quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Passageiros colocam fogo em trem no Rio, diz polícia

Enquanto isso...
Composição apresentou problemas na estação São Francisco Xavier. Usuários teriam ficado revoltados e depredado veículo.

Policiais do 3º BPM (Méier) foram acionados para a estação ferroviária de São Francisco Xavier, Zona Norte do Rio, porque passageiros estariam colocando fogo em um trem da concessionária SuperVia. A ocorrência teria acontecido por volta das 18h40 desta terça-feira (24). Não há informações sobre feridos e nem sobre problemas na circulação das composições.

“Pego o trem dia sim dia não e é sempre superlotado. Uso essa estação e já vi uma situação dessa. O povo fica revoltado. O trem quebra e ninguém informa nada, fica tudo fechado é um desespero”, disse a segurança Elaine Monção.

A Supervia informa que a solução de um problema mecânico registrado no trem às 18h05 na plataforma da estação São Francisco Xavier foi impedida por um grupo pequeno de pessoas, que desceram irregularmente na via, depredaram o trem e tentaram incendiar a cabine do maquinista. A concessionária diz que havia disponibilizado outro trem vazio, em apenas 11 minutos, mas os manifestantes impediram esse procedimento.

“O serviço é péssimo. Eles insistem em botar trens com quatro vagões na hora de pico. Fico esperando sentado porque está tão cheio que não consigo entrar. Dizem que em 2014 vão chegar trens novos mas acho difícil”, disse o técnico em eletrônica, Edson dos Santos.

Problemas aumentam 25%

Após um aumento de 25% no número de problemas com os trens do Rio em 2013, fiscais da Agetransp realizaram uma fiscalização nas composições da Supervia na estação de Deodoro, na Zona Oeste da cidade, na manhã de terça-feira (17). Os agentes verificaram itens como portas abertas, abertura de janelas, iluminação e os intervalos.

Além disso, os agentes fiscalizaram a rede aérea e a conservação dos trilhos. As irregularidades encontradas foram repassadas ao Centro de Controle da Agetransp. As operações são feitas diariamente por cerca de 60 técnicos da agência nas estações e nos locais de manutenção.

No dia 11 de setembro, um trem do ramal de Saracuruna, em Duque de Caxias, seguia em direção à Baixada Fluminense, por volta das 18h15, quando sofreu uma pane. Passageiros revoltados atearam fogo na composição e o problema atingiu diversas estações.

No início do mês, foram registrados pelo menos quatro dias de transtorno em apenas uma semana. Em um deles, passageiros desembarcaram no trilho e, revoltados, atearam outro trem foi incendiado. Uma das reclamações dos passageiros é a respeito da devolução das passagens, já que a empresa costuma devolver os bilhetes.

Plano de contingência

O secretário de Estado de Transportes, Júlio Lopes, anunciou que a Supervia tem até o fim de outubro para apresentar um plano de contingência. A intenção é que a concessionária se organize para atender melhor os passageiros em casos de pane, como a opção de outro transporte aos passageiros.

R$ 5 milhões em multas

A Agetransp informou que mais de R$ 5 milhões foram aplicados em multas contra a empresa, desde o início da concessão, em outubro de 1998. Até esta terça-feira, apenas R$ 2,6 milhões tinham sido quitadas.

O reparo dos trens também é acompanhado pela Agetransp, mas não há prazos máximos definidos para o retorno à circulação.

G1 – Gabriel Barreira – 24/09/2013

Comentário do SINFERP


Ah, a solução foi impedida pelos usuários. Tá certo...

2 comentários:

Anônimo disse...

O Secretário disse que a SuperVia tem até o fim de outubro para apresentar um plano de contingência, ok, então se o plano não for apresentado ou se não for satisfatório ou ainda se ele não cumprido dentro de um prazo, o que irão fazer? Esse mesmo governo renovou a concessão por mais 25 anos sem nenhuma contrapartida, a SuperVia não fez praticamente nada para melhorar o serviço em 15 anos de concessão, a estrutura ainda e da época da RFFSA e CBTU e os trens novos são comprados pelo Governo do Rio. A única solução e a cassação da concessão da SuperVia, o resto e conversa fiada.

SINFERP disse...

Pouco provável a caça da concessão. A tal Agetransp aplicará mais uma multa (se é que aplique e se é que seja paga)e tudo seguirá na rotina. Mais provável que, além da compra de trens, o governo do Estado do Rio (isto é, os contribuintes)pague também pelas obras de infraestrutura.