terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Metrô de Salvador (BA) será inaugurado com atraso de 12 anos e triplo do preço

Foram quatro temporadas de trabalho entre a construção da estação de metrô da Lapa, em 2000, e a estação Pirajá, em 2015. De lá para cá, os cabelos brancos tomaram conta da cabeça, quatro netos nasceram e José Messias, 75, continua na função de mestre de acabamento nas obras do metrô de Salvador.

"Nunca achei que fosse demorar tanto. É quase um milagre ver a obra pronta", diz Messias, que na última década e meia construiu fábricas, praça e casas populares.

Símbolo máximo da ineficiência em obras públicas na Bahia, a primeira linha –de 12 quilômetros– do sistema metroviário de Salvador foi concluída após 16 anos. A estação Pirajá, ponto final da obra iniciada em dezembro de 1999, será inaugurada nesta terça (22), com a presença da presidente Dilma Rousseff. Por volta das 11h (10h em Salvador), Dilma chegou à estação de metrô na cabine do maquinista ao local onde vai ocorrer a cerimônia.

A conclusão da linha é o fim de uma novela que inclui paralisações, mudanças de projeto e de contrato, greves e suspeita de superfaturamento. O trecho custou R$ 1,4 bilhão aos cofres públicos, mais que o triplo dos cerca de R$ 350 milhões orçados inicialmente, e deveria ter sido concluído em 2003.

"É um momento histórico concluir esta etapa da obra que sempre foi um símbolo de corrupção, superfaturamento e ineficiência", diz o secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, atual gestor da obra.

Capitaneada pela Prefeitura de Salvador até 2013, a obra foi tocada pelo consórcio Metrosal, formado pelas empreiteiras Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Siemens. Desde então, o metrô foi repassado para o governo do Estado, que relicitou a obra numa parceria público-privada, vencida pelo Grupo CCR, que contratou as mesmas Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez.

O atual projeto prevê 42 quilômetros em duas linhas, a um custo de R$ 3,6 bilhões. A linha 1 foi inaugurada em junho do ano passado, ainda inconclusa, às vésperas das eleições. Tinha seis quilômetros e apenas cinco das oito estações previstas. O metrô de São Paulo, que começou a ser construído em 1974, tem 78 quilômetros e 67 estações.

PERCALÇOS

As querelas judiciais, a falta de repasses federais e as alterações no projeto são apontadas pelos gestores como fatores principais para o atraso e o aumento de custo. Só a construção de um elevado não previsto no projeto original resultou em gasto adicional de R$ 36 milhões.

Também houve paralisações determinadas pelo TCU (Tribunal de Contas da União), que em 2012 detectou superfaturamento estimado em R$ 166 milhões (R$ 200 milhões em valores atualizados). Em 2010, o Ministério Público Federal já havia encontrado graves falhas, como a ausência de planilhas orçamentárias e até a suspeita de existência de um "consórcio oculto" por trás da obra.

Uma ação de improbidade denunciou as empresas Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão e Constran, mais 11 servidores municipais e federais, por irregularidades no processo licitatório e na execução das obras. Suspensa, a ação foi retomada este ano pela Justiça Federal da Bahia.

OUTRO LADO

Em nota, a Odebrecht negou que tenha participado de consórcio oculto. Sobre a ação de improbidade, disse que as decisões judiciais ainda estão pendentes de recursos interpostos pelas partes.

A Camargo Corrêa contesta as alegações de irregularidades apontadas pelo Ministério Público Federal no contrato do metrô. A Andrade Gutierrez, a Constran e a Queiroz Galvão não quiseram comentar as investigações. A OAS não respondeu à reportagem.

Prefeito responsável pelo início da obra, o deputado federal Antonio Imbassahy (PSDB) diz que a evolução foi prejudicada pela retenção de recursos federais de 2000 a 2004. Ele nega problemas no projeto e credita o aumento de custos às constantes paralisações e retomadas.

O ex-prefeito João Henrique Carneiro (PR), que governou Salvador de 2005 a 2012, não atendeu a reportagem.


Folha de São Paulo – João Pedro Pitombo - 21/12/2015

5 comentários:

Pregopontocom Tudo disse...

"Símbolo máximo da ineficiência em obras públicas na Bahia"....uma matéria bem ao estilo da Folha,facciosa,tendenciosa e despudorada.Não existe nenhuma obra de mobilidade em nenhum lugar do pais com tal magnitude celeridade e envergadura.(Ando viajando e conhecendo sistemas de transportes em vários cidades do país,a duas semanas atrás viajei pela EFC (Carajás) no novo trem de passageiros da Vale num trecho de 739 km entre São Luis Ma. e Marabá no Pa. a próxima será a Vitória Minas) A folha poderia bem aproveitar o seu tempo para fazer uma boa matéria sobre o escândalo do Tresalão de SP,sobre o monotrilho de 2,9 km,aliais se o Metrô de Salvador ficou 14 anos emperrado quando estava sob a administração da prefeitura que coincidentemente foi administrada pelo PSDB durante 8 anos a incompetência tem "marca registrada".Em apenas dois anos o Governo do estado após assumir o Metrô concluiu a linha 1 e a linha 2 já se encontra bem avançada e provavelmente será concluída antes do prazo estipulado,serão 41 km de linhas construídas em 4 anos....bom a de se perguntar a "folha"...São Paulo tem 78 km de linhas de metrô e a sua construção foi iniciada na década de setenta,o que corresponde a 1,7 km por ano.....e o monotrilho com apenas 2,9 km quanto tempo e $$$$$ já consumiu???????...a folha não passa de uma folha.........sempre tentando transformar um acontecimento positivo em algo negativo quando lhe convém.Pois tive hj,como convidado e representando o MOVIMENTO SALVADOR SOBRE TRILHOS o prazer de participar da festa de inauguração da Estação Pirajá,com a presença da Presidenta Dilma,a maior estação integrada do sistema Metroviário de Salvador.

