segunda-feira, 15 de julho de 2013

Governo de SP diz que pedirá ressarcimento por cartel de trens

A multinacional alemã Siemens delatou o esquema, do qual fez parte com outras empresas.

A Corregedoria-Geral da Administração do governo do Estado de São Paulo afirmou ontem que pedirá ressarcimento de perdas e punição dos envolvidos caso seja comprovado que multinacionais formaram cartel para licitações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).
De acordo com nota, a corregedoria já solicitou cópia do inquérito do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que investiga o caso. Agora, o órgão espera envio dos documentos.

A suspeita é que as empresas se reuniam para combinar os resultados das licitações, o que acarretava em preços de 10% a 20% maiores do que os que deveriam ser aplicados.
A multinacional alemã Siemens delatou o cartel, do qual fez parte, envolvendo as empresas Bombardier, CAF, Mitsui e Alstom. A informação foi revelada pelo jornal Folha de S.Paulo. A delação da empresa faz parte de um acordo de leniência com o governo brasileiro, na qual ela ganha imunidade no processo.

O Estado publicou reportagem no dia 6 revelando que a Polícia Federal e a Superintendência-Geral do Cade apuravam a formação de suposto cartel em concorrências para manutenção do metrô de Brasília e em cinco licitações em São Paulo. No metrô de São Paulo, uma das suspeitas é em relação à Linha 2-Verde. Há indícios de fraude em contratos para a instalação de sistemas operacionais entre as Estações Ana Rosa e Alto do Ipiranga e entre Ana Rosa e Vila Madalena. Também são apuradas possíveis fraudes em três licitações para compra de trens e obras de modernização da rede da CPTM.

A Siemens afirmou que "tem feito grandes esforços para desenvolver um novo e eficaz sistema de compliance, cujo foco visa, em particular, a sensibilizar os funcionários no que diz respeito a questões antitruste". Ainda segundo a empresa, o código de conduta da companhia enfatiza a importância "de uma concorrência leal e obriga todos os funcionários a cumprir com os regulamentos antitruste". A Siemens afirma ainda que coopera integralmente com as autoridades. A Mitsui informou que "tem diligentemente cooperado com as investigações" e que não vai comentar o caso. A Alstom afirmou que "está colaborando com as autoridades". A Bombardier informou que "coopera em absoluto com a investigação de forma a que todos os fatos venham a ser conhecidos o mais rápido possível". A reportagem não encontrou representante da CAF para comentar sobre o assunto.

O Estado de São Paulo – 15/07/2013

Comentário do SINFERP


Tadinho do governo do Estado de São Paulo.  Foi enganado pelos malvados do cartel dos trens, e que certamente também ludibriaram os ingênuos gestores do Metrô e da CPTM. Claro que irá pedir ressarcimento e “punição dos envolvidos”, isto é, dos malvados vendedores de trens e serviços, que abusaram da boa fé dos gestores do Metrô e da CPTM. Ô dó!

9 comentários:

Anônimo disse...

o governo estadual é o grande patrono deste cartel.

SINFERP disse...

Evidente, Anônimo. Não fosse a delação premiada da Siemens, e para instâncias do governo federal, e tudo aqui continuaria no mais completo silêncio.

Euripedes disse...

Perguntem ao governador de SP porque somente empresas espanholas ganham concorrências no meio ferroviário paulista. Uma dica: isso começou no famigerado governo Covas, tão endeusado por certa mídia de um tradicional jornalão de SP.

Anônimo disse...

Fico imaginando o pedido de ressarcimento da "pobre" CPTM em relação a "malvada" CAF. Os contratos serão cancelados e dinheiro devolvido ao erário público? Uma pista do que pode acontecer, a PPP 5000 realiza um trabalho tão deficiente na manutenção da série 8000, que parte do valor da remobilizaçao dos trens da série 5000, que irão rodar na extensão da linha 8 está sendo financiada pelas multas aplicadas a C-trens. Sou apartidário, tenho enormes restrições ao PT e a esquerda, mas a saída do PSDB do governo paulista têm que ser para ontem.

SINFERP disse...

Sim, Eurípedes,começou no governo Covas, quando a Secretaria dos Transportes Metropolitanos estava sob os cuidados de Cláudio de Senna Frederico, e a CPTM presidida por uma figura desconhecida, trazida do Rio de Janeiro, José Roberto Medeiros da Rosa. Começou com a "doação" do trem espanhol. Chegava na forma de doação, contanto que o contribuinte paulista pagasse pela reforma da doação, na Espanha. Fomos nós que quebramos o maior pau. A Abifer nos apoiou, mas depois, e sem soubéssemos, autorizou a importação do trem "doado", em troca da reforma de alguns outros aqui em São Paulo. O promotor que comprou a briga era o hoje deputado estadual pelo PSDB, Fernando Capez. Como vê, Eurípedes, estamos nesta estrada faz tempo, e acumulando inimigos pela insistência em não engolir essas tramoias.

SINFERP disse...

Também somos apartidários, Anônimo. Não sabemos o que será da CPTM e dos trens sob a direção de outro partido, mas do PSDB estamos fartos.

Carlos disse...

Enquanto isso...
Noite de caos na linha 9 com os trens espanhóis!

Anônimo disse...

eu só me pergunto, de onde a c-trens conseguiu iso 9000 ....

SINFERP disse...

Pois é, Carlos. Boa pergunta, Anônimo.