sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Contra estrada saturada, trem é aposta para 2020 em São Paulo

Proposta é que a linha seja de São Paulo, até Americana, no interior do Estado 

Antiga promessa da gestão Geraldo Alckmin (PSDB), que concorre à reeleição, o sistema de trens regionais ligando a capital paulista ao interior pode finalmente começar a sair do papel - e só porque as rodovias entre São Paulo e Campinas devem "travar" nos próximos anos. Projeção divulgada nesta quinta-feira (11), pelo governo do Estado indica que o edital do primeiro trecho da rede, entre São Paulo e Americana, com 135 km de extensão, deve ser publicado no ano que vem. Já a previsão de entrega dessa linha é 2020.
A viagem total levará 1h29min e a passagem custará mais do que a dos ônibus. O modelo estudado é o de parceria público-privada (PPP) integral, como o da Linha 6-Laranja do Metrô, cujo contrato chegou a ser barrado em agosto na Justiça, por suposta infração a duas leis. Batizada de TIC (Trem Inter-Cidades), a linha será toda construída em superfície, a partir da Estação Água Branca, na Lapa, na zona oeste da capital.
Sem a necessidade de túneis e obras muito complexas, o ramal, embora bem mais extenso do que uma linha de metrô subterrâneo, custará menos, cerca de R$ 5 bilhões (a Linha 6 da rede metroviária paulistana, de 15,9 km, está orçada em R$ 9,6 bilhões). O leito de circulação das composições aproveitará a velha malha da São Paulo Railway e da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, fundadas no século 19, e onde hoje operam serviços de carga das empresas de logística ALL e MRS.
No total, o TIC terá nove estações: Água Branca, Jundiaí, Louveira, Vinhedo, Valinhos, Campinas, Sumaré, Nova Odessa e Americana.
Embora assessores próximos de Alckmin costumem dizer que a implantação dos trens regionais é a "menina dos olhos" do governador, o projeto segue em "marcha lenta". Em 2012, uma manifestação de interesse público (MIP) foi apresentada ao governo pelo consórcio formado pelas empresas EDLP (Estação da Luz Participações) e BTG Pactual. Em 2013, um grupo técnico foi formado para avaliar as melhores opções do TIC.
Colapso

Agora, dados da Secretaria Estadual de Logística e Transportes passaram a subsidiar a tese de que o governo do Estado precisa construir uma conexão ferroviária de passageiros, sob o risco de colapso das duas principais estradas entre São Paulo e Campinas. As estatísticas, apresentadas ontem em palestra do coordenador da PPP, Thierry Besse, na Semana de Tecnologia Metroferroviária, na região central, indicam que as Rodovias Bandeirantes e Anhanguera começarão a sofrer de séria saturação a partir de 2020. Dez anos mais tarde, a situação será tão ruim que a Anhanguera atingirá o nível máximo de esgotamento viário entre os quilômetros 25 e 38 durante mais de meio dia, das 6h às 19h. Para se ter uma ideia, em 2012, isso só acontecia no horário de pico da manhã (das 6h às 9h) e em só um sentido no trecho dos km 49 ao 52 e às 7h entre os km 86 e 92.
 "A tarifa tem de ser atrativa para que você coopte o motorista do carro em virtude do pedágio e do combustível e também do fretado", disse nesta quinta-feira Mário Manuel Bandeira, presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O TIC levará 68,5 mil usuários ao dia. Até Campinas a viagem durará quase 1h04min. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
R7 – 12/09/2014
Comentário do SINFERP
Pois é: em 2020. A tarifa tem de ser atrativa para “cooptar” o motorista de carro? Não seria convencer, estimular, verbos mais adequados?


5 comentários:

Lucas disse...

[off-topic]
E mais uma vez, a imprensa chapa-branca fazendo reportagem enaltecendo o BRT e "batendo" no VLT. De novo em São José dos Campos - SP. Quem quiser ir lá e rebater os "especialistas ouvidos pelo jornal", fique a vontade:

http://www.ovale.com.br/uma-viagem-pelas-rotas-do-brt-1.558203

SINFERP disse...

Lucas, melhor nem reproduzir isso no São Paulo Trem Jeito, tremenda a bronca.

Lucas disse...

ok, sinferp.

Agora, e esses trens regionais hein. Fiquei sabendo que desde 2004 o Alckmin promete e até agora nada.

Esses dias vi uma entrevista do Jurandir Fernandes prometendo a ligação entre Campinas e Jundiaí mais uma vez, a mesma coisa que prometeu em 2011 (e que, naquela época, disse que estaria pronto este ano). Brincadeira!

Marcelo disse...

Boa tarde.
2020? Estão de brincadeira...
Sou usuário diário dessas duas rodovias, elas aguentam no máximo mais 2 ou 3 anos...
Abs.

SINFERP disse...

Bom dia Lucas, bom dia Marcelo. Não, não estão de brincadeira. Estão apenas pedindo para darmos mais e mais oportunidades de releição para eles. Esquecem que foram eles que acabaram com toda a malha ferroviária paulista (inclusive com trens de passageiros para esses mesmos lugares que agora dizem "criar"). É piada, e de péssimo gosto.