segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Metrô de SP manda funcionários ampliarem jornada para ato pró-impeachment

A direção do Metrô de São Paulo soltou um e-mail aos supervisores, exigindo que todos os funcionários que iriam entrar para trabalhar pela manhã neste domingo (13), estendessem sua jornada até mais tarde, e os que entrariam à tarde, antecipassem sua entrada para o meio dia.
E está pressionando os funcionários de folga a fazer hora extra, pois, segundo o e-mail, todas as bilheterias deveriam estar abertas para atender à população que iria participar do ato chamado pela direita.
“As estações deverão antecipar a entrada do turno da tarde para às 12h30, essas estações devem manter todos os quiches (sic) de bilheteria abertos, a saída do turno manhã está condicionada a liberação pela Mesa de Contingência”, afirma o e-mail. A CUT-SP avaliava se recorreria ao Ministério Público contra a medida, por uso da máquina.
Esta não é a primeira vez que o metrô, administrado pela gestão do tucano Geraldo Alckmin, se envolve em polêmicas relacionadas a atos da direita. No dia em 15 de março, o metrô liberou temporariamente as catracas para manifestantes que protestavam contra o governo da presidente Dilma Rousseff e o PT. 
Aquela foi a primeira vez que a companhia optou por liberar o acesso em uma manifestação. Em massivos protestos realizados pelo Movimento Passe Livre, por exemplo, a atitude foi fechar estações e atacar ativistas.

Vermelho – 13/12/2015

Comentário do SINFERP

E a CUT ainda avaliava se iria recorrer ao Ministério Público? Caramba! Onde ficou a CUT dos velhos e bons tempos?

2 comentários:

Pregopontocom Tudo disse...

Enquanto isso nos estudantes....porrada no lombo.....e escolas fechadas......vai vendo.........

SINFERP disse...

E com todas essas denúncias e escândalos com Metrô e CPTM, e nada acontece, nada... Impressionante. Por outro lado, deputados do PT e dos demais partidos de "oposição" quietinhos, na moita. Impressionante.