quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Alckmin aceita usar trem e metrô


O governador Geraldo Alckmin (PSDB) se comprometeu em uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira, 09, a usar o transporte público para ir trabalhar na semana que vem. O anúncio foi feito em um evento no Palácio dos Bandeirantes, na zona sul da capital, após a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo questionar se o tucano aceitaria usar o coletivo para chegar ao trabalho, como fez na semana passada o prefeito Fernando Haddad (PT). 

Alckmin disse que já costuma andar de metrô e trens. Isso, de fato, acontece, mas apenas em agendas oficiais de seu governo, quando ele, por exemplo, entrega novos trens para o sistema ou inaugura uma estação.
A administração do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) é do governo do Estado. No fim de setembro, o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, já havia aceitado um convite semelhante e "passeou" por um trecho da rede metroferroviária de São Paulo.
O governador afirmou que mora perto do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado, no Morumbi, na zona sul da capital. Apesar disso, ele disse que irá andar de metrô ou trem, já que esses dois sistemas estão sob sua responsabilidade.
Não foi informada a data exata em que Alckmin irá usar o transporte público na semana que vem. A reportagem perguntou à sua assessoria de imprensa, durante o evento nesta quarta-feira quando isso deverá ocorrer e qual será o percurso, mas ainda não obteve a resposta.
Estadão – Caio do Valle – 09/10/2013
Comentário do SINFERP

Sorte dos usuários que estiverem na mesma viagem “surpresa” do governador.  As estações de embarque e desembarque estarão limpinhas e até mesmo aromatizadas. Seguranças terceirizados estarão ajudando idosos a subir e descer pelas escadarias. Até mesmo os escandalosos vãos e desníveis entre plataformas e pisos dos trens terão magicamente desaparecido. “Coincidentemente” gestores da CPTM estarão nas mesmas estações e nos mesmos trens, quando poderão ser vistos distribuindo bolachinhas e canapés para os usuários. “Coincidentemente”, também, não vai aparecer nenhum ambulante. Falhas e acidentes? Nem pensar. Caso ocorra alguma falha elétrica ou de tração, um exército de gerentes e supervisores, que “por coincidência” estarão todos em outro carro da composição que conduz o governador, vão saltar para a via e empurrar o trem até a estação de destino. Se a viagem "surpresa" ocorrer em horário de pico, os usuários de todos os dias farão uso do Paese, e apenas alguns tantos bem selecionados (bonitos, bem vestidos e cheirosos) poderão compor a "massa" embarcada. 

4 comentários:

Anônimo disse...

Como técnico do material rodante, já tive o desprazer de ter que acompanhar cerimônias de entrega de novos trens com participação do governador. E um mico do tamanho do mundo, não desejo isso para ninguém, horrível. Políticos, deputados da tropa de choque da Assembléia, diretores, gerentes, engenheiros e supervisores brotando da terra além dos ferro-fãs bajuladores de sempre, que só faltam lamber o chão por onde o governador e o secretário passam.

SINFERP disse...

Rsrsrs Por isso mesmo já estamos "cantando a bola". Nós, ferroviários, sabemos como funciona, não é? É, amigo, chega a dar nojo...

Anônimo disse...

Trem vazio.... só pra ele e a equipe.... assim fica fácil

SINFERP disse...

Evidente. Aliás, estações igualmente vazias.