quinta-feira, 19 de junho de 2014

Após atraso, monotrilho é prometido para julho em SP

A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) deve entregar as primeiras duas estações de monotrilho da capital paulista no início de julho, ou seja, com um novo atraso em relação ao cronograma divulgado no fim do ano passado, que previa as paradas Vila Prudente e Oratório da Linha 15-Prata, na zona leste, prontas em março. A nova data também ficará mais próxima do dia 4 de julho, o limite para que o governador, que tentará a reeleição, possa participar de inauguração de obras.

Com as restrições eleitorais, o tucano também deixará de descerrar as placas das próximas estações da Linha 4-Amarela, cujas obras se iniciaram dez anos atrás, ainda em seu primeiro governo. A previsão do secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, é de que a Estação Fradique Coutinho, em obras, seja aberta ao público em setembro. 

Outras duas, Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie, só devem receber passageiros no ano que vem. As últimas - São Paulo-Morumbi e Vila Sônia -, apenas em 2016, ano em que a linha de 12,8 km e 11 estações poderá finalmente estar pronta. "Oscar Freire e Higienópolis sofreram muitos atrasos importantes. Estamos tentando ainda ver se fazemos isso (inaugurá-las) este ano. Se não for possível, no comecinho do ano que vem", disse Fernandes nesta terça-feira, 17, durante a entrega de dois trens na Estação da Luz, na região central.

Política

O secretário também atribuiu o atraso da entrega do primeiro trecho do monotrilho a um "jogo político" envolvendo sindicatos, já que os operários que participam da construção do ramal entraram em greve duas vezes neste ano. A última paralisação terminou na última sexta-feira, depois de duas semanas.

"Eles escolheram fazer greve na Linha 15, no Rodoanel e em um trecho da Linha 5-Lilás. É evidente que isso tem uma demonstração política. De mais de 1,2 mil obras no Estado, escolher três que são de alta importância para o governo, para o Estado e para a população evidencia um viés político muito forte", afirmou Fernandes.

A greve teria contado com o apoio do Sindicato dos Metroviários, informou o secretário de Alckmin. "Um sindicato que deixou de tratar da sua categoria, que deixou de pensar na melhoria de sua categoria, para pensar num viés político-partidário. Isso foi claro", atacou Fernandes, que tem criticado a entidade, desde a paralisação de cinco dias dos metroviários.

Contudo, no mês passado, o próprio Fernandes havia atribuído a demora da entrega da Linha 15-Prata, na zona leste, a outro motivo: atrasos da canadense Bombardier, responsável pelos trens que circularão no ramal. Agora, ele disse que os operários grevistas impediram a entrada de técnicos da empresa para realizar os testes. 

A assessoria de imprensa do Sindicato dos Metroviários não se manifestou. Já representantes do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada (Sintrapav) não foram encontrados nesta terça.
Yahoo – Caio do Valle – 17/06/2014
Comentários do SINFERP

Que coisa cínica essa de atribuir a jogo político de sindicatos todos os problemas do governo. Só falta ele, governo, aparecer dizendo que a  viga que despencou foi obra de sabotagem de sindicalistas. 

9 comentários:

Thiago nunes viana disse...

governo provando o gosto do seu prórpio veneno. quando eles fazem "guerrinha política" pra justificar o atraso na aprovação de verbas, nós temos de compreender. Agora quando nós fazemos nossa "guerrinha política", a fim de que alguns certos senhores não venham se apoderar (em garboso discurso....) de algo que eles não financiaram com recursos "próprios" um centavo além do que já pagam de impostos, é injustiça?????? Já que não podemos matar esses energúmenos que se acham administradores, podemos ao menos tomar-lhes parte do palanque... estou sendo prejudicado por essas greves? claro que sim! mas....as greves me ferraram por 5 dias (isso somente a do metro...) e logo o governo ja resolveu mandar gente embora. O governo nos ferra a décadas e somente doenças mortais os tiram do poder....

SINFERP disse...

Isso mesmo Thiago. Nosso governo acredita ter o monopólio da ação política. Somos todos penalizados pelas agruras nos deslocamentos por conta de décadas de desmandos desse mesmo governo, e que agora temos que dele ouvir que "outros" criam problemas.

Euripedes disse...

Grande progresso fez o governo do Picolé de Chuchu. Antes, o problema da CPTM era um cabo de vassoura. Agora é o Sindicato e sua ação politica. Jogaram o Sindicato em cima da linha? Ou será que os sindicalistas se uniram e empurraram a viga do monotrilho para cair? Realmente é muito complicado para um governo admitir sua incompetência no trato das coisas publicas.

SINFERP disse...

A cara de pau desse governo, Eurípedes, é verdadeiramente um espanto.

Lucas disse...

Governo de Minas quer construir um acesso pelos trilhos até o aeroporto de Confins. Bem, pelo menos não mencionaram o BRT como alternativa.

www.otempo.com.br/cidades/trilhos-para-chegar-a-confins-1.867008

SINFERP disse...

Já é um tremendo lucro, Lucas. rsrsrs Um bom trajeto para trilhos. Ô aeroporto distante. rsrssr

SINFERP disse...

Link no ar, Lucas. Gratos

Paulo Lima disse...

Eh, prometem para Julho, depois para Agosto, setembro, Outubro e até fim do ano. Correm o risco de todo mês adiarem para mais um mês. Espero que quanto logo esse Monotrilho fique pronto(tem que ficar logo pronto, porque depois de Julho o Governador não poderá mais fazer inaugurações, para não infringir a LEI eleitoral), mais a cuja operação de verdade, acho que nem fica para essa ano não, o que vai ocorrer no meu ver, é inaugurações eleitoreiras de algumas Estacoes, mais sem o Monotrilho funcionar ao Publico. Por exemplo o VLT da Baixada, o Governador já inaugurou algumas Estações sem o VLT funcionar, e o mesmo só vai funcionar em Março de 2015.

SINFERP disse...

Farão o possível para não inaugurar, Paulo, pois sendo uma experiência inédita no mundo (com essa dimensão e capacidade de uso), imagine o impacto eleitoral se essa coisa não funcionar a contento.