domingo, 24 de março de 2013

Ferroanel pode ser opção na região metropolitana de Belo Horizonte (MG)


A implantação de um contorno ferroviário pode servir de alternativa à mobilidade urbana na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ao apresentar a proposta do Ferroanel na abertura da reunião extraordinária da Assembleia Metropolitana da RMBH, ontem, o governador Antonio Anastasia destacou que a iniciativa privada demonstrou interesse em um novo projeto de viabilidade técnica, econômica e ambiental para a obra. Ele informou ainda que a MRS Logística, uma das empresas que detêm a concessão de linhas, anunciou que em breve começará os estudos. 

A liberação dos trilhos que hoje servem para o transporte de cargas que circulam na Grande BH seria o primeiro passo para a implantação de um sistema de trens de passageiros. O mestre em engenharia de transportes Márcio Aguiar, professor da Universidade Fumec e defensor do transporte sobre trilhos nos grandes centros urbanos, aprova a proposta, mas se preocupa com os entraves financeiros. “Se não estão conseguindo implantar o Rodoanel, que tem custo entre R$ 10 milhões e R$ 15 milhões o quilômetro, o Ferroanel torna-se um desafio maior, já que cada quilômetro custa acima de R$ 30 milhões. Considero, porém, uma obra necessária para colocar fim ao colapso do sistema de transporte urbano”, afirmou.

Estado de Minas - 21/03/2013

Comentário do SINFERP

Pois é! Quando o SINFERP propõe a mesma medida na Grande São Paulo é ignorado pelo governo do Estado de São Paulo e desqualificado pelo diretor de planejamento da CPTM. Os benefícios são evidentes. No caso paulista por ampliar a oferta de trens metropolitanos a um número muito maior de usuários, permitir desenvolvimento urbano em centros hoje isolados, além de evitar que todas as transferências de passageiros sejam feitas sempre nos mesmos lugares.

Nenhum comentário: