terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Passageiros passam mal com superlotação de trens na Linha 7-Rubi da CPTM


Na sexta-feira (20), deslizamento de terra interditou uma das duas vias da linha. Pessoas relataram desmaios e desistência de viagens.
Passageiros passaram mal com a superlotação nos trens da Linha 7-Rubi da CPTM, informou o SPTV desta terça-feira (24). Na sexta-feira (20), um deslizamento de terra interditou uma das duas vias da linha que liga as regiões da Luz e Jundiaí e os veículos circulam lotados.
O acidente ocorreu entre as estações Caieiras e Perus. Os sistemas de fibra ótica, telecomunicações, sinalização e a rede aérea, que alimenta os trens, foram atingidos.
Os trens circulam com intervalos de aproximadamente 20 minutos e chegam lotados às plataformas. No trecho diretamente afetado, de dois quilômetros de extensão, os trens circulam pelo trilho que não foi danificado a uma velocidade de 10 km/h (normalmente circulam a 80 km/h).
Na estação Caieiras, um homem foi flagrado saindo de um vagão com o auxílio de uma cadeira de rodas e com a cabeça baixa. Ele deixou a estação em uma ambulância.
Na estação Franco da Rocha, Camila desistiu de ir ao trabalho após desmaiar. “Meu esposo e outras pessoas me ajudaram a sentar, começaram a abanar. Quando cheguei em Caieiras, desci porque não tinha condições de trabalhar”, contou.
O mesmo ocorreu com a auxiliar de limpeza Michele de Barros Martins. “Estava mais cheio do que o normal. Ninguém conseguia entrar, nem sair”, disse. “Eu pedi espaço para o pessoal para sentar porque senão desmaiaria ali. Minha pressão caiu muito rápido”, completou.
Quem não sente mal-estar, acaba faltando ao trabalho ou se atrasando. A auxiliar de marketing Stefani Caroline dos Santos saiu de casa meia hora mais cedo, às 5 horas, mas as 7h30 ainda estava em Caieiras. “Ontem cheguei uma hora e meia atrasada e hoje vou chegar de novo”, afirmou.
Às 9h15 desta terça, as plataformas ainda estavam lotadas. A doméstica Cícera Cariri desistiu de ir ao trabalho. “Avisei e disseram que tudo bem, mas que depois descontam. Eles não querem saber”, disse.
Houve quem saísse de casa quatro horas antes do compromisso para não correr riscos. Às 9 horas, a atendente Diana Ramos aguardava o trem na plataforma para chegar às 13 horas no trabalho que acabou de começar.
A CPTM informa que o rapaz que saiu em cadeira de rodas de um vagão teve queda de pressão e foi levado ao pronto-socorro municipal de Caieiras. A CPTM prometeu o reembolso para quem não completou a viagem e uma declaração de ocorrência será disponibilizada no site para quem precisar dar satisfação no trabalho.
G1 – 24/01/2017

Nenhum comentário: