segunda-feira, 30 de junho de 2014

Ritmo da obra do Veículo Leve Sobre Trilhos oscila em Santos (SP)

As obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Santos ainda não deslacharam, diferente da cidade vizinha, São Vicente. Na Avenida Francisco Glicério, a remodelação do canteiro central, por onde circulará o VLT, inclusive, ainda não começou. 

Já a área da antiga linha férrea é um verdadeiro canteiro de obras. O leito carroçável entre as avenidas Conselheiro Nébias e Washington Luís (Canal 3) é um dos poucos pontos concluídos. Em abril, a previsão da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), responsável pela obra, garantiu que essa extensão da via seria aberta ao trânsito no início de maio, o que não aconteceu.

A Tribuna percorreu o trecho santista em obras na última semana. Até a altura da Avenida Bernardino de Campos (Canal 2), nenhum funcionário foi visto trabalhando na área interditada. O local mais ‘cru’ na intervenção está entre a Washington Luís até a Avenida Ana Costa. Ali, os trilhos já foram removidos, mas o terreno todo foi revirado, com montanhas de terra e entulho por toda parte.

Acelerado

A partir do Canal 2 é que toda a movimentação de equipes começa, aumentando gradativamente até a divisa com São Vicente. Na altura do número 400 da Francisco Glicério, um grupo formado por cinco técnicos fazia na manhã de sexta-feira a medição topográfica do terreno. Neste ponto, será implantada uma estação de embarque e desembarque. 

Perto dali, em meio às obras, a base comunitária da Polícia Militar no Campo Grande permanece em funcionamento. O posto deve ser transferido, mas os funcionários ainda não sabem quando isso deve ocorrer.

Estações

A partir da Avenida Pinheiro Machado (Canal 1), pode-se ver maior movimentação de funcionários. A ciclovia ganha proteção de telas e um novo contorno. Perto do horário de almoço, um grupo de cerca de 20 homens pôde ser visto trabalhando na estação que está quase pronta. “Como adiantaram o trabalho em São Vicente, mandaram mais gente para reforçar o trabalho (em Santos). 

São cerca de 50 homens trabalhando aqui” comentou um funcionário. A Estação Pinheiro Machado já conta com sinalização e piso tátil e os operários dão os acabamentos finais ao local.

Túnel

O mesmo acontece na Estação Nossa Senhora de Fátima, que fica no José Menino e será a primeira parada santista para quem vem de São Vicente. Ali, a obra não para nem na hora do almoço. É que neste ponto, acontece uma das principais intervenções (junto com a demolição do viaduto da Avenida Antonio Emmerich e a transposição da Rodovia dos Imigrantes). O túnel que dá acesso a São Vicente está sendo alargado.

Para evitar problemas com o solo, não serão empregados explosivos para ampliar a cavidade. Um produto está sendo aplicado nas paredes da antiga passagem para facilitar a remoção manual do material.

Conforme a EMTU, a técnica utilizada na duplicação deste túnel é conhecida como argamassa expansiva. Um tipo de argamassa especialmente tratada é injetada na rocha. Conforme o material se expande, provoca a fratura da rocha, que é removida sem necessidade de explosões, proporcionando uma menor interferência no entorno das obras.


A Tribuna – 30/06/2014

4 comentários:

Paulo Lima disse...

Estou acompanhando no Skyscrapercity.com , como anda as obras do VLT.
Falo uma coisa, no lado de São Vicente tem grandes chances para acabar até fim do ano. Agora pelo lado Santista, é de lamentar, até agora nem de 20% passou das obras. Por exemplo a Av Francisco Glicério que foi polêmica entre os Ambientalistas e a EMTU, nem começou direito os trabalhos, já faz 6 meses que a Justiça liberou as obras, e nada de inciar direito, no máximo foi só as terras mexidas pra lá e pra cá e nada de avanços. E outra, no trecho de Santos, vai dar mais trabalho porque nas Avenidas da Cidade o VLT vai circular no canteiro Central(uma delas Av Francisco Glicério), e até agora nada dos trabalhos. E muitos falam o que vei ficar pronto é só pelo lado de São Vicente,no lado de Santos corre o risco de ficar pronto só no 2º Semestre do ano que vem. Uma pena...(ou seja, esse VLT pode atrasar até mais um ano de obras)
E outra, parece que a ideia do VLT ir até Guarujá, foi deixada de lado. Porque quando a Presidenta Dilma foi para Baixada anunciar investimento pelo Túnel entre Santos-Guarujá, anunciou que terá Corredor de ônibus. E quando vi o novo Projeto do Túnel, me decepcionei!!! No lugar que previa VLT, colocaram Corredor de ônibus. E de revoltar! Agora não tenho certeza, se a ideia da EMTU de levar o VLT até Guarujá, persiste ou já foi descartada? Até etendo que o VLT da Baixada está sendo feitas em Fases em Fases. E outra, o que preocupou, e que com o Novo Traçado Metropolitano da EMTU da Baixada, o Guarujá não aparece mais nos Planos da EMTU de levar o VLT, nos Planos anteriores previa o VLT até a Cidade com a 3º fase do Projeto. Estranho....

SINFERP disse...

E lembrar que Guarujá já foi servida por bondes...

Paulo Lima disse...

Pois eh, vc viu o novo Projeto do Túnel do Túnel entre Santos-Guarujá??? Que triste... no lugar que previa o VLT, vão por e Corredores de ônibus. Fazendo que o VLT no Guarujá seja excluída pela EMTU, que raiva!!
To achando que o VLT na Baixada não vei ter muita expanção para fora da ilha, só ficará restrito dentro da Ilha e o restante ligando o Continente a Ilha será só BRTs mesmo, alimentado o VLT de Santos/são Vicente.

SINFERP disse...

É o que deve acontecer.