quinta-feira, 12 de maio de 2016

MPF instaura inquérito para apurar remoção de novos trens no RS

Composições do trem metropolitano deixaram de circular devido à infiltração. Empresa que gere o modal diz não ter sido notificada sobre a decisão.

O Ministério Público Federal (MPF) em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, Rio Grande do Sul, instaurou inquérito civil para investigar a retirada de circulação dos 15 novos trens adquiridos pela Trensurb, no final de abril. A empresa alegou que houve um problema de infiltração nas rodas e, por isso, as composições precisam passar por reparos.

O procurador da República Celso Antônio Tres solicitou ao presidente da Trensurb, Humberto Kasper, um relatório das paralisações e a descrição técnica da falha, além da cópia dos contratos de aquisição, garantia e manutenção das novas unidades, para avaliar as responsabilidades pelo mau funcionamento das composições, que foram adquiridas recentemente.

Os veículos foram fabricados em São Paulo, e começaram a operar em 2014. O investimento estimado foi de R$ 256,8 milhões, sendo R$ 14,7 milhões por unidade.

De acordo com a Trensurb, as 15 novas composições de quatro carros cada uma, fornecidas pelo consórcio FrotaPoa (formado por Alstom e CAF), têm gasto energético cerca de 30% inferior às que operavam no sistema, adquiridas em 1985. Os novos carros contam, inclusive, com sistemas de autodiagnóstico e monitoramento de falhas.

A empresa Trensurb, que gere o modal, diz que não se manifestará por ainda não ter sido notificada sobre a decisão.

G1 – 11/05/2016

Comentário do Sinferp


Ah, agora a Trensurb descobriu que os novos trens consomem mais energia elétrica do que os adquiridos em 1985? Imaginou que ar condicionado e as “maravilhas da tecnologia” consumissem menos? Vamos ver se acertamos: descobriu agora que as subestações não suportam os novos trens? Deve ser a CPTM fazendo escola pelo país...

Nenhum comentário: