terça-feira, 2 de junho de 2015

Ferroviários de SP rejeitam propostas e iniciam greve nesta quarta-feira.

Os funcionários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) decidiram, em assembleia realizada na noite desta terça-feira (2), que entrarão em greve em quatro linhas –7-Rubi, 10-Turquesa, linhas 11-Coral e 12-Safira – a partir da 0h desta quarta-feira (3), em São Paulo. Cerca de 2,8 milhões de passageiros que usam os trens diariamente deverão ser prejudicados.

Para as linhas 7-Rubi e 10-Turquesa, que atendem a capital, ABC Paulista e outras cidades da região metropolitana, a paralisação será por tempo indeterminado.

Já o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, que representa as linhas 11-Coral e 12-Safira, vai realizar a partir desta quarta uma paralisação de 24 horas. Depois fará uma assembleia no dia 11 de junho, no TRT, para avaliar novas propostas.

Uma nova reunião de conciliação entre representantes da CPTM e funcionários da empresa terminou sem acordo na tarde desta terça. O encontro acenou com três novas propostas: duas feitas pela empresa e uma pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

As propostas da CPTM foram: reajuste salarial de 7,72% – 6,65% do IPC/Fipe (de março) mais 1% de produtividade sobre esse valor – e mais 10% sobre os benefícios, ou reajuste de 8,25% sobre salários e sobre os benefícios. O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) propôs aumento de 8,5% nos salários e benefícios, mas o percentual não foi aceito pela empresa.

Os funcionários, por sua vez, já tinham definido em assembleia realizada na semana passada uma contraproposta de aumento salarial de 9,29% (7,68% do INPC, mais 1,5% de aumento real), além de igualdade em relação aos metroviários nos valores dos benefícios vale alimentação, vale refeição e auxilio materno infantil.

Uma nova assembleia já está agendada para esta quarta-feira, às 14h, para avaliar possíveis novas propostas da CPTM e definir os rumos da greve.

O último reajuste da categoria aconteceu em maio do ano passado e foi de 7,5%. Na ocasião, o acordo com os funcionários foi fechado no dia anterior ao marcado para iniciar a greve.

Uma liminar concedida no último dia 22 pelo desembargador do TRT Wilson Fernandes proíbe a “liberação de catracas” e determina um contingente mínimo na greve: 90% do efetivo de maquinistas, e 70% em relação às demais atividades (operação e manutenção de trens, entre outros)– nos horários de pico, entre 4h e 10h e entre 16h e 21h– e ainda um efetivo de 60% nos demais horários.

O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo (linhas 7-Rubi e 10-Turquesa), Maurício Alves, confirmou que a mobilização da greve deverá ser de 100% e que a CPTM não procurou o sindicato para discutir o contingente de emergência.

Uol – 02/06/2015

Informação do SINFERP


Ferroviários das linhas 8 e 9, por proposta do Sindicato da Sorocabana, não aderirão a greve marcada pelos demais sindicatos.

Nenhum comentário: