quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Volta aos corredores de ônibus


A Secretaria Municipal de Transportes anunciou a retomada da construção dos corredores de ônibus na capital. Antigos projetos engavetados por problemas de planejamento ou irregularidades nos processos licitatórios vão ser tocados pelo atual governo. Entre eles o da construção de 63,8 quilômetros de faixas exclusivas em regiões como Jardim Ângela, Campo Limpo, Vila Sônia e os bairros cortados pelas Avenidas Radial Leste e Inajar de Souza e o da instalação do Bus Rapid Transit (BRT). Este é um sistema de alta capacidade, que em dezenas de cidades do mundo proporciona serviços de qualidade, com rapidez, eficiência, redução dos acidentes de trânsito e de emissão de carbono. O modelo deverá ser implantado nas Avenidas 23 de Maio e Bandeirantes.
O BRT funciona com ônibus capazes de transportar aproximadamente 300 passageiros a uma velocidade média de 45 quilômetros por hora, num trajeto expresso (com distância maior entre os pontos de parada), em corredor exclusivo projetado com pontos de ultrapassagem. Tudo é pensado para assegurar agilidade, começando pelo pagamento da tarifa, que será feito nas plataformas de embarque e não no interior dos veículos. O traçado do sistema da Avenida 23 de Maio tem 20 quilômetros e inclui as Avenidas Rubem Berta, Moreira Guimarães, Washington Luís, Interlagos e Teotônio Vilela até o Largo do Rio Bonito, na zona sul. Na Bandeirantes, o corredor de 16 quilômetros ligará a região da Marginal do Pinheiros, na zona sul, ao Terminal Vila Prudente, na zona leste, sem passar pelo centro.
O sistema escolhido é uma forma aperfeiçoada do modelo instalado há quase 50 anos em Curitiba, que se baseia na prioridade do transporte coletivo e na integração de todos os modais. Várias cidades do mundo copiaram o modelo e em Bogotá, na Colômbia, técnicos brasileiros conseguiram aprimorá-lo e fazer do Transmilênio um novo ícone de eficiência no transporte público que, agora, se pretende copiar em São Paulo. Espera-se que ele seja reproduzido aqui em todos os seus detalhes. Em Bogotá, áreas degradadas ao longo do corredor foram recuperadas e ganharam centros de lazer com fácil acessibilidade.
São Paulo precisa há muito de um sistema como o BRT, no qual ônibus de alta capacidade operem em faixas segregadas, tenham prioridade nos cruzamentos e sejam monitorados em tempo real por sistemas de rastreamento. Se forem observadas todas essas condições, será possível alcançar aqui benefícios de que cidades dos Estados Unidos e da China, por exemplo, já desfrutam, como a redução do tempo tanto das viagens como de espera nos pontos de embarque, que são fortes incentivos para a substituição do transporte individual pelo coletivo. O sistema também ajuda a preservar o meio ambiente, porque opera com velocidade média constante, reduzindo o consumo de combustível e as emissões de poluentes. Em Bogotá, logo após a construção do BRT, a redução do número de acidentes com mortes no trânsito foi de quase 90% e o nível de emissão de poluentes baixou 40%.
O BRT apresenta boas características para operar numa cidade que precisa de sistemas que possam ser implementados com maior rapidez e menor custo do que o metrô. O custo de construção de um quilômetro de BRT é pelo menos dez vezes menor do que um quilômetro de linha de metrô. Mesmo se comparado aos veículos leves sobre trilhos (VLTs), considerados tecnologicamente mais sofisticados em operações urbanas, o BRT ainda leva vantagem, porque exige metade dos investimentos com pequena diferença de capacidade de transporte de passageiros por hora.
Quanto ao tempo de construção, o de um corredor operado pelo sistema BRT é dois terços menor do que o do metrô e metade do exigido pelo VLT. Essa relação de custo e tempo de instalação é atraente, inclusive para consórcios interessados em parcerias público-privadas.
A escolha do sistema, portanto, parece adequada. Resta agora o atual governo se empenhar, como promete, para que esses projetos finalmente se tornem realidade.
O Estado de São Paulo – Editorial – 13/03/2013

Comentário do SINFERP

Quem diria... O “Estadão” apostando nos BRTs, com apelos de garoto-propaganda, e fazendo emprego dos argumentos de sempre: Bogotá, Curitiba, etc. Só mesmo quem nunca esteve em Bogotá para imaginar que solução para aquela capital possa ter alguma utilidade para São Paulo. Só mesmo quem nunca esteve em Curitiba para pensar o mesmo. Aliás, Curitiba está toda ela orientada, no momento, para a construção de seu metrô. Claro que a implantação de BRT é mais barata do que de VLT, que envolve a instalação de trilhos, rede aérea, etc., mas assemelhar os modais nos quesitos qualidade, rapidez, eficiência e emissão de carbono é sandice.
Vamos voltar aos fura-filas e papa-filas. A rigor, BRT, e que é um ônibus, nem mesmo precisa de faixa segregada. Bastaria destinar ruas e avenidas exclusivamente para a circulação deles, e o