sábado, 10 de maio de 2014

‘Linha nobre’ da CPTM sofre com lotação e atrasos

Média de passageiros em dias úteis cresceu 48,4% no ramal 9-Esmeralda entre 2011 e o ano passado.

SÃO PAULO - A Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que segue o curso do Rio Pinheiros, teve um aumento de 48,4% na média de passageiros em dia útil entre 2011 e 2013. Com 162.121 usuários a mais, o ramal entre o Grajaú, na zona sul da capital paulista, e Osasco, na Região Metropolitana, foi o que teve o maior crescimento na demanda entre toda a rede metroferroviária controlada por empresas do governo do Estado.
O ramal sempre foi considerada o mais nobre da CPTM. Ele conecta bairros empresariais como Brooklin, Cidade Jardim e Pinheiros. Desde os anos 1990, a linha é utilizada como celeiro de melhorias para a rede. Foi ali, por exemplo, que foram instalados os trens espanhóis, ainda na gestão Mario Covas - que costumava dizer que queria dar "padrão de Metrô" para a linha 9. Em 2008, os passageiros desse trajeto ouviam Mozart, Vivaldi e Chopin no caminho para o trabalho - com muitas reclamações, o projeto de música clássica nos trens acabou descartado.
Mas, hoje, o cenário é de superlotação e de longos intervalos durante os horários de pico. Anteontem, por exemplo, os trens demoravam cerca de 10 minutos para passar nas plataformas das Estações Autódromo e Primavera-Interlagos, embora o prometido seja de 4 a 8 minutos. No Grajaú, os trens ficavam parados, superlotados e sem previsão de saída.
A situação, segundo funcionários da CPTM, "é normal". No entanto, a população reclama do serviço que é prestado diariamente. "Às vezes, fico 30 minutos parada na estação esperando um trem com boas condições para entrar. Eles saem tão lotados do Grajaú que é impossível embarcar nas estações seguintes", afirmou a assistente jurídica Maria Sena, de 42 anos. "É uma falta de respeito ter de pagar para esse tipo de serviço."
Na Estação Grajaú, a plataforma fica tão superlotada que as filas de passageiros para entrar embarcar começam após as catracas. Também há lentidão em alguns trechos, o que aumenta ainda mais os intervalos.
A demanda da 9-Esmeralda vai aumentar ainda mais no ano que vem, quando as Estações Varginha e Mendes, no extremo sul de São Paulo, forem inauguradas. Segundo a CPTM, as duas paradas vão adicionar 120 mil passageiros ao ramal. Em 2010, a linha já havia ganhado mais passageiros com a integração da Linha 4-Amarela do Metrô na Estação Pinheiros.
"Não tem nenhuma surpresa (a forte demanda do ramal). Quem falar que não era previsível está errado, porque foram feitos relatórios e estudos apontando isso (o aumento da demanda após a criação da Linha 4-Amarela)", afirmou o urbanista e consultor de transportes Flamínio Fischmann.
O secretário Estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, afirmou que até o fim do ano os intervalos na Linha 9-Esmeralda serão reduzidos, dos atuais 4 a 8 minutos para 3 a 6 minutos. Segundo o secretário, a linha 9-Esmeralda estará preparada para as novas estações no ano que vem.
Monotrilho. Além da extensão da linha, no ano que vem mais passageiros devem entrar na CPTM. A Secretaria de Estado de Transportes Metropolitanos prevê que em 2015 o monotrilho da Linha 17-Ouro faça a integração com a Estação Morumbi da CPTM.

A Linha 9 também faz integração com a Linha 5-Lilás do Metrô, que liga o Capão Redondo à Estação Adolfo Pinheiro. O governo do Estado chegou a dar descontos para quem pegar o trem fora do horário do pico, justamente para tirar os passageiros do trem e colocá-los no ônibus. Mesmo assim, a 9-Esmeralda só ganha usuários.

O Estado de São Paulo – Rafael Italiani - 10/05/2014

Comentários do SINFERP

Saiba porque sempre foi o melhor ramal, e que em nada tem a ver com a CPTM

12 comentários:

Anônimo disse...

Essa linha teve o primeiro sistema de transmissão digital por fibra óptica da CPTM, implantado em 2001. Só que já ficou obsoleto e a CPTM já licitou e homologou a licitação. Só não assina o contrato. Os novos equipamentos permitiriam a transmissão de 64 vezes mais capacidade de tráfego do que o sistema atual, acabando com todos os gargalos existentes na sinalização, comunicação de dados entre CCO e estações e controle de subestações. Pelo jeito querem "desenobrecer" a linha, com a demora em iniciar essas obras.

SINFERP disse...

Boas informações, Anônimo. Bem, a CPTM e esse governo dormiram por mais de 20 anos, e agora correm de forma desencontrada em todas as direções, e não acertam e nem concluem nada.

Anônimo disse...

Depois vem com "aqueles" dizeres de "Choque de Gestão"......só para inglês vê...

SINFERP disse...

Vai ver é "Gestão de Choque". rsrsrsr

Anônimo disse...

a linha 9, depois da terceirizaçao tem sua disponibilidade sempre abaixo da expectativa. mal consegue colocar 19 trens no rush, e quando sai, sai com falhas porque se for para sair redondinho, ia ser uns 11 ou 12. é a politica da CPTM de fazer um balcao de negocios. a linha aumentou a demanda, o que já era esperado, e a CPTM enquanto isso fez o favor de entregar a manutençao nas maos de quem só quer ganhar de dinheiro e nao fazer o serviço direito. e a linha 8 só nao está igual, porque alem de ter muito trem sobrando, como o trem ainda pertence a c-trens, eles acabam dando uma manutençao um pouco melhor.

SINFERP disse...

Verdade. A continuar assim, e cada trem terá um par sobressalente para substituir em caso de falha. Negócios, apenas negócios.

Leoni disse...

De acordo com esta tabela oficial podemos tirar algumas conclusões:

1ª A linha 10-Turquesa possui uma demanda superior a linha 7-Rubi, mesmo tendo o monotrilho Ipiranga / Cidade Tiradentes não entrado em operação, isto desmente o argumento sorrateiro de dirigentes da CPTM, que o manipularam para tirar a linha 10 da Luz, em favor da linha 7.

2º A prioridade e urgência que deveria em ser dada a reforma e ampliação do trecho entre a Luz e Barra Funda, com a construção da estação Bom Retiro, a revigoração da Júlio Prestes e reforma da de Agua Branca antes da construção da linha 6-Laranja.

SINFERP disse...

Concordamos com você, Leoni.

Anônimo disse...

a linha 10 foi tirada da estaçao da luz primeiro por causa de obras na via (que nao deram certo) e depois porque viram que só com as linhas 7 e 11, a coisa na luz ficava mais organizada (ou menos bagunçada).

como vc vai ampliar o trecho entre luz e barra funda ??? nao entedi essa questao.

nao concordo com a construçao de uma estaçao bom retiro, com a CPTM tendo duas estaçoes prontas na regiao (luz e j. prestes), onde seria mais facil ligar as duas, fazendo com que a linha 8 tambem tivesse integraçao direta com o metro e via quatro. alem disso, a luz nao tem condiçao de ser estaçao terminal de 2 linhas de grande movimento, o correto era levar o expresso leste ate barra funda ou a linha 7 ate o bras (ou as duas coisas se possivel), fazendo assim com que a luz fosse exclusivamente para integraçao, pois barra funda e bras tem melhores condiçoes para ser estaçao terminal.

Leoni disse...

Vejamos algumas definições básicas de tipos de estações ferroviárias
1ª Terminal: Composições não tem prosseguimento no mesmo sentido, expl. Júlio Prestes.
2ª Passagem: Composições tem prosseguimento no mesmo sentido, expl. Luz.
3ª Mista: Possuem ambas as características de terminal e passagem, expl. Barra Funda , Brás.
Comparando as baldeações no Brás ou Barra Funda vejamos os dois casos;
1º Linha dez no Brás, os usuários tem as opções de utilizar os trens suburbanos ou metro numa estação de passagem em que ambos, trens e metro estão em um local de demanda máxima no sentido Barra Funda.

2º Linha sete na Barra Funda, com possível terminal na Júlio Prestes, os usuários tem as opções de utilizar os trens suburbanos ou metro numa estação de terminal em que ambos, trens e metro estão em uma estação terminal em um local de demanda menor no sentido Luz zona leste, pois estão no contra-fluxo, além de que quando chegassem a Julio Prestes teriam acesso via a uma passagem a ser construída, as linhas 1-Azul e 4-Amarela do metro, num total de três linhas.

A estação da Luz já estava com sua capacidade esgotada quando teve por um planejamento mal executado a instalação uma estação subterrânea como terminal da linha-4 Amarela do Metro, sem que a estação Nova Luz estivesse concluída.
A estação da Luz é uma estação de característica de passagem, e é um desperdício logístico utilizá-la como estação terminal como é a Júlio Prestes, que só tem condições de receber composições provenientes de Barra Funda, se for para usar como terminal, porque não se transferiu a linha 7 para Júlio Prestes que fica próxima e esta subutilizada ?

Algumas das últimas áreas periféricas paralelas disponíveis para estações ferroviárias em SP, como o;
Iª Pátio do Pari;
IIª Área entre a estação da Luz e Júlio Prestes no antigo moinho desativado, e recentemente demolido Estação do Bom Retiro, na qual englobaria as duas linhas duplas que se dirige a Luz , com uma dupla que se dirige a Julio Prestes, em uma estação unifvicada;
IIIª Priorizar a execução do projeto da Nova estação da Luz, integrando com a Júlio Prestes, que hoje esta subutilizada com previsão de encerramento como estação ferroviária;
IVª Cercanias da estação da Mooca até a Av.do Estado na antiga engarrafadora de bebidas desativada no município de São Paulo;
Vª Unificação das linhas 7 e 10, ou seja, exatamente como era em passado recente e que nunca deveria ter mudado, utilizando composições mais potentes, para finalizar a alegação que a potência das composições atuais da linha 10 não é possível vencer a inclinação de linha 7, ou seja, exatamente do mesmo tipo das que são utilizadas hoje da Luz até Francisco Morato, com a aquisição de algumas unidades complementares as existentes.
VIª Existe hoje entre as estações do Brás até Mauá uma linha ociosa que no passado foi utilizada como linha expressa com paradas na Luz, Brás, S Caetano, Sto André e Mauá.
O expresso ABC Linha 18 -Bronze, é outra farsa eleitoreira que se promete no futuro chegar a Luz (que hoje esta suprimida) mas que na verdade é um monotrilho com final na estação Tamanduateí, da CPTM, não até o centro, como muita gente esta entendendo, e já tem até um tal “Morando” em SBC, posando em cartaz como pai desta criança que ainda nem foi concebida.
Uma vez que fica demonstrado tecnicamente ser esta uma decisão arbitrária e sorrateira, devemos sim, levar em conta o lado político na escolha da linha a ser retirada, pois na região do ABC são municípios independentes e seus eleitores não votam na capital, e um histórico de bom comportamento em relação a outras linhas, o que é confundido como usuários satisfeitos.

SINFERP disse...

Um bom debate entre Anônimo e Leoni. Parabéns e agradecimentos a ambos.

Anônimo disse...

a subutilizaçao da julio prestes se resolve com a integraçao com a luz. nao é algo de outro mundo a se fazer, se comparado por exemplo a integraçao luz metro-cptm (subterranea) e a integraçao bras metro-cptm (lado externo).

juntar as linhas 7 e 10 é um erro.
a grande demanda de passageiros da CPTM é abastecer o metro, logo, fazer uma linha que sai de jundiai e vai ate rio grande da serra é deixar mais moroso o sistema.

se em determinadas linhas ja existem os loop que atendem os trechos de maior demanda, isso q vc propoe é fazer um loop ao contrario, ou seja, vai colocar muito trem para uma atender uma demanda pequena e sobrecarregar o trecho de maior demanda. imagina o trem ter q sair do ABC, ir ate jundiai para depois voltar, sendo que a maioria do pessoal q sai do abc desce na capital para pegar metro? e o mesmo ocorre com os usuarios da regiao noroeste.

alem disso, se hoje qualquer falha ja causa enorme transtorno, ampliando a linha vc vai causar um transtorno muito maior.

a CPTM nao precisa fazer uma nova estaçao na regiao da luz, precisa é integrar melhor suas linhas e ampliar seus dominios para o extremo da cidade.