segunda-feira, 4 de abril de 2016

Composições da CPTM registram 40 ocorrências notáveis em 2015

Levantamento feito pela CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) a pedido do Diário mostra que ao longo de 2015 a companhia registrou 40 ocorrências notáveis em trens que atendem suas seis linhas. O índice que leva em consideração somente a paralisação de composições em que há necessidade de acionar o sistema Paese (Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência) é 11% maior do que a quantidade de falhas registradas em 2014. Na época, foram 36.
Se levado em consideração o número total de viagens realizadas pela companhia no ano passado (858.959), o índice de ocorrências notáveis é de uma falha a cada 21.474 viagens.
Embora o número seja visto pela companhia como baixo, usuários do sistema afirmam enfrentar com frequência problemas em composições da CPTM e, inclusive, chegam a questionar os dados informados pela empresa.
“Sinceramente eu acho que já sofri muito mais problemas do que esse número ai. Quase toda semana os trens param e o maquinista avisa que é por problema no trem à frente”, relata a estagiária de Direito Stelli Duarte, 27 anos.
De acordo com a cozinheira Margarete Alves de Souza, 51, na maioria das vezes os problemas ocorrem pela manhã. “Todo dia o trem demora e os funcionários falam que é por causa de alguma falha na composição.”
Para muitos usuários, as constantes falhas podem ser atribuídas a ausência de composições. “É muito pouco trem. O intervalo é grande entre um e outro. Sem contar que eles rodam o dia todo. Isso pode agravar a situação”, relata a promotora de vendas Rosane Fernanda Alves Oliveira, 36.
Outro ponto destacado são falhas em decorrência de chuva, problema que castiga passageiros da Linha 10-Turquesa (Brás/Rio Grande da Serra). “Toda vez que chove, as estações de Utinga e Mauá alagam e ficamos horas esperando a água baixar. Isso ocorre há anos, não é algo recente”, diz o ajudante de construção João Batista de Mello, 41.
De acordo com a CPTM, como o sistema ferroviário funciona a céu aberto, com a rede de energia exposta, a operação das composições “está sujeita às interferências externas provocadas por fenômenos naturais, como chuvas e queda de árvores.”
A companhia ressalta também que trabalha para agilizar o reparo dessas falhas. “Para que haja o menor impacto possível aos usuários, há equipes de manutenção atuando em regime de prontidão.”
Linha 10 transporta 363 mil usuários em dias úteis
Responsável por fazer o trajeto entre Rio Grande da Serra e o Brás, na Capital, a Linha 10-Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) apresentou, nos últimos cinco anos, acréscimo de 10,24% na média diária de usuários. Levantamento da companhia aponta que a quantidade de embarques feitos em dias úteis saltou de 330,1 mil em 2010 para 363,9 mil no ano passado, se levado em consideração o período entre janeiro e outubro.
No período, 202,6 mil usuários embarcam todos os dias em estações de uma das cinco cidades da região. O índice representa 7% do total de passageiros em dia útil de todo o sistema da CPTM, que atende 22 municípios, engloba seis linhas e 92 paradas.
Maior operadora ferroviária da América do Sul, a CPTM transporta cerca de 2,8 milhões de usuários/dia útil. São 206,8 quilômetros de vias operacionais. Para se ter uma ideia, por dia são programadas mais de 2.750 viagens, o que equivale a aproximadamente 80 mil quilômetros de percurso.
Com o objetivo de melhorar a infraestrutura do sistema, a CPTM está com projeto para renovar a arquitetura de suas estações, a fim de comportar maior volume de usuários. Entretanto, a liberação da verba ainda aguarda aval do governo federal.
Diário do Grande ABC – Daniel Macário – 04/04/2016

Comentário do Sinferp


Bem, isso é o que diz a CPTM.

Nenhum comentário: