quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Rio: SuperVia estuda melhoria de atendimento a passageiros de trens

A SuperVia, concessionária que administra o serviço de trens no Rio, informou nesta quinta-feira que instalou uma comissão multidisciplinar para avaliar e revisar os seus procedimentos, com o objetivo de melhorar o atendimento ao passageiro em situações de emergência. Dentre as possíveis medidas a serem adotadas estão a devolução do valor das passagens e a emissão de declaração de indisponibilidade do serviço. Atualmente, a SuperVia oferece um vale-viagem e uma declaração para o usuário justificar o atraso no trabalho.
Ontem, a circulação de trens na cidade teve mais um dia de atrasos e problemas nas composições devido a uma falha mecânica num trem do ramal de Saracuruna, na Baixada Fluminense, o que provocou a paralisação da linha auxiliar. Durante a interrupção do serviço, alguns passageiros colocaram fogo na cabine de um trem na Estação de Bonsucesso, na zona norte.
Em nota, a SuperVia informou que "após a paralisação do ramal de Saracuruna, iniciou a distribuição de vale-viagem aos passageiros, que ficaram impedidos de embarcar". A retomada dos serviços do ramal ocorreu as 20h35, mas os trens circulavam com atrasos.
A concessionária destacou que "repudia com veemência atos como esses, que causam danos ao patrimônio público e põem em risco a viagem de milhares de pessoas. Nos últimos dias, foram registrados casos como tiros disparados na direção da rede aérea, depredação de janelas, arremesso de pedras, bastões e outros objetos contra os para-brisas das composições ou em direção à ferrovia e furto de cabos elétricos".
A Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transporte Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro (Agetransp), informou que assim que identificou, pelo seu centro de monitoramento, o início dos tumultos, enviou técnicos para fazerem uma pericia nos sistemas operacionais e nos trens envolvidos nos incidentes. A Agetransp disse que abriu boletim de ocorrência para promover investigação técnica e operacional circunstanciada.
Terra – 11/09/2013

Comentário do SINFERP


Em reportagem na TV a direção da SuperVia diz que a empresa terão padrões internacionais em 2016. Pode? Comissão multidisciplinar para avaliar e revisar procedimentos? Hoje não devolve o valor da passagem, e com esse mar de falhas? A Agetransp vai fazer perícia? Realmente, os usuários cariocas são intolerantes. Onde já se viu quebrar trens e estações APENAS por conta desses PEQUENOS problemas de atendimento. Intolerantes. O que custa esperar até 2016? Nunca vimos vandalismo tão imotivado.

8 comentários:

Anônimo disse...

O que adianta comprar trens ali e acolá sem fazer investimentos em infraestrutura........????????

SINFERP disse...

É a mesma história da CPTM. Trem é "grandão", bonito, e todo mundo vê.

Anônimo disse...

uma observaçao que pasa despercebida a muita gente: a visao das pessoas continua sendo o modelo rodoviarista. o texto diz "falha mecanica", quando se trata de um veiculo eletrico. até pode ser de repente falha mecanica mesmo, mas o mais provavel e o mais comum é ser falha eletrica, já que se trata de uma maquina eletrica. mas o modelo rodoviarista e a alusao ao automovel fazem enxergar o trem como um carro, onde uma avaria é uma falha mecanica.

SINFERP disse...

É verdade. Como jornalista também pensa como motorista, normalmente usa jargão rodoviário. Motorista do trem, o motorista do trem perdeu a direção, etc. Sabendo disso, os explicadores oficiais das operadores deitam e rolam com a compreensível (embora inaceitável) ignorância.

Carlos disse...

Nenhuma surpresa. Em 2016 a Supervia realmente era padrão internacional. Ficará igual aos trens da India e do Sirilanka.

SINFERP disse...

Sem dúvida, Carlos, mas com trens novos. É um replay da CPTM. Primeiro compra os trens, depois descobre que não tem energia suficiente, e ai empurra a solução para 2020, SE o governo do Rio (contribuinte) bancar. Depois será sinalização, depois passagens de nível, depois estações e assim la nave va.... É uma empresa sob controle privado, pero no mucho, uma vez que tem lucros privados, mas prejuízos públicos.

Anônimo disse...

trem novo, com ar-condicionado e estaçao "bonitinha" é o que dá voto. oficina, via permanente, rede aerea, subestaçao, etc, é invisivel ao olho do usuario, logo, emuprra-se com a barriga ate onde der.

SINFERP disse...

Não tenha dúvida Anônimo. É exatamente isso. No caso da SuperVia, a concessionária privada fatura, e quando da necessidade de investimentos corre aos cofres do governo do Estado do Rio de Janeiro.