quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Mastercard lança sistema para pagar passagens de trem ou ônibus com cartão


Para facilitar a vida dos que precisam se deslocar comprando passagens e bilhetes de transportes terrestres nas grandes cidades brasileiras, a Mastercard lançou um novo sistema que permite que passageiros passem seus cartões de crédito, débito e pré-pago, apenas por aproximação, em meios de transporte públicos, como trens e ônibus.
 O passageiro não precisa nem digitar a senha do plástico. A novidade, que foi criada em parceria com as empresas responsáveis pela emissão de cartões, operadoras de trens e ônibus e adquirentes, já começou a ser liberada como teste na região metropolitana do Rio de Janeiro, mais especificamente nos trens que fazem o trajeto da Central do Brasil às principais estações da linha Deodoro, e em São Paulo, na linha de ônibus Diadema-Berrini.
A meta para o próximo mês é a capital do Paraná, Curitiba, e, para dezembro de 2017, a empresa já pretende ter instalado o sistema nas principais capitais do país. Como o passageiro precisa de agilidade na hora de passar o cartão e emitir o bilhete, o uso de senhas será dispensado. A tecnologia EMV, utilizada no projeto, permite que ele apenas aproxime seu cartão do terminal de pagamento. Se o cartão funcionar tanto com débito quanto com crédito, ficará a critério do banco definir qual função será ativada. Segundo a própria Mastercard, em 95% o débito é a opção.
Quem usa um smartphone compatível com o serviço Samsung Pay também poderá desfrutar da novidade. A Mastercard pretende, até o fim de 2016, colocar em atividade 1 milhão destes novos cartões, e por isso já fechou parcerias com órgãos emissores, como a Caixa e o Banco Original. "Se o validador do terminal ou do ônibus tiver o símbolo da Mastercard e da EMV, basta aproximar o cartão", explica Alexandre Brito, vice-presidente de Desenvolvimento de aceitação, varejo e novos negócios da companhia para o Brasil e Cone Sul.
A companhia esclarece que o seu objetivo é mirar diretamente no consumidor que pega trem ou ônibus com baixa frequência, ou seja, não depende diariamente do meio de transporte para se deslocar pela cidade. Estes passageiros geralmente compram seus bilhetes com dinheiro em espécie, e por isso, o novo recurso viria a calhar. "A gente quer acabar com o dinheiro. Nosso sistema proporciona segurança e simplicidade. Ele elimina a necessidade de carregar dinheiro, evitando roubos, e também traz a conveniência de passar pela catraca direto, sem enfrentar filas para carregar o cartão", defende Brito.
Canaltech – 11/10/2016
Comentário do Sinferp
Um passo para a extinção do bilheteiro, mas ferroviário nunca “se toca”, nunca “acorda”.

8 comentários:

Anônimo disse...

A pergunta que fica ? Quanto custa a instalação deste sistema ?

SINFERP disse...

Olha, nesse caso, e não é de duvidar que a instituição financeira entre com o equipamento. Isso já existe na China.

Anônimo disse...

Mas será que a tarifa paga pelo passageiro cobre os custos operacionais do sistema em conjunto com a empresa dona do equipamento ?. Como é a partilha dos custos para a empresa operadora deste sistema e a operadora de transporte ? O sistema é seguro , a prova de fraudes ?

Vide o tal "Bilhete ou Cartão Único" comercializados por terceiros , oferecendo "facilidades" com preço abaixo da tabela ( 3,80 R$ ) . Possivelmente, encontraram um jeito de recarregar este fraudando o sistema. Oferecem o serviço a 3,00 R$ por passageiro.

SINFERP disse...

Bem, amigo: problemas para a Mastercard resolver. Certamente pagaremos por isso tudo, direta ou indiretamente, como sempre.

Anônimo disse...

Ferroviário realmente é muito alienado mesmo, tendo hora extra, adicional noturno, sobreaviso e gratificação de função para ele está ótimo. Trabalho em abrigo de manutenção de material rodante e só agora que ferroviário se tocou que vai ser carta fora do baralho com a aposentadoria dos trens antigos e a total terceirização dos trens novos e de "meia idade". Ainda assim a maior preocupação do ferroviário é com o fim da Preventiva Noturna e ser obrigado a trabalhar de dia sem adicional noturno, não se tocou que nem mesmo Preventiva Diurna pode continuar. A pergunta que fica é aonde a CPTM vai realocar mais de 800 funcionários dos Abrigos e das Oficinas do DORO de Altino.
Ontem foi a Segurança, hoje é a Manutenção do Material Rodante, amanhã será a Manutenção das Instalações Fixas, depois de amanhã a Estação e Bilheteria e assim vai até a concessão total da Companhia.

SINFERP disse...

Ah, vão realocando de um local extinto para outro, até esse outro ser também extinto. Agora, que ferroviário é alienado, e não há o que discutir, mas adora dizer que é perseguido, injustiçado, discriminado, etc... É sempre uma vítima, coitado.

Anônimo disse...

Já chegou por aqui (18/10/2016) na Metra/EMTU em fase de testes...

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2016/10/emtu-testa-pagamento-de-passagem-por-cartoes-de-debito-e-credito.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=sptv

SINFERP disse...

Viu? Desta vez não deu nem mesmo para dizer que "tarda, mas não falha". Rsrsrsrsrs