domingo, 24 de abril de 2016

Metrô de SP diminui número de trens em operação nas quatro linhas

Em janeiro de 2011, o Metrô tinha 141 trens disponíveis para operação nas quatro linhas que gerencia em São Paulo (azul, verde, vermelha e lilás). Desde então, apesar das promessas de investimentos, esse número caiu.

Dados da empresa obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação mostram que, cinco anos depois, a companhia tinha 10% a menos de trens disponíveis. Todo o período analisado se refere à gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Em janeiro de 2016, eram 127 composições em operação na rede da capital, que transportou mais de 1 bilhão de pessoas no ano passado.

Para quem depende do transporte público sobre trilhos para se deslocar pela cidade, há duas consequências negativas. Com menos trens à disposição, mais lotados ficam os vagões das composições em circulação - especialmente nos horários de pico, quase sempre já superlotados-, o que piora a qualidade do serviço prestado.

Além disso, nos horários mais movimentados, o número mais baixo de trens disponíveis para operação significa também que os usuários precisam esperar mais tempo para embarcar.

Como mostrou reportagem da Folha no início do mês, o tempo médio de espera nos horários de pico aumentou na comparação de janeiro de 2010 com o mesmo mês deste ano em três das quatro linhas administradas pelo Metrô – não há dados sobre o intervalo e sobre a evolução no número de trens da linha 4-Amarela, administrada por concessionária privada, a ViaQuatro.

Entre as linhas prejudicadas estão as duas mais utilizadas: a 1-Azul e a 3-Vermelha. A única que registrou leve redução no tempo de espera foi a linha 2-Verde. Quando se compara o mesmo mês, a partir de 2011, o intervalo entre os trens aumentou em duas das linhas do metrô: na 1-Azul e na 5-Lilás.

No período de 2011 a 2016, considerando-se a evolução mensal, o pior número de trens disponíveis para operação foi registrado em janeiro de 2014: 117 composições. Na média anual, os anos de 2013 e 2014 tiveram o mais baixo número de composições à disposição dos usuários da rede: 121.

Não por acaso, esses foram os dois anos de pior desempenho também no tempo médio de espera dos passageiros analisados pela reportagem - com exceção da linha 5-lilás, cujo pior resultado foi registrado no ano passado.

PROBLEMAS NO METRÔ

O menor número de trens à disposição e o aumento no tempo de espera no horário de pico podem ser sintomas de uma crise financeira enfrentada pela empresa. A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) deu um calote de R$ 66 milhões na empresa em 2015, dinheiro que seria usado para cobrir os custos da política de gratuidades.

Sem receber os recursos devidos pelo Estado, a companhia estatal paulista é forçada a cortar custos de operação e abrir mão de investimentos e de melhorias no serviço que presta aos usuários e no quadro de funcionários.

Ao menos cinco trens foram retirados de operação  para servir de "estoque" de peças de reposição para outras composições do metrô. Isso afeta o total de composições disponíveis para operação. Funcionários da companhia dizem ainda que cada vez mais faltam essas peças de reposição, o que, segundo eles, prejudica o serviço oferecido à população.

Além disso, desde o fim de 2015, as bilheterias e máquinas de recarga do Bilhete Único também registram problemas: longas filas e falta de troco, gerando atrasos aos usuários do transporte público.

OUTRO LADO

Em nota, o Metrô afirma que "o número de trens disponíveis para operação apresentado não representa 'redução de serviço'". De acordo com a empresa estatal paulista, "não há relação entre a quantidade de trens disponíveis para operação e o aumento de intervalo entre trens".

A companhia afirma ainda que a diminuição no número de composições operacionais a partir de 2012 tem "relação direta com o processo de modernização de 98 trens, que foi intensificado a partir de 2011. De lá para cá, 75 trens já passaram pela modernização".

A empresa esclarece que operam nas linhas metroviárias, em horários de pico, 110 trens. "Isto é, em janeiro de 2016, com 127 trens operacionais, o Metrô operou com uma reserva técnica de 15,4%. Superior, portanto, à reserva técnica de 10% estabelecida como mínima."

A empresa reafirmou ainda que "incidentes notáveis afetaram diretamente o intervalo entre trens no mês de janeiro de 2016".

Em resposta à reportagem no início deste mês, a empresa afirmou que problemas operacionais e as fortes chuvas que atingiram a capital paulista em janeiro deste ano contribuíram para que a média de intervalo entre os trens aumentasse, em comparação com janeiro de 2010. 


Folha de São Paulo – Rodrigo Russo - 24/06/2016

Nenhum comentário: