quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Trem do Corcovado (RJ) justifica reajuste de até 31% na tarifa

A decisão da diretoria do Trem do Corcovado de reajustar o preço nos ingressos de 31% (em relação a alta temporada) gerou uma polêmica. A Bito alegou que os novos preços, que entraram em vigor no último dia 7, prejudicam as operadoras que negociaram contratos ainda com preços antigos. Para discutir a questão foi convocada uma coletiva de imprensa onde a Secretaria de Estado de Turismo do Rio de Janeiro, a Associação Brasileira de Agências de Viagem (ABAV-RJ) e a Associação Brasileira de Turismo Receptivo Internacional (BITO) vão denunciar o impacto provocado pelo  reajuste, sem aviso prévio, sob alegação de que  os pacotes para a alta temporada já foram comercializados antecipadamente, tanto no Brasil quanto no exterior, com o preço antigo.

Já Sávio Neves, presidente do Trem do Corcovado emitiu uma nota oficial onde explica que as novas regras e preços, foram impostos pelo novo consórcio vencedor da licitação anunciada em outubro e formado pelo ICMBio / Ministério do Meio Ambiente / Parque Nacional da Tijuca, que recentemente entrou em vigor. "De fato, são mudanças radicais que nos pegaram desprevenidos, sem tempo ainda de fazer uma correta e necessária divulgação. Quero esclarecer que este acréscimo de valor será recolhido diretamente pelo Governo Federal. Para o Trem do Corcovado, isso não nos beneficia em nada, porque, do valor do bilhete, independente da época do ano, pois ficamos apenas com R$ 36", esclarece. 

A proposta apresentada pela diretoria do Trem do Corcovado - mas ainda sujeita a análise -  é de que  até 15/2  o ICMBio  pratique o valor de baixa temporada. Assim, o reajuste para os agentes de viagem, antigos e tradicionais "vendedores" deste produto, seria R$ 51, com um reajuste de apenas R$ 5. 

O dirigente finaliza dizendo-se solidário aos parceiros - agentes de viagens - nesta questão.

O valor do bilhete cobrado pelo consórcio  ICMBio / Parque Nacional da Tijuca passou a ser o seguinte:

Alta Estação (com início neste dia 29 nov e se estende até 15/02), o valor do bilhete saltara para R$ 62. Na baixa estação o valor será de R$ 51.


Mercado e Evento – Luiz Marcos Fernandes - 26/11/2014 

3 comentários:

Anônimo disse...

VLT de Uberlandia(MG), vamos ver se sai e não venham com essa conversa que o custo é caro para implantar, e mudam para BRT. Pode ser que a Universidade tenha vontade de implantar, o problema vai ser a resposta do Governo. Que pode não sugerir VLT e preferir BRT.

http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2014/11/vlt-em-uberlandia-devera-custar-mais-de-r-1-bilhao-aponta-estudos.html

Anônimo disse...

Outra boa notícia para quem defendo VLTs nas Cidades. Em Taubaté(SP) vai ser inaugurada a nova fábrica de VLT da Alstom.

http://viatrolebus.com.br/2014/11/alstom-deve-abrir-unidade-em-taubate/

SINFERP disse...

Só no Estado de São Paulo projetos de implantação de VLTs são pífios.