SINFERP disse...

Caro Pregopontocom. A exemplo de qualquer outro grande jornal, a Folha faz o seu próprio jogo de conveniências. Tudo bem que nos últimos tempos você venha demonstrando admiração por empresas e gestores dos transportes sobre trilhos em Salvador, mas não há como negar que a obra levou esse tempo todo para ficar concluída e que custou bem mais do que inicialmente previsto. Exemplos similares em qualquer outro lugar do Brasil, incluindo São Paulo, não justificam atraso e tamanha mudança a mais de valores, seja onde for. Tem coisas, Progopontocom, que não podemos defender onde quer que seja - Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro ou Cariri - pois dizem respeito aos interesses públicos. Abraço.

Pregopontocom Tudo disse...

A questão não é bem assim: 1º existem duas obras do metrô, a 1ª iniciada pela prefeitura e não concluída com acusações de superfaturamento desvios e etc pelo MP e TCU,foram 14 anos para construir apenas 5 km incompletos sem as mínimas condições de operação,até os trens foram doados pelo Gov. do Estado que na época nada tinha a ver com metrô.As paralisações da obra ocorreram por conta das investigações correntes no TCU e MP em decorrência das acusações feitas pelos refs. órgãos aos gestores e executores da obra,até então repito,administrada pela prefeitura de Salvador.A 2ª iniciada pelo Governo do Estado após receber o "pepino" da prefeitura a 2 anos atrás que licitou através de uma PPP na Bovespa,na qual a CCR foi o consorcio vencedor começando ai uma nova faze do metrô sem nenhuma ligação com a 1ª.A CCR Metrô Bahia é a operadora do sistema com contrato de 30 anos apesar de ter no contrato a responsabilidade da construção e operação do Metrô a construção ficou a cargo de construtoras contratadas pela mesma.Não se pode misturar as coisas tentando jogar tudo no mesmo balaio,a realidade agora é bem diferente,o ritmo das obras é muito forte,algo nunca visto na cidade e poderia estar muito mais adiantada não fosse repetidas vezes retardada pela atual administração municipal da cidade que levou quase 2 anos para liberar os alvarás de construção da linha 2 e de estações da linha 1,além de alguns sucessivos embargos.Não se trata de defender mais apenas de se colocar os devidos pontos no "is",a atual obra do metrô nada tem a ver com os 14 anos de descasos,incompetências e atrasos, enquanto o mesmo esteve sobre a responsabilidade da prefeitura de Salvador.Espera-se inclusive que a obra possa ser entregue antes do prazo definido. Não se trata de nenhum tipo de admiração por empresas ou gestores,a nossa relação é única e exclusivamente institucional,sempre através do movimento,o qual coordenamos e representamos,Salvador Sobre Trilhos.O que fazemos é o acompanhamento das obras,damos sugestões,cobramos,fazemos reuniões com os gestores,tanto de órgãos do governo como da CCR,participamos de audiências públicas,debates,para que possamos obter além de bons resultados,um sistema de transporte ágil seguro,confortável,rápido,confiável ao alcance da população.Alem disso representamos o Movimento Salvador Sobre Trilhos no Fórum Salvador a Cidade Também é Nossa que congrega atualmente mais de trinta entidades entre elas o Crea,o CAU,o IAB,diversos movimentos e organizações populares etc,uma experiência inédita no Brasil,com reuniões quinzenais onde tratamos e discutimos problemas,obras e projetos diversos da nossa cidade intervindo e interferindo sempre que necessário.Agora aqui no momento a segue a dura batalha da integração física e tarifária intermodal metrô/ônibus.Nada mais será como antes,o Metrô chegou para transformar Salvador,e em 2017 serão 41 km de linhas ligando os dois extremos da cidade.

SINFERP disse...

Caro amigo: uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Os fatos são uma coisa e as explicações, motivos e justificativas são eles são outras. Claro que depois disso nada será como antes em Salvador, presumindo, o tempo todo, que funcionem a contento, o que só é possível saber quando em plena operação. Essa conquista é devida em boa medida graças aos esforços do Movimento Salvador sobre Trilhos, bem mais do que a este ou àquele partido ou figura partidária. Disso não temos dúvida. Manteremos apoio a esse movimento, como sempre o fizemos, enquanto ele estiver a serviço dos usuários (talvez também de trabalhadores) de transporte sobre trilhos. Parabéns e sucesso a todos vocês.

Pregopontocom Tudo disse...

E segue o trem.....rrrrsssss.....