quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Plano de demissões do Metrô vai afetar maiores de 60 anos e novos funcionários

Enquanto isso...
Secretário de Transportes Metropolitanos detalhou medidas para manter tarifa a R$ 3.

O secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes, detalhou nesta quarta-feira (9) o PDV (Plano de Demissões Voluntárias) para manter a tarifa a R$ 3 em 2014. Funcionários com mais de 60 anos e novos contratados serão os maiores afetados pela medida, cujos frutos nos cofres públicos só devem ser sentidos em um ano.

— Estamos fazendo uma adesão a partir dos 62 anos de idade. Se ela for pequena, podemos partir para 61 anos, abrir um pouco mais a faixa. Vai depender da adesão para saber o volume. Agora, em um primeiro momento, você tem um aumento de custos para pagar as indenizações, mas isso é compensado depois de dez, 12 meses você já começar a sentir a redução.
As declarações de Fernandes foram feitas durante o Fórum de Mobilidade, promovido pelo jornal Folha de São Paulo no Tucarena, zona oeste de São Paulo. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, participou da abertura do evento. 

O secretário do governo estadual não soube informar o tamanho da adesão necessária, tampouco quanto será necessário economizar para manter a tarifa a R$ 3 durante 2014, que é um ano de eleição para o Palácio dos Bandeirantes. A escolha pelos funcionários com mais tempo de Metrô é justificada, de acordo com Fernandes.
— Digamos um funcionário sênior que tenha 35, 40 anos de casa. No Metrô, a política de salário e carreira é de ganho de 1% ao ano em termos reais. Então ele já tem 30%, 35% além do salário. O novo [funcionário] não tem, então essa redução já é automática. Esse é um dos aspectos da redução de custo.
O Metrô deve lançar oficialmente o plano de demissões até o final do ano. Contudo, o secretário acredita que a medida é apenas parte de um pacote de ações que estão sendo realizadas para que, com menos custeio, seja possível não subir o valor da tarifa. Ele pontuou a realocação de funcionários e menos contratações como outras medidas necessárias.
— Gasto de energia elétrica nós estamos racionalizando, escadas rolantes todas com sistema de compensação [liga e desliga], iluminação, tudo. A única não-redução é na parte operacional. As novas estações que estamos abrindo — Adolfo Pinheiro, Vila Prudente e Oratório —, nós vamos fazer a realocação de quadros. Ao invés de contratar, vamos realocar quadros internos e contratar menos pessoas.

R7 – Thiago de Araújo - 09/10/2013

Nenhum comentário: