segunda-feira, 17 de outubro de 2016

População critica a falta de acessibilidade em estações da CPTM na Linha 12


Usuários apontam precariedade e cobram a modernização e reformas nas estações Manoel Feio e Aracaré.

Subir e descer escadas quando se tem mobilidade reduzida, alguma deficiência ou há necessidade de carregar inúmeras sacolas, malas ou um carrinho de bebê. Situações extremamente difíceis e desconfortáveis, mas que fazem parte da rotina de centenas de pessoas que passam diariamente pelas estações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) Engenheiro Manoel Feio e Aracaré, em Itaquaquecetuba, ambas pertencentes à Linha 12 - Zafira.

Durante o período em que esteve ontem nos locais, a reportagem foi abordada por dezenas de pessoas que se queixaram das dificuldades enfrentadas para utilizar o transporte. Além da ausência de acessibilidade, os usuários reclamam também de problemas na estrutura, já que, por serem bastante antigas, as estações já não comportam mais a atual demanda de passageiros.

Na estação Manoel Feio o principal problema é a escadaria, caminho obrigatório para quem precisa atravessar de uma plataforma para outra. É o que destaca a aposentada Sonia Maria dos Santos Cézar, de 61 anos. "A escada é horrível. Além dos degraus, que complicam a vida de idosos e de quem tem deficiência, ela está velha. Tenho receio de que ela acabe caindo qualquer dia", reclamou.

A queixa é compartilhada por Nilson Ribeiro, 53, que possui mobilidade reduzida. "Essa estação é muito ruim. Sempre que preciso usar o trem é esse sofrimento. Tenho que subir essa escadaria toda, mesmo tendo dificuldade para caminhar", lamentou.

Para o mestre de instalações João Batista, 54, o ideal era que a estação passasse por uma modernização, assim como ocorreu na região. "Acho que essa é a pior da região. Em Suzano fizeram reforma, em Poá também. Só Itaquá está desse jeito. Nós pagamos o mesmo valor pelo serviço, por que não fazem nada aqui?", questionou.

Transtornos 

Já, em Aracaré, os transtornos começam já na entrada da estação. Isso porque o embarque, de ambos os lados, se dá após a escadaria, e quem precisa utilizar o trem é obrigado a subir e descer dezenas de degraus.

Se a falta de acessibilidade traz desconfortos para quem não possui nenhuma limitação, é ainda mais grave para cadeirantes. O técnico de manutenção, Marcos Ribeiro, 61, disse que já flagrou diversas pessoas passando por esse transtorno. A situação é considerada por ele "desumana". "Essa escada é horrível. Pra gente já é complicado, mas para os deficientes é sem condições", contou o usuário.

Para os idosos a situação não é muito diferente. É o que reclama a dona de casa Sandra Helena, de 53 anos. "É um sufoco ter que subir e descer isso tudo. Eu ainda consigo andar sem problemas, mas tem muitas senhoras que levam meia hora só pra conseguir chegar na plataforma. É uma vergonha", salientou.

Mamoru cobra agilidade da CPTM

A falta de acessibilidade nas estações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em Itaquaquecetuba, tem sido bastante criticada também pelo prefeito Mamoru Nakashima (PSDB), que cobra agilidade por parte do Estado para que o problema seja solucionado.

Em entrevista recente, o tucano destacou que vem recebendo uma série de reclamações a respeito da situação, muito embora se trate de uma competência do governo estadual. "Eu fui até as estações de trem e a reclamação é referente ao acesso difícil, principalmente, para pessoas idosas. São setores de competência do Estado. Esses locais estão assim desde quando eu assumi o mandato. Tem essa história de que vai fazer, mas até agora nada foi feito durante estes quatro anos. E a população cobra", disse.

Procurada pela reportagem ,a CPTM informou que está trabalhando para tornar todas as estações acessíveis. "As estações Engenheiro Manoel Feio e Aracaré, na Linha 12-Safira, também serão reformadas. A companhia já publicou licitação para contratação dos projetos básicos e executivos e aguarda a liberação de recursos do PAC da Mobilidade, prometidos pelo governo federal, visando realizar as obras nessas estações", informou a Assessoria de Imprensa. Já em relação à dificuldade de pessoas com mobilidade reduzida a autarquia esclareceu que em todos os locais "os empregados estão habilitados para auxiliar pessoas com deficiência durante o deslocamento". (S.L.)

Portal News – 17/10/2016

Comentários do SINFERP

Não fizeram isso em mais de 20 anos, e agora a "culpa" é do governo federal? Rsrsrsr Gente cínica.

6 comentários:

Pregopontocom Tudo disse...

Oxiiiiii.....essa escada é para integração com alguma estação de avião?????.....eita São Paulo que da deixa.......kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

SINFERP disse...

Ridícula, não é? Concepção moderna da engenharia da CPTM. É um escândalo...

Anônimo disse...

Nossa , somente no ano de 2050.......

SINFERP disse...

O descaso com gente de periferia chega a ser uma afronta.

Pregopontocom Tudo disse...

Ahhhhh.....agora eu matei a charada....essa escada vai além de São Paulo,deve ser para fazer uma integração direta com os "buzus" de Salvador que ainda não dispõem de escadas rolantes nas portas de entrada e saída.....é iiissooooo......kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...Obs.Salvador acaba de ser classificada após uma pesquisa como a 3ª pior cidade em sistema de transporte público por ônibus,a 1ª foi Brasilia,a 2ª Recife e a 3ª Salvador.......

SINFERP disse...

Ah, esse placar é inaceitável. Aqui em Sampa precisa incluir transporte público sobre trilhos, pois só com a CPTM seremos a primeira pior do país. Não é justo. Rsrsrsr