terça-feira, 19 de março de 2013

Recurso suspende licitação do trem para Guarulhos (SP)


Um recurso administrativo suspendeu o processo de licitação para a construção da Linha 13-Jade, que vai ligar a estação Engenheiro Goulart, na zona leste de São Paulo, ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. O recurso foi apresentado por uma das empresas consideradas desqualificadas para executar a obra durante a análise prévia da documentação. A retomada do projeto ainda não tem data definida para ocorrer, de acordo com o secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Jurandir Fernandes.

Ele afirma que a fase de pré-licitação da obra é lenta, pois enfrenta questionamentos das empresas. 'Paralisações podem durar uma semana ou meses. Nesse caso, já estamos analisando a liberação', disse.

Em dezembro, quando a linha foi lançada a intenção do governo do Estado era assinar o contrato com a empresa que seria responsável pela obra neste mês. 'É muito difícil prever agora', diz. Quando a obra foi lançada, a previsão era de conclusão até o fim de 2014, mas com o provável adiamento da assinatura do contrato o prazo não deve ser cumprido, já que a obra dura de 18 a 24 meses. O projeto vai custar R$ 900 milhões e os trens cerca de R$ 300 milhões. O projeto será financiado pela agência francesa ADF, que deve liberar 500 milhões de euros para o governo paulista. A linha 13-Jade da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) terá 11 quilômetros e demanda prevista de 120 mil passageiros por dia. O trajeto deve ser feito em 17 minutos.

Concessão

O secretário de transportes informou ainda que o governo do Estado deve conceder a linha para a iniciativa privada após a construção. 'Já há empresas interessadas. Vamos analisar o modelo. A empresa pode, por exemplo, comprar o trem e equipamentos para a linha férrea, além de operar a linha', afirma. Jurandir Fernandes diz ainda que a concessionária poderia construir a extensão da linha 13 para o bairro São João, um dos mais populosos de Guarulhos e que está localizado atrás do aeroporto.

O governo também deve conceder o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) da Baixada Santista e estuda a concessão dos monotrilhos da Linha 17-Linha Ouro (Jabaquara-Aeroporto de Congonhas-Morumbi) e Linha 15-Prata (Ipiranga-Cidade Tiradentes). Os três projetos são construídos pelo governo do Estado e seriam concedidos para um operador ao fim das obras.

Valor Econômico – 18/03/2013

Comentário do SINFERP

Como de costume nós ficamos com as dívidas, e os operadores privados com os lucros. Não temos governo. Temos, isso sim, é um agente de negócios, que atua em nosso nome, e com o nosso dinheiro.

3 comentários:

Anônimo disse...

disse tudo, SINFERP.

SINFERP disse...

Mas é mesmo, né, Anônimo. Abraço.

SINFERP disse...

Anônimo registrou o comentário abaixo, que foi redirecionado ao nosso e-mail, mas que por razão desconhecida não saiu publicado em comentário:
"Se não houvesse tanta blindagem em relação ao governo de São Paulo e esse secretário no mínimo já teria sido demitido tamanha a incompetência e a quantidade de bobagens que esse cidadão fala. O governo constrói com dinheiro público e depois concede ao iniciativa privada bancando 70% dos custos de operação, controle e manutenção. Deprimente a figura desse secretário".