segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Confira os percalços que o aeromóvel enfrentou desde sua concepção, na década de 70

Aeromóvel em 1993
O primeiro veículo do aeromóvel que vai ligar o Trensurb ao Aeroporto Salgado Filho vai ser posicionado neste sábado nos trilhos. A operação de içamento do A100 deve ocorrer entre as 11h e as 13h. Saiba os acontecimentos que marcaram a história do trem de superfície:

— 1979: Oskar Coester montou um primeiro protótipo, para testar o conceito, na sua firma no bairro Serraria.

 — 1982: Começa a construção da linha do aeromóvel na Avenida Loureiro da Silva e do veículo articulado para 300 passageiros. No mesmo ano, porém, o Ministério dos Transportes desiste do projeto.

— 1983: Em 10 de abril, a Coester dá prosseguimento ao projeto com recursos próprios, e o aeromóvel faz sua primeira viagem ao longo da Loureiro da Silva.

— 1988: em 20 de abril, Oskar Coester faz a primeira viagem do aeromóvel em Jacarta, ao lado do ditador Suharto.

— 2011: A linha de testes da Loureiro da Silva ainda se mantém. Nos últimos anos, a empresa e a PUCRS tratam a construção de uma linha que ligue os dois campi da universidade na Avenida Ipiranga.


Zero Hora – 12/10/2013

9 comentários:

Anônimo disse...

Modalidade de transporte indicada somente para interligar somente outros modais de transporte . Não é indicado para a modalidade como Transporte de Massa de Grande Capacidade.

SINFERP disse...

O aeromóvel não se propõe a ser um veículo de grande capacidade de transporte, assim como monotrilho e VLT.

Anônimo disse...

alguem entao explica isso pro governo do estado, que está fazendo monotrilho a rodo.

SINFERP disse...

Mas o governo também sabe que monotrilho não é veículo de grande capacidade. O de São Paulo é experiência pioneira no mundo, considerando suas dimensões.

Anônimo disse...

Uma experiência ( o monotrilho )que pode se tornar um verdadeiro fracasso . Se sua concepção já fora feita pelos Europeus na década de 70 , pergunto: porque não vingou? Muitos especialistas sabem das particularidades técnicas deste modal : complicada e onerosa mudança de via, ainda se esta apresentar problemas técnicos ( defeitos ) , acessos ( somente por via elevada ) , rotas de fuga e outros ......

SINFERP disse...

Sim, seremos um grande balão de ensaio. O aeromóvel tem a vantagem de ser uma tecnologia nacional, e de estar sendo aplicada em escala reduzida, quase experimental. Bem, sempre preferimos o VLT ao monotrilho...

Anônimo disse...

Cada modal tem sua particularidade . Sua capacidade em termos de passageiros por sentido e hora. Monotrilho e Aeromóvel tem suas particularidades técnicas e devem ser adequadas ao seu respectivo uso com estudos de viabilidade técnica e econômica . Por exemplo , o Aeromóvel que vai ligar uma estação da Trensurb com o Aeroporto atende a demanda sendo esta de porta em porta . Alias , vejam este link :
http://www.revistaferroviaria.com.br/index.asp?InCdEditoria=1&InCdMateria=20586

Reportagem : "Justiça suspende implantação do monotrilho em Manaus".

Anônimo disse...

quem conhece cidade tiradentes, sao mateus e toda aquela região da zona leste onde estará o monotrilho sabe que um modal de pouca capacidade vai entrar em colapso nos primeiros dias de operaçao, ainda mais com a propaganda e a expectativa de melhoria significativa no transporte. o METRO e a CPTM que possuem maior capacidade já estao em colapso devido a integraçao com os onibus + a propaganda chamativa do governo, que fez com que a demanda aumentasse muito sem a devida melhoria na oferta. é esperar pra ver.

SINFERP disse...

Também não somos otimistas quanto ao sucesso do monotrilho nas regiões a serem por ele atendidas. Isso sem contar o problema de estações elevadas, etc. O monotrilho, como o metrô, são soluções para deixar a superfície como está, atolada nos pneus. Bem, vamos esperar para ver...