente o truque, pois o módulo do vagão, gabarito e os demais equipamentos são exatamente os mesmos.

5ª Assim como acontece em outros segmentos industriais, a padronização e uniformização de materiais ferroviários, constitui-se num fator gerencial fundamental e importantíssimo com relação a logística, racionalização e minimização de estoques e custos com sobressalentes, máquinas auxiliares e composições reservas.

6ª Não conheço lugar nenhum do mundo que se faça bloqueio de interpenetração de composições e futuras expansões em anel.

SINFERP disse...

Bela contribuição, Leoni, como de costume. Gratos.