terça-feira, 28 de julho de 2015

Estudante que perdeu braço em assalto em trem processará SuperVia (RJ): "Você se sente abandonado"

Segundo Naiara Ramalho, concessionária alega que responsabilidade é do governo.

Naiara de Sousa Ramalho, de 27 anos, que perdeu o braço direito em assalto em um trem da SuperVia diz que, até agora, não recebeu assistência da concessionária. A estudante afirmou que vai processar a SuperVia.  
— A SuperVia alega que é culpa de segurança pública, culpa do governo.
Ela estava na estação Édson Passos, em Mesquita, Baixada Fluminense, quando foi assaltada dentro do trem. Ao tentar sair da composição, a mochila dela ficou presa à porta. A estudante foi arrastada e caiu no vão entre o trem e a plataforma.  
— Em momento nenhum, eu não vi agentes da SuperVia na plataforma. Deveria ter um mínimo de agentes da SuperVia. Você se sente abandonado.  
Após a perda do braço, ela está tendo que reaprender a fazer atividades do dia-a-dia, como escrever, usar celular e, até mesmo, ter equilíbrio enquanto caminha.
Por meio de nota, a SuperVia afirmou que "a segurança pública no sistema ferroviário é atividade típica e exclusiva do governo do Estado, que atua nas estações e trens por meio do GPFer (Grupamento de Policiamento Ferroviário). Esta é uma das determinações do contrato de concessão".
R7 – 28/07/2015

Comentário do SINFERP


Conversa fiada. A responsabilidade objetiva pela segurança do usuário é da concessionária, pois foi com ela que o usuário firmou contrato de prestação de serviço..

Nenhum comentário: