domingo, 3 de agosto de 2014

Poluição atmosférica gera perda de R$ 7,7 tri

A poluição decorrente do uso de veículos está causando perdas estimadas em US$ 3,5 trilhões (R$ 7,7 trilhões) ao ano devido a mortes prematuras e doenças, contados apenas os países desenvolvidos, a China e a Índia. O valor é maior que o PIB do Brasil, estimado em quase R$ 5 trilhões.

É o que divulgou recentemente a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), durante seu Fórum Internacional de Transporte, realizado em Leipzig, Alemanha.

De acordo com a organização, que reúne países desenvolvidos e em desenvolvimento, o valor é decorrente de nova metodologia de contagem feita pela OMS (Organização Mundial de Saúde) que apontou o número anual estimado de mortes decorrentes da poluição dos transportes em 3,5 milhões de pessoas ao ano em 2012, valor cerca de 10% superior ao registrado no levantamento anterior, de 2010.

Segundo o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, o número de mortos decorrente da poluição do transporte é maior que o estimado de mortes causadas por contaminação da água e falta de coleta de esgoto no mundo.

Para ele, o problema vem crescendo por causa de dois fatores, o aumento do número de pessoas com acesso a veículos e a falta de transporte público, aliado à falta de políticas públicas para reduzir a poluição dos transportes. Segundo Gurría, os países devem agir o quanto antes e a primeira medida deveria ser o fim do subsídio ao diesel, combustível mais poluidor que a gasolina e outros.

"Não há justificativa ambiental para taxar o diesel menos que a gasolina", disse Gurría durante entrevista.

De acordo com os dados divulgados pela OCDE, o crescimento dos custos estimados com mortes e doenças causadas pela poluição foi puxado pela China, que sozinha representou US$ 1,4 trilhão, valor próximo ao dos países desenvolvidos (EUA, Canadá e União Europeia), que somaram R$ 1,7 trilhão.

A pesquisa atribui que uma parte das mortes decorrentes de ataques do coração, alguns tipos de câncer e problemas pulmonares são decorrentes da poluição. No caso da União Europeia, por exemplo, metade de todas as mortes por essas causas são associadas à poluição atmosférica específica dos transportes. Segundo o trabalho, o número pode variar de país para país.

De acordo com Guria, não foram feitos cálculos para a América Latina por falta de dados consistentes para a análise.

Mas, no mais recente trabalho sobre o tema no Brasil, divulgado em outubro de 2013 pelo ICCT (Internacional Council on Clean Transportation), ONG que trabalha em cooperação com alguns órgãos governamentais no Brasil, o país aparecia como responsável por 3,5% das mortes mundiais decorrentes poluição atmosférica do trânsito.

No relatório do ICCT, o Brasil aparece como líder na adoção de medidas para reduzir a poluição do ar no trânsito, com a adoção de combustíveis mais limpos desde o ano passado.

Segundo dados da própria OCDE, é o único país fora da Europa, Estados Unidos e Canadá a ter implementado essa mudança para ter um combustível equivalente ao nível 5 europeu. A Europa, EUA e Canadá já usam o combustível nível 6, enquanto os outros países adotam o nível 4 ou inferior.

O relatório aponta no entanto que, se o país avançar para os padrões europeus mais rígidos, poderiam ser evitadas 2,4 mil mortes ao ano decorrente da poluição dos transportes previstas até 2030.


O Diário – 03/08/2014

3 comentários:

Lucas disse...

Poluição é um dos fatores que ainda pesam contra os BRTs.
Pelo menos já tem "especialista" no Brasil defendendo VLT em vez de BRT na imprensa.

http://m.folhavitoria.com.br/politica/noticia/2014/08/especialista-critica-brt-e-defende-implantacao-de-metro-de-superficie-na-grande-vitoria.html

Lucas disse...

Outro especialista defendendo o transporte sobre trilhos, desta vez em BH.

www.hojeemdia.com.br/horizontes/so-o-metro-vai-evitar-colapso-do-transito-de-bh-em-2020-1.258031

Paulo Lima disse...

O problema Lucas, que como estamos num País Rodoviarista, onde todo mundo já tem seu carro com IPI Zero, Políticos tudo comprado por Financiadores de Campanha e o Povo só se preocupa com Futebol, Carnaval, seu carro do ano, Funk, Balada, Cerveja e muito Sexo. Então não devemos esperar muito que os VLTs ainda nos próximos 30 anos seja solução principal escolhida por Políticos e Especialistas(que pra mim não é Especialista P... nenhuma) que acham que só BRT é solução definitiva ao Brasil. Então Lucas, as vezes minhas esperanças ao VLT em Cidades Brasileiras acabam.
Ou seja, a cada 1 Especialista conhecedor da causa que está defendendo o VLT para uma Cidade, uns 10 já está defendendo BRT.

Nem mesmo Cuiabá, Santos e Rio implantando o VLT (já me deixa menos triste, e sim otimista) implantando o VLT. Fico muito triste dessas Cidades como Porto Alegre(RS), Florianopolis(SC), Joinvile(SC), Blumenal(SC), Londrina(PR), Maringa(PR), Sorocaba (SP), Brasília(DF), Manaus(AM) e São Paulo(SP. Poderia ter um desses na Av Paulista e no Bairro da Consolação) de não ter o VLT. Porque pelo Urbanismo bonito que essas Cidades tem, tem perfil para ter o VLT. Por exemplo em Florianópolis(Floripa),Sorocaba e Londrina, que não deveria ter BRT, não combina com essas Cidades. Deveria era ter o VLT, porque teria seu combinável perfeito para esses Municipios.