terça-feira, 1 de setembro de 2015

Atraso deixa 31 trens novos do Metrô de São Paulo parados

O atraso do governo do Estado de São Paulo para concluir obras de duas linhas de metrô e para instalar o novo sistema de controle de trens que reduziria o intervalo entre eles tem mantido parados 31 novas composições da empresa. Na linha 5-lilás, quinze estão no pátio Capão Redondo, na zona sul de São Paulo - uma já foi pichada.

Todos os 31 trens paralisados têm a tecnologia CBTC (sigla em inglês para Controle de Trens Baseado em Comunicação). O sistema é importante para reduzir o intervalo entre as composições e, assim, diminuir a superlotação.
Na linha 5-lilás, o primeiro trem está pronto para ser usado desde outubro de 2013. Mas ele só deve entrar em operação em dezembro, com a garantia de fábrica de dois anos vencida.
Outras quatro composições circularão com tempo menor de garantia. O problema é que os trens adquiridos são mais modernos do que os trilhos, que não estão preparados para operar com o sistema CTBC.
A incompatibilidade impede, por exemplo, o uso imediato das composições no trecho entre Capão Redondo e Adolfo Pinheiro, da linha 5-lilás, o que traria mais conforto aos usuários.
O CBTC é um sistema em que os trens são comandados por computador. Os sistemas sabem onde estão cada um dos trens da linha e qual a velocidade que eles estão desenvolvendo. Assim, é possível reduzir a distância entre cada composição - e aumentar a quantidade de trens na linha.
O sistema atual, analógico, chamado ATO, controla a distância entre os trens dividindo a linha em vários setores. Quando um trem está em um setor, não é possível que outro trem entre, garantindo a distância segura entre eles, mas reduzindo a quantidade de composições que podem rodar simultaneamente em uma linha.
Ao todo, o Metrô comprou para a linha 5-lilás 26 composições modernas - com o CTBC - por R$ 615 milhões.
Já no monotrilho da linha 15-prata são mais 16 trens sem uso no pátio da estação Oratório. Ali, o problema principal é o atraso das obras de engenharia.
Prevista para ser entregue em 2014, a linha começou a operar na semana passada, interligando a Vila Prudente ao Oratório, na zona leste. Ainda não há data para a conclusão da linha.
Na linha 5-lilás, a entrega das obras de extensão foi adiada quatro vezes - ela estava prevista para este ano. Em março, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) prometeu a conclusão dela em 2017.
Segundo o Metrô, atrasos da Bombardier, empresa responsável pela modernização da via, barram o uso dos novos trens. O prazo para conclusão era novembro de 2014. A Bombardier informou, por nota, que negocia dezembro deste ano como nova data de entrega.
Para especialistas, os vagões parados têm "custo social", já que o governo pagou para que eles fossem usados na operação comercial. Os engenheiros afirmam que, sem o sistema CBTC, os vagões não podem ser testados na integralidade. O Metrô nega e diz que os equipamentos passam por todos os testes.
Social

"O prejuízo maior é o social, de investir e não ter o retorno da funcionalidade. Se vai colocar um dinheiro desse montante, é esperado um retorno. Esse valor poderia estar rendendo em outra coisa e agora está deteriorando", disse o mestre em Transportes pela Universidade de São Paulo (USP), Sérgio Ejzenberg. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".
Uol – Felipe Rau – 18/08/2015
Comentários do Sinferp

Ué? A grande imprensa não mais entrevista o professor doutor da USP?  Quanto ao mestre especialista, uma novidade: criticando o governo de São Paulo? Sempre foi um tremendo puxa-saco. 

Um comentário:

Paulo Lima disse...

Pois eh Sinferp, como sempre disse. Essa grande mídia uma das mais ricas e poderosas do país, onde consegue alienar a grande maioria do povo brasileiro. São tudo "chapa branca" que protege o governo, ou recebe umas comissãozinha(muito $$$$$$$) do governo, para não "falar mal". Complicado... E sobre a USP (nada contra a faculdade em si, também sou universitário) infelizmente essa faculdade está formando muitos jovens(não todos, porque tem alunos e professores competentes também e bons doutores que não quer participar de interesses políticos) para alienação de interesse político esquerdistas (que defendem PT, PSDB e outros) e as vezes não se interessam de participar em debates sérios que poderia melhorar o país como Saúde, Educação, Transportes(por exmemplo: Nós mesmo que sempre discutimos Mobilidade Urbana, a importância da Ferrovia e etc). E esse professor de Mobilidade (não sei... tem horas que esses Tais Doutores que sabem tudo melhror que agente), as vezes falam "mimimi" e que BRT é melhor que VLT, ou que ônibus é melhor que Metrô, depois falam ao contrário (o inverso) e é assim, muitos se acham "grandes doutores de mobilidade" e na hora não sabem discutir certos modais de transportes, e por muitas vezes (até por inocência) acabam defendendo "Corredores de ônibus" ou BRT, e nem falam e nunca falaram ao menos do VLT ou Metrô. Complicado...