sábado, 20 de dezembro de 2014

Banqueiro britânico é banido da profissão após não pagar passagem de trem

Burlar as leis na Inglaterra é algo que pode acabar saindo caro. Um banqueiro de Londres que passou anos dando um 'jeitinho' para não pagar a tarifa correta do trem que o levava até o centro financeiro foi banido de sua profissão pelas irregularidades cometidas.
Jonathan Paul Burrows era diretor da BlackRock, uma das maiores gestoras de fundos de investimentos do mundo, e foi pego por funcionários do trem na estação Cannon Street – localizada bem no centro financeiro de Londres – confessando ter feito o percurso sem pagar os £21,50 (R$ 92) referentes à taxa do trem saindo de Stonegate, no condado de East Sussex, no sudeste da Inglaterra – uma viagem de cerca de 1h30 de trem.
"Burrows admitiu que, em diversas ocasiões, de forma deliberada e consciente, ele deixou de comprar um tíquete válido para cobrir todo o seu percurso", disse a Financial Conduct Authority (FCA), o órgão que regula os mercados no Reino Unido.
No total, os valores não pagos por Burrows no trem somam cerca de £42.550 (R$ 183.309), segundo as estimativas do FCA.
"Como Burrows tinha uma posição importante na indústria de serviços financeiros e uma pessoa correta, ele deveria ser um exemplo para os outros e sua conduta caiu muito abaixo do padrão esperado para alguém nessa posição", acrescentou a organização.
O banqueiro até pagava uma taxa do trem, mas fazia um esquema para não pagar todo o trajeto percorrido. Para isso, ele embarcava na estação Stonegate – uma estação sem catracas localizada em uma área rural – sem comprar uma passagem. Chegando a Londres, ele saía pelas catracas da estação Cannon Street usando o cartão de transporte londrino (Oyster Card), que apenas cobrava o percurso dentro da cidade – uma taxa de, no máximo, £7,20 (R$ 31).
'Fui um idiota'
Por ter burlado a lei, o banqueiro Jonathan Burrows estará proibido de trabalhar no mercado financeiro da Inglaterra e teve de devolver o dinheiro não pago nas passagens de trem mais £ 450 em custos legais – no total, foram £ 43.000 (R$ 185.295).
Em resposta à decisão da FCA, ele disse: "Sempre reconheci que o que eu fiz foi idiota. Eu pedi desculpas para todas as partes envolvidas e reiterei meu pedido de desculpas publicamente."
No entanto, ele acrescentou que "o tamanho da punição acordada poderia levar a uma percepção distorcida sobre o tamanho do erro cometido por ele."
"Ao mesmo tempo que respeito a decisão da FCA hoje, eu também me arrependo, já que ela veio manchar uma carreira de 20 anos fazendo tudo da maneira correta".
"Eu reconheço que a FCA tem erros maiores do que o meu para avaliar no setor dos serviços financeiros e eu peço desculpas que o meu caso tenha tomado o tempo deles nesse momento de conjuntura crítica sobre o futuro do centro financeiro e da sua reputação."


BBC – 20/12/2014

Nenhum comentário: