domingo, 12 de outubro de 2014

Obras do VLT interditam três faixas da Avenida Rio Branco no Rio de Janeiro (RJ)

foto Severino Silva
Fechamento parcial entre a Visconde de Inhaúma e Praça Mauá começa neste sábado, junto com abertura de acesso da Rodrigues Alves.
Rio - O início da implantação da infraestrutura do futuro Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Rio Branco traz nova mudança para o trânsito do Centro do Rio a partir das 0h de sábado. O trecho da avenida entre a Visconde de Inhaúma e a Praça Mauá terá três faixas de rolamento interditadas, reduzindo à metade a capacidade viária. 
A prefeitura não espera um grande impacto no tráfego com esta nova interdição porque o fluxo de veículos neste trecho da Rio Branco já foi bastante reduzido desde que o sentido foi invertido em fevereiro. Os ônibus que passam pelo local em direção à Praça Mauá não terão alterações no trajeto e os pontos serão apenas transferidos para as faixas de rolamento que continuarão em operação. 

Além do fechamento deste trecho da Avenida Rio Branco, o acesso da Avenida Rodrigues Alves para a Rua Barão de Tefé será reaberto também a partir de sábado, devido à finalização da retirada de entulho da Perimetral no local. A Avenida Rodrigues Alves permanece com a pista junto ao mar totalmente interditada. A pista interna permanece aberta somente no sentido Rodoviária, da Praça Mauá até a Barão de São Félix. 

Até o fim do ano, todas as frentes de obras para implementação das seis futuras linhas do VLT devem começar, o que vai proporcionar mais interdições em ruas do Centro e da Região Portuária. Ao todo serão 28 quilômetros de trilhos. O sistema terá 42 pontos de embarque e desembarque, entre eles quatro estações: Central, Rodoviária Novo Rio, Praça 15 e Aeroporto Santos Dumont. 

Cada composição do VLT será formada por sete módulos articulados e terá capacidade para até 415 pessoas. A estimativa é de que transporte diariamente 285 mil passageiros, a partir de 2016. Os veículos serão movidos a energia elétrica, mas não haverá rede de eletricidade suspensa. O abastecimento das “baterias” será feito pelo solo.

Rodízio de carros em estudo 

Os trilhos do VLT passarão por importantes vias da cidade, como toda a extensão da Avenida Rio Branco e a Rua Sete de Setembro, além de cortar a Presidente Vargas em dois pontos, na altura do Palácio Duque de Caxias e na Candelária. Para reduzir o fluxo de veículos no Centro e os impactos no trânsito das futuras interdições, a prefeitura estuda ainda a instalação do rodízio de placas de veículos na região central da cidade.


O Dia – Cláudio Souza - 08/10/2014

Nenhum comentário: