sexta-feira, 14 de março de 2014

Cade: cartel de trens atuou também em licitações federais

Documentos obtidos pelo Cade apontam que empresas operaram também em disputas em Porto Alegre e Belo Horizonte.
Documentos obtidos em julho de 2013 pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contêm indícios de que houve conluio entre as empresas acusadas de formar um cartel para fraudar licitações de trens em São Paulo e Brasília também em contratos da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), para o metrô de Belo Horizonte, e da Trensurb, de Porto Alegre; em 2012. As duas estatais são vinculadas ao Ministério das Cidades. As informações são do jornal  
Os indícios de atuação do cartel também em Belo Horizonte e Porto Alegre serão apresentados pelo Cade na próxima semana. Nesse período, o órgão deve instaurar um processo administrativo contra as empresas suspeitas de participação no esquema. 
As licitações realizadas em Porto Alegre e Belo Horizonte foram vencidas por consórcios formados pela francesa Alstom e a espanhola CAF. As duas empresas não tiveram concorrentes nas disputas. 
Terra – 14/03/2014

2 comentários:

Transparência disse...

A modalidade de licitação utilizada pela Trensurb para comprar os trens foi o Regime Diferenciado de Contratações – RDC.
O Governo Federal institui esta modalidade afim de ampliar a eficiência nas contratações públicas e competividade, promover a troca de experiências e tecnologia e incentivar a inovação tecnológica.
O RDC foi instituído pela Lei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, e regulamentado pelo Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011, sendo aplicável exclusivamente às licitações e contratos necessários à realização:
• dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016;
• da Copa das Confederações da Federação Internacional de Futebol Associação - Fifa 2013;
• da Copa do Mundo Fifa 2014;
• de obras de infraestrutura e de contratação de serviços para os aeroportos das capitais dos Estados da Federação distantes até 350 km (trezentos e cinquenta quilômetros) das cidades sedes dos mundiais; e
• das ações integrantes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
Era o caso de utilizar esta modalidade para compra de trens??
Porque os diretores da empresa 6 meses antes de assinar o contrato visitaram a CAF e a ALSTON e apenas estas duas empresas?
Porque apenas a CAF e ALSTON participaram da licitação?
Porque houve pressa na assinatura deste contrato?

SINFERP disse...

Amigo, eles vão criando nomes bonitos para dar uma aparência de racionalidade e lisura ao que não tem racionalidade e nem lisura. Apenas fazem negócios entre eles. São sempre as mesmas vendendo para os mesmos.