terça-feira, 12 de julho de 2016

Governo Alckmin comprou e nunca usou 26 trens, ao custo de R$ 630 milhões

Jornal GGN - O Ministério Público Estadual denunciou nesta segunda (11) dois secretários de Geraldo Alckmin (PSDB) e mais seis diretores do Metrô por improbidade administrativa, em função do investimento de R$ 630 milhões na compra de 26 trens para a linha 5 que nunca foram utilizados. Os veículos estão parados em estacionamentos há dois anos, em estado de deterioração e, de acordo com o promotor do caso, com componentes que já ficaram obsoletos para o atual sistema.
O Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo denunciou hoje (11) o secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissoni, o ex-secretário da pasta Jurandir Fernandes e seis ex-presidentes da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) por improbidade administrativa, pela compra e não-utilização de 26 trens para a Linha 5-Lilás (Capão Redondo-Adolfo Pinheiro). Os trens custaram R$ 630 milhões e estão deteriorando parados em pátios, ao longo da linha e em garagens da empresa CAF Brasil, fabricante das composições. Alguns estão sem uso há, pelo menos, dois anos.
O promotor público Marcelo Milani, autor da denúncia, enfatizou que as composições “estão abandonadas e foram vandalizadas”. “Esses trens já estão parados há dois anos, já estão perdendo a garantia. Tudo o que está colocado naquele trem, principalmente em questão de eletrônica, de funcionamento não vai ter utilidade, perdeu a utilidade”, escreveu na denúncia, segundo o portal G1.
Milani destacou que os trens não possuem o mesmo sistema de comunicação que é utilizado pelas composições que operam a linha desde 2002. E também foram produzidos para uma bitola (distância entre os trilhos) diferente da atual. “Os trens que ali (estão) não têm a mesma capacidade, tem que ser trocado no curso da mesma linha. Sem contar que tem sistema de operação completamente diferentes por isso também os agentes públicos estão sendo responsabilizados”, afirmou o promotor.
Em abril, a RBA divulgou vídeos que mostravam 12 dos 26 trens da frota P, os trans novos da Linha 5-Lilás, parados em pátios e ao longo da via. O material foi produzido pelo Sindicato dos Metroviários de São Paulo. As composições identificadas nos vídeos são: P21, P12, P34, P15, P22, P10, P19, P16, P20, P11, P18 e P02. “Você compraria dois carros com objetivo de usar um e deixar o outro parado em casa? Não, ninguém faria isso. Então, o governador precisa explicar por que comprou composições sem perspectiva de uso”, disse, à época, o presidente do sindicato, Altino de Melo Prazeres Júnior.
Os trens parados apresentavam oxidação e desgaste na parte externa, por conta da exposição às intempéries. Além disso, os metroviários explicaram que os componentes eletrônicos e de rodagem, sem uso, se degradam, levando à possibilidade de os trens apresentarem falhas quando começarem a ser colocados em uso. “É dinheiro público jogado fora. Não tem planejamento, não tem prioridade ao transporte público. Agora precisa ver qual foi o objetivo de gastar tanto dinheiro em uma coisa que não poderia ser utilizada pela população”, afirmou Altino.
A ferrovia está sendo construída desde 1998, quando era a Linha F da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Após inúmeras alterações no prazo de entrega das 17 estações, que vão ligar o Capão Redondo à Chácara Klabin, integrando-se com a Linha 2-Verde, a previsão atual de conclusão é 2018. Nem mesmo o pátio de estacionamento Guido Caloi, que abrigaria a frota P, foi concluído.
A Linha 5-Lilás transportou 269 mil passageiros por dia, em média, em 2015. E o atendimento é feito por oito trens da frota F, de 2001. Embora o trecho seja curto, com sete estações e 9,6 quilômetros de extensão, não tendo condições de receber muitas composições, o principal problema é que os trens da frota F operam como o sistema ATO, incompatível com o sistema CBTC dos trens novos da frota P. A principal diferença é que o CBTC permite reduzir a distância entre os trens, agilizando a circulação.
As assessorias de imprensa do governo Geraldo Alckmin e do secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, disseram que quem responderá sobre a denúncia é o Metrô, que ainda não se posicionou.
GGN – 11/06/2016

Um comentário:

Luiz Carlos Leoni disse...

No metrô de São Paulo, foram especificadas linhas de metrô 4 e 5, utilizando bitolas e formas de alimentação elétricas divergentes das existentes 1,2 e 3, bloqueando as possibilidades de bifurcação e interpenetração em “Y” como acontece no Rio de Janeiro, entre outras inúmeras facilidades como o uso de composições comuns integradas.

Em São Paulo na década de 80 existiu uma linha de denominação Sorocabana cujos trens suburbanos utilizavam bitola métrica, e que num esforço na época as substituíram por bitola em 1,6 m, unificando o sistema metrô ferroviário para carros de passageiros nas sete maiores capitais e cidades brasileiras.

Por volta do ano 1996 as bitolas existentes para trens suburbanos e metrô nas principais capitais e cidades brasileiras já eram em 1,6m, sendo o metrô utilizava a tensão de 750 Vcc e trilho eletrificado, porém as futuras linhas 4 e 5 do Metrô-SP e de Salvador-BA, foram concebidas de formas divergentes das existentes no Brasil, em bitola de 1,43m e tensão de 1,5 kVcc em pantógrafo / catenária, contrariando a opinião dos técnicos, e a época da implantação de ambos após o ano de 1996, coincide com as denuncias comprovadas de cartéis e propinas amplamente divulgadas na mídia, em um claro erro de desvio de conduta.

Conclusões:
A padronização continua sendo uma forma extremamente econômica e ágil de se expandir, integrar, uniformizar, racionalizar e minimizar os estoques de sobressalentes e ativos e a manutenção de trens de passageiros no Brasil.

As análises globais, e especificações técnicas devem ser de iniciativas e interesses do cliente, e não dos fabricantes, que poderão sugerir, mas não impor o seu produto.

A integração ferroviária deve-se dar de forma prática e concreta, e não em discursos contraditórios eleitoreiros.

“Aquele que procura a verdade, corre o risco de encontrar” Isabel Allende