sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Em reconstituição, ciclista repete que estava fora de ciclovia sob Minhocão (SP)

Foto Nelson Antoine
Aposentado de 78 anos morreu na segunda-feira (17) atingido por bicicleta. Gilmar Raimundo de Alencar mostrou aos policiais como ocorreu acidente.

O ciclista e administrador de empresas Gilmar Raimundo de Alencar, de 45 anos, repetiu nesta sexta-feira (21), durante a reconstituição do atropelamento e da morte do aposentado Florivaldo Carvalho Rocha, de 78 anos, que não estava pedalando dentro da ciclovia localizada na Avenida General Olímpio da Silveira, sob o Minhocão.

Seria melhor eu falar que estava na ciclovia? Tudo bem. Seria melhor se eu estivesse mesmo lá. Mas em algum momento a verdade poderia me desmentir."

Ciclista  Gilmar Raimundo de Alencar

O delegado Lupércio Antônio Dimov, do 23º Distrito Policial em Perdizes, disse que o ciclista deverá ser indiciado por homicídio culposo. De acordo com Dimov, a polícia ainda aguarda o laudo necroscópico para confirmar se Florivaldo morreu por traumatismo craniano, com o impacto da batida da cabeça no chão, ou por excesso de velocidade da bicicleta.

“Sou livre para tomar minhas decisões. Se eu cometi imprudência? Seria melhor eu falar que estava na ciclovia? Tudo bem. Seria melhor se eu estivesse mesmo lá. Mas em algum momento a verdade poderia me desmentir. E eu iria gerar todo um conflito político. O debate sobre a ciclovia deve acontecer normalmente", disse Gilmar.

O ciclista alega que estava a 20 km/h e que uma das pilastras do Minhocão acabou o impedindo de visualizar o pedestre. O filho da vítima e o síndico do prédio em frente ao acidente serão ouvidos nos próximos dias. "Uma ciclovia naquele local causa temor. Está feita em um lugar inapropriado", disse o delegado ao G1. Segundo ele, mesmo que o ciclista estivesse na ciclovia, a pilastra teria impedido que o pedestre fosse visto.

Versão do administrador

Segundo Alencar, administrador de fazendas de 45 anos, ele pedalava na faixa de ônibus da avenida, para alcançar a guia rebaixada de acesso à ciclovia alguns metros à frente.

 “Eu estava prestando atenção no trânsito, estava com o foco na frente. Não tive a menor chance de reação”, disse. “Não estava na ciclovia, estava na rua. Ia acessar a ciclovia. Estava fazendo a trajetória da pista e o impacto se deu na rua, na faixa de ônibus, um pouco antes do acesso da ciclovia o canteiro a 50m”, disse.

Para o ciclista, a pilastra pode ter impedido que o idoso enxergasse a bicicleta e levado a vítima a atravessar a rua bem em frente ao seu trajeto. “Ele caiu na rua. Caímos os dois. Então o coloquei na calçada, perto da ciclovia, para poder prestar socorro”, afirmou. “A pilastra prejudicava minha visão da calçada, mas quem provavelmente ficou prejudicado foi o pedestre, que não me viu e se pôs na minha frente.”

O ciclista disse que socorreu o idoso deitando o aposentado no canteiro central da avenida, sob o Minhocão, ao lado da ciclovia, e chamou o resgate. A vítima foi levada para o hospital, mas não resistiu. Alencar chegou a ir ao prédio onde o aposentado mora, bem próximo ao local do acidente, para saber sobre seu estado de saúde, onde foi informado da morte de Rocha.

De acordo com o delegado Lupércio Dimov, do 23º DP em Perdizes, o ciclista disse em seu depoimento que pedalava a aproximadamente 20 km/h. O filho da vítima, o administrador Eduardo Carvalho Rocha, disse ao Bom Dia SP que o ciclista estava em alta velocidade.
“Meu pai saiu para comprar um pão, ele atravessou a avenida e quando ele entrou na parte de pedestre da ciclovia foi atropelado por uma bicicleta. Essa bicicleta vinha em alta velocidade, pegou ele e consequentemente por ser uma pessoa já idosa ele sofreu ferimentos, vindo a falecer”, afirmou.

Sinalização

A ciclovia sob o Minhocão foi inaugurada há dez dias. O trecho é palco de conflito entre ciclistas, usuários de ônibus e pedestres.

A sinalização não determina que os usuários de ônibus têm que sair ou deixar os pontos de ônibus a partir de faixas de pedestres que ficam ao lado desses pontos. Assim, andam um bom trecho embaixo do canteiro central e se arriscam principalmente perto dos pilares, onde as ciclovias fazem curvas e é impossível ver quem está vindo do outro lado.

O problema se repete perto de outros pontos de ônibus da ciclovia, que passa ao longo de 50 pilares do Minhocão, entre a região da Barra Funda e o Centro de São Paulo.

A presença de pedestres atravessando fora das faixas também é motivo de riscos no novo serviço, especialmente se o pedestre pisa no canteiro central perto dos pilares. A Prefeitura de São Paulo chegou a instalar gradis bem ao lado dos pilares, mas os pedestres passam ao lado deles a todo momento.

O Secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, disse que o atropelamento foi "uma tragédia". "Lamentamos profundamente. Não podemos ficar culpando o ciclista. Temos de verificar o inquérito e ver o que aconteceu. Se precisar fazer ajustes (na ciclovia), vamos fazer", afirmou.

O prefeito Fernando Haddad pediu apuração do caso. "Obviamente vamos acompanhar o inquérito para saber o que aconteceu. São cerca de 3 a 4 mortes por dia na cidade de São Paulo. Já vi acidentes no Parque Ibirapuera entre ciclistas e pedestres", disse Haddad.

G1 – Carolina Dantas – 21/08/2015

Comentário do Sinferp


Com a reconhecida falta de transporte coletivo em São Paulo, e ficam desvairados do panelaço e do mortadelaço as voltas com mais uma solução para o transporte individual e privado sobre pneus – a bicicleta. Para piorar, tomando espaço do já abandonado e sofrido pedestre - o mais ecológico, democrático e saudável de todos – na calçada. Por que não vão cuidar da segurança de ciclistas na periferia, onde bicicleta é transporte por falta de opção, e não frescura ostentativa de classe média metida a politicamente correta?

Um comentário:

Leoni disse...

Entendo que os alcaides ainda nem aprenderam a priorizar, planejar, executar e fiscalizar o trajeto dos corredores e faixas de ônibus e querem fazer isto, o sr.Haddad prometeu 150 km de corredores e só entregou ~37 km, 25% do previsto, e em troca ampliou as ciclovias que não tem a importância dos corredores de ônibus simplesmente ocupando calçadas e faixas dos pedestres ou de veículos, diminuiu a velocidade em várias vias, e passou para gravíssima a multa para o infeliz que ultrapasse as faixas de ônibus e o resultado aí esta.

E também parar de se comportar como uma biruta que ao resultado das pesquisas eleitorais e pressões politicas promovem mudanças que em tempos recentes se diziam imutáveis, como a volta dos taxis nas faixas de ônibus.

Como o próprio texto introdutório informa, vários projetos apresentaram problemas e falhas na concepção e algumas obras foram barradas pelo TCM – Tribunal de Contas do Município e TCU – Tribunal de Contas da União.

Os órgãos identificaram vários problemas técnicos nos projetos e suspeitas de sobre preço em algumas licitações para as obras, será que teve propinas!?

Em São Paulo qual é a finalidade daquele Memorial da América Latina na Barra Funda que foi construído em um local estratégico para ser uma ampla estação rodo ferroviária, e aquele esqueleto do Museu do Trabalhador que esta sendo erguido em pleno centro de São Bernardo do Campo por aquele partido que tem como lema “Pátria Educadora”, quanto dinheiro inútil para monumentos sem funcionalidade nenhuma, e estranhamente planejados pelos mesmos preocupados em mudar o nome do elevado e que visam exclusivamente ao culto de personalidades, será que ira constar da placa inaugural que ali teve dinheiro “doados“ da Petrobras!?