quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Metrô prevê fuga de passageiros com tarifa de ônibus [caso seja] congelada por Doria


O Metrô de São Paulo diz necessitar do reajuste da tarifa no ano que vem e avalia que a passagem de ônibus congelada em R$ 3,80, promessa de João Doria (PSDB) para a capital paulista, tende a provocar uma fuga de usuários da rede sobre trilhos.

"Neste momento, não estamos avaliando isso [a possibilidade de congelar a tarifa]. Necessitamos de um reajuste", disse à Folha José Carlos Nascimento, diretor financeiro do Metrô, ligado à gestão Geraldo Alckmin (PSDB).

Embora ressalve que qualquer decisão caberá ao governador, padrinho político do prefeito recém-eleito, ele reconhece a tendência de migração dos passageiros para os ônibus devido ao congelamento dessa passagem.

"Sempre que você tem esse descolamento é natural que exista um fluxo de transferência de usuários de um modal para outro", afirmou.

Nos últimos cinco anos, a tarifa de metrô, trens e ônibus municipais foi mantida no mesmo patamar, e as decisões sobre os reajustes eram tomadas em conjunto por governo do Estado e prefeitura.

Após ser eleito, Doria anunciou que manterá a passagem de ônibus sem aumento em 2017, provocando um constrangimento com a gestão Alckmin, que planeja reajuste na rede sobre trilhos.

As finanças do Metrô enfrentam reflexos da crise econômica, com queda de usuários pagantes e aumento de gratuidades. O Estado costuma reembolsar a empresa pelos descontos ou isenções de estudantes e idosos, por exemplo, mas deixou de repassar no ano passado R$ 66 milhões dos R$ 330 milhões previstos.

A companhia registrou queda drástica de investimentos no primeiro semestre deste ano, de até 72% em manutenção e modernização de trens em relação aos primeiros meses de 2014, conforme mostrou a Folha em agosto.

Embora haja superlotação do metrô em horários de pico, a perda de passageiros para os ônibus é alvo de preocupação na empresa porque, na prática, significa também uma redução de receita.

O diretor financeiro do Metrô lembra que, "historicamente", os reajustes da tarifa têm ocorrido "sempre no início de janeiro", mas ele afirma que a definição de data e valor caberá a Alckmin. "Isso é uma deliberação do Executivo. O Metrô sugere, recomenda, uma tarifa. Hoje, eu não tenho ainda", disse.

Se houver uma correção próxima da inflação oficial, a nova tarifa, com arredondamentos, pode atingir R$ 4,10. Para Nascimento, "ainda não dá para medir" a quantidade de passageiros que poderão migrar do metrô para os ônibus em busca de economia, mas, quanto maior a disparidade entre as tarifas, mais intenso esse fenômeno.

"Se for um valor muito alto [a diferença entre as tarifas], óbvio que essa fuga é muito maior", diz ele, para quem os usuários podem "preferir manter a rotina" se os preços não forem tão distintos.

O sistema de ônibus registrou quase 8 milhões de viagens por dia em 2015 e uma leve alta neste ano. O Metrô transportou perto de 3 milhões por dia útil no ano passado – nos primeiros meses de 2016, sofreu leve queda.

A decisão de Doria de congelar a tarifa de ônibus no ano que vem deve provocar nova disparada de subsídios, hoje em patamar próximo de R$ 2 bilhões por ano. Esse dinheiro sai dos cofres públicos para bancar a diferença entre receita e custos do serviço.

A estimativa da prefeitura é que a tarifa congelada em 2017 signifique um gasto extra de R$ 1 bilhão – suficiente para construir 30 km de corredores de ônibus.

Folha de São Paulo – 03/11/2016

Nenhum comentário: