quinta-feira, 19 de março de 2015

Propinoduto Tucano:: Contas no HSBC na Suíça mostram relação entre Metrô e Alstom

O acervo de 8.667 nomes de pessoas ligadas ao Brasil e que mantiveram contas no HSBC, na Suíça, contém pistas sobre escândalos recentes de corrupção no Brasil. 

A lista de antigos correntistas do HSBC  inclui dois ex-diretores do Metrô (Paulo Celso Mano Moreira da Silva e Ademir Venâncio de Araújo) que abriram contas na Suíça na época em que a estatal assinou um pra lá de suspeito contrato com a multinacional francesa Alstom. 

Inclui também Henry Hoyer, citado em fevereiro em depoimentos tomados pela Operação Lava Jato como substituto do doleiro de Alberto Youssef para ser um dos operadores no esquema de desvio de recursos na Petrobras 

No quadro a seguir, o resumo das informações bancárias dos dois ex-diretores do Metrô e de Henry Hover.  

O levantamento desses nomes faz parte de uma detalhada apuração conduzida nas últimas semanas numa parceria entre o UOL, por meio do Blog de Fernando Rodrigues, e o jornal “O Globo”. 

A série de reportagens SwissLeaks começou a ser publicada em escala mundial em 8 de fevereiro de 2015. Trata-se de uma análise de um conjunto de dados vazados em 2008 de uma agência do ‘private bank’ do HSBC, em Genebra, na Suíça. O acervo contém informações sobre 106 mil clientes de 203 países e saldo superior a US$ 100 bilhões. 

A investigação jornalística multinacional é comandada pelo ICIJ, sigla em inglês para Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, em parceria com o jornal francês “Le Monde”, que obteve os dados do HSBC. 

O Caso Metrô/Alstom e o HSBC 

Dois engenheiros que trabalharam para o Metrô de São Paulo abriram contas na Suíça, no banco HSBC, justamente num período sobre o qual há denúncias de que a empresa teria feito negócios ilegais com uma fornecedora, a empresa francesa Alstom. 

Os engenheiros Paulo Celso Mano Moreira da Silva, hoje com 70 anos, ex-diretor de operações do Metrô de São Paulo, e Ademir Venâncio de Araújo, 62 anos, ex-diretor administrativo do Metrô e ex-diretor de obras da CPTM, são acusados de improbidade administrativa pelo Ministério Público do Estado.
Uma vistoria dos dados do caso SwissLeaks demonstra que ambos tinham dinheiro no HSBC em Genebra, na Suíça, nos anos de 2006 e 2007. Moreira da Silva apresentava um saldo de US$ 3,032 milhões. Venâncio de Araújo tinha duas contas, cada uma com um valor diferente: US$ 3,538 milhões e US$ 3,489 milhões. 

O mais interessante sobre esses dois engenheiros é uma “coincidência” de datas. Moreira da Silva e Venâncio de Araújo assinaram, em 10 de abril de 1997, contrato para que a Alstom fornecesse, sem licitação, sistema de sinalização e controle da linha Norte-Sul (Vermelha) do Metrô de São Paulo. Eles optaram por fazer um termo aditivo a um contrato antigo do Metrô com a Alstom, de 8 anos antes. 

Na época de assinatura do aditivo, o Estado de São Paulo, que controla o Metrô, era governado por José Serra (PSDB).  

Fonte: Sindicato dos Metroviários/SP

Nenhum comentário: