segunda-feira, 28 de outubro de 2013

CPTM falha todo santo dia

Enquanto isso...
Levantamento da companhia revela que em um mês ocorreram 31 falhas, a maioria por falta de energia.

Os trens da  CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) sofrem em média uma pane por dia que provoca a paralisação total ou parcial da linha por alguns minutos ou horas. Esse dado faz parte de um levantamento no Sicom (Sistema Integrado de Controle de Operação e Manutenção) da empresa e foi fornecido pela diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil (base São Paulo) ao Ministério Público de São Paulo.
O MP abriu em abril deste ano um inquérito civil público para apurar a origem dessas panes. “Nossos peritos estão avaliando as condições da rede, mas a impressão que tenho é que o governo do estado tem mandado um orçamento para ela (CPTM) que é insuficiente para atender à demanda que eles têm”, afirmou Maurício Ribeiro Lopes, promotor de Habitação e Urbanismo. “Percebo isso em razão das constantes falhas que têm ocorrido. Isso mostra que eles têm operado no limite de suas capacidades”, constata.
Segundo o promotor, a CPTM opera com as linhas “no limite” e “sobrecarregadas”. “E é no limite que acontecem os erros. Acho que essa falha pode estar relacionada a essa operação no limite das forças da CPTM.”
O levantamento feito pelo sindicato no Sicom foi realizado no período de 23 de março a 23 de abril deste ano. “No período analisado ocorreram 31 falhas, aproximadamente uma por dia”, explica o relatório encaminhado pelo sindicato ao MP. “A busca concentrou-se somente em ocorrências que prejudicaram mais de 500 passageiros, de modo que várias outras situações de menor impacto não foram, aqui, retratadas.”
Entre as principais ocorrências no período analisado, o sindicato destaca  um incêndio no dia 6 de abril em um equipamento secundário do Centro de Controle Operacional, que  provocou a paralisação completa da CPTM por aproximadamente seis horas. A segunda ocorrência refere-se a um descarrilamento de um trem com usuários nas proximidades da Estação Itaquaquecetuba, que prejudicou  dez mil passageiros.
A CPTM, por sua vez, informou que registrou neste ano uma ocorrência “notável” a cada 21 mil viagens realizadas, ou seja, uma pane a cada oito dias de operação de suas linhas.
Companhia só considera pane quando vem Paese

A assessoria da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) só contabiliza as panes como “notáveis” quando há interrupção da linha e é necessário acionar o sistema Paese (ônibus gratuitos) para os passageiros.  Além disso, a empresa diz disponibilizar de um sistema de manutenção para minimizar os problemas. “Neste ano, a CPTM registrou 1,5 ocorrência a cada um milhão de quilômetros rodados”, disse. “Para que haja o menor impacto possível  há equipes de manutenção que atuam em regime de prontidão.”
Diário de São Paulo – Fernando Granato - 27/10/2013

Comentário do SINFERP


Bem, quem não conhece a CPTM é capaz de acreditar.

5 comentários:

Anônimo disse...

o MKBF das frotas 7000 e 7500 só despencou desde maio deste ano. quem sabe o que mudou de maio pra cá vai entender o porque.

Anônimo disse...

Não podemos esquecer do consórcio DINAMITE.

SINFERP disse...

Claro! O Consórcio Dinamite. rsrssr

Anônimo disse...

O consórcio Dinamite faz a CAF parecer a NASA de tão ruim que e o serviço, dois trens da 2100 já tiveram princípio de incêndio no trecho, a série 2070 ainda não foi assumida plenamente por eles, a série 3000 tem trem canibalizado e até mesmo na série 2000, com os caras herdando a estrutura do Consórcio Cobraman, que realizava de longe o melhor serviço dentre as terceirizadas (a Siemens quarterizou a manutenção dos 3000 no último contrato e a qualidade despencou a ponto da CPTM sequer liberar aditivo de contrato, o Comafer parecia um saco com tantas empresas envolvidas e a PPP 5000 e blindada pela alta diretoria da CPTM), vem fazendo um serviço bem deficiente. Se a CPTM tivesse um mínimo de decência, romperia unilateralmente o contrato com o Consórcio TNT, mas sabe como e, ano que e ano de doação eleitoral...

SINFERP disse...

Bem, como você mesmo lembrou, no ano que vem tem eleição, e é do couro que sai a correia. Além disso, se alguém fica no prejuízo pode abrir a boca, e a ai a casa cai...