sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Manifestantes protestam contra aumento da tarifa da integração em SP


Jornal GGN - Na tarde de ontem (19), cerca de 200 manifestantes protestaram em frente à prefeitura de São Paulo contra o aumento da tarifa de integração dos ônibus com trens e Metrô


O reajuste foi proposto pelo governador Geraldo Alckmin e pelo prefeito João Doria, e suspenso em decisão da Justiça no último dia 10. Na prefeitura, os manifestantes fizeram a entrega simbólica do prêmio Aumento Inovador para Doria, e também queimaram catracas de papelão.


Na quarta (18), o desembargador Spoladore Dominguez, da 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), negou novo pedido de Alckmin para suspender a liminar que impede o reajuste.


Participantes do Movimento Passe Livre entregaram simbolicamente a Doria o prêmio 'Aumento Inovador', caracterizado por uma catraca dourada


Pelo menos 200 manifestantes marcharam na tarde de hoje (19), sob chuva, da estação da Luz até a prefeitura de São Paulo, ambas na região central da cidade. O Movimento Passe Livre (MPL) exige que a Justiça mantenha a decisão de não aumentar a tarifa de integração dos ônibus com trens e Metrô, proposta pelo governador Geraldo Alckmin e pelo prefeito João Doria – e suspensa pela Justiça no último dia 10. 


Na prefeitura, os participantes do protesto entregaram simbolicamente para Doria o prêmio Aumento Inovador, caracterizado por uma catraca dourada, em uma sátira por ele ter inovado na forma de aumentar a tarifa, depois de prometer em campanha eleitoral mantê-la congelada, o que foi feito somente para a passagem unitária. Na frente do prédio, um grupo queimou catracas de papelão, uma ação tradicional do movimento, contra as tarifas do transporte público.


“Nesse ato vamos denunciar o acordo entre João Doria e Alckmin, que permitiu o aumento da integração entre ônibus e Metrô”, disse um dos organizadores, em um vídeo postado na página do movimento no Facebook. “É a segunda tentativa de entregar troféu catraca de ouro para Doria. Agora vamos entregar uma catraca ainda maior, do tamanho do aumento que quer entregar contra o povo."


A concentração começou às 17h em frente ao prédio da Pinacoteca do Estado. Por volta das 18h30, os manifestantes saíram em marcha pelas ruas do centro, segurando cartazes e entoando palavras de ordem contra o aumento. Durante o trajeto, eles foram acompanhados por grande efetivo policial, mas o ato seguiu pacífico do princípio ao fim.


Diferentemente do primeiro ato, realizado no dia 12, os manifestantes não foram impedidos pela polícia de chegar ao destino. Na quinta-feira passada, os participantes do protesto saíram da Praça do Ciclista, na Avenida Paulista, rumo à casa do prefeito João Doria, no Jardim Europa, na zona oeste, onde entregariam para ele o prêmio Aumento Inovador, porém, a Tropa de Choque os impediu de prosseguir "por motivo de segurança", segundo entrevista de um oficial ao coletivo Jornalistas Livres. Os participantes entregaram o prêmio para o comandante da operação.


Nova derrota para Alckmin e Doria


Na noite de ontem (18), o desembargador Spoladore Dominguez, da 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), negou novo pedido de Alckmin para suspender a liminar que impede o reajuste das tarifas de integração e das linhas intermunicipais da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), além da taxa que seria cobrada para acessar plataformas de terminais. O mérito do agravo de instrumento ainda será julgado.


Na decisão, o desembargador argumenta que não há risco irreparável ou prejuízo que justifique a elevação das tarifas e considerou que a medida traria impacto negativo para o usuário. (“...) o alegado prejuízo ao estado (R$ 404 milhões, apenas no exercício de 2017) não se consolidará, de forma imediata, a curto prazo”, afirmou em despacho. No Metrô, o aumento afetaria 23,86% dos usuários e na CPTM, 19,68%.

GGN – 20/01/2017

Nenhum comentário: