terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Mico da Copa, VLT bilionário, de Cuiabá, segue sem data para sair e amplia prejuízo


A Copa do Mundo de 2014 acabou há mais de dois anos, mas os trabalhos de construção do VLT de Cuiabá -- a segunda obra de mobilidade urbana mais cara dentre todas programadas para estarem prontas no Mundial da Fifa -- seguem sem previsão de data para sua conclusão ou retomada. Até agora, apenas 33% dos trabalhos foi realizado. Quando estiver pronto, um dia, sua operação ainda gerará cerca de R$ 40 milhões por ano de prejuízo aos cofres públicos. A conta é com valores de 2015 e deve crescer.

Para terminar o projeto, que já custou R$ 1 bilhão aos cofres públicos do Mato Grosso, serão necessários pelo menos mais R$ 600 milhões. O orçamento inicial era de R$ 700 milhões, e quando a obra começou já tinha o custo previsto de R$ 1,4 bilhão.

 As conclusões são de relatório da consultoria KPMG, contratada pelo governo estadual por R$ 3,8 milhões para avaliar a situação do projeto e apontar soluções, concluído recentemente. Na semana passada, o novo secretário das Cidades do MT, Wilson Santos, anunciou que vai retomar as negociações e tentar um acordo com o consórcio responsável pela obra. O consórcio diz que precisa de mais R$ 1,2 bilhão para terminar o serviço. 

"O Consórcio fala que precisa de mais R$ 1,2 bilhão para finalizar as obras, mas precisamos encontrar um denominador comum nisto", afirmou Santos em uma coletiva de imprensa no dia 1º. "O nosso governo tomou a decisão de renegociar com as empresas", disse ele, confirmando que o governador Pedro Taques voltou atrás da disposição de romper o contrato. O secretário já avisou que não tem a pretensão de entregar a obra concluída, e sim apenas retomar a construção, já que deixará o cargo em 2018 para tentar reeleger-se deputado estadual pelo PSDB.

http://t.dynad.net/pc/?dc=5550001892;ord=1481050076424https://t.dynad.net/pc/?dc=5550001577;ord=1481050084557O secretário anunciou também a contratação de José Picolli Neto, que trabalhou na implantação do VLT no Rio de Janeiro e tem experiência para contribuir com a construção e o modelo de operação do novo modal. Segundo a Secretaria das Cidades, o objetivo é conseguir um acordo com o consórcio até o dia 20. Os trabalhos do veículo leve sobre trilhos mato-grossense estão parados desde o final de 2014. A obra é um projeto do governo anterior, de Silval Barbosa, do PMDB.


Trens estão parados ao relento e pátio é assaltado

Enquanto o cenário não muda as 40 composições, compradas com antecedência pelo governo do MT logo no início das obras a um custo de quase R$ 500 milhões, continuam paradas ao relento em um pátio do consórcio responsável pela obra. As composições nunca rodaram e começaram a apresentar sinais de deterioração. Na semana passada, uma decisão da Justiça transferiu para o governo estadual a obrigação de fazer a manutenção nos carros enquanto eles não são utilizados.

A primeira composição chegou a Cuiabá no final de 2013, e o restante do lote em 2014. Devido ao longo tempo sem uso e mau acondicionamento, os vagões sofreram avarias. Os equipamentos vieram da Espanha e foram transportados do Porto de Santos (no litoral sul de SP) até Cuiabá de trem.

No primeiro semestre deste ano, conclusões preliminares da consultoria contratada pelo governo do MT apontava que oito composições do VLT, com sete vagões cada,  foram compradas sem necessidade pelo ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa, que atualmente se encontra na cadeia, preso na esteira de uma investigação da Polícia Federal sobre fraudes em seu governo. No total, o equipamento custou R$ 120 milhões aos cofres públicos. O governo do MT ainda não informou se pretende vender as composições.

No final de novembro, quatro caminhões utilizados nas obras foram roubados do local. Cerca de 20 homens armados invadiram o pátio, renderam os vigias e levaram os veículos. A polícia recuperou dois caminhões e prendido dois suspeitos. 

CPI aponta desvio de R$ 315 milhões do R$ 1 bilhão gasto até agora

No final de outubro, uma CPI aberta na Assembleia Legislativa do Mato Grosso pediu o indiciamento do ex-governador do Estado, Sinval Barbosa, do ex-secretário da Copa no MT, Maurício Guimarães e do ex-deputado José Riva. Além disso, o relatório pede a devolução de R$ 541 milhões aos cofres públicos. Também tiveram o indiciamento pedido no relatório o ex-secretário da Secopa, Eder Moraes, e os ex-diretores da Agecopa, Yuri Bastos Jorge, Yenes Magalhães e Carlos Brito; além de outros 96 agentes públicos, 16 empresas e sete consórcios.

Destes 541 milhões, R$ 315 milhões teriam sido desviados da obra do VLT de Cuiabá. No caso do VLT, foram constatadas diversas irregularidades e suspeitas de desvio desde o início do projeto afirma o relatório da CPI. O  UOL revelou em agosto de 2012 que o vencedor da licitação do VLT na capital do Mato Grosso era conhecido um mês antes da conclusão do certame . No final de 2013, o UOL revelou também que interceptações telefônicas feitas Polícia Federal apontavam que o cartel de empresas do Metrô e trens de São Paulo também atuou no VLT de Cuiabá.

Procurado pelo UOL diversas vezes, por meio de sua assessoria de imprensa, o secretário das Cidades do Mato Grosso não respondeu às solicitações de esclarecimentos sobre o VLT. Tampouco foi fornecida a íntegra do relatório da consultoria terceirizada sobre o projeto em questão. O UOL também ficou sem resposta para uma solicitação de entrevista sobre o caso com o governador Pedro Taques.

Uol – 06/12/2016

2 comentários:

Pregopontocom Tudo disse...

Quem acompanha essa história desde o começo sabe muito bem a causa de tudo isso,e o quanto se fez e se trabalhou para emplacar o tal do BRT,não consegui,mais ai depois de muitas luas cheias deu no que deu,nem uma coisa nem outra

SINFERP disse...

É uma história no mínimo escandalosa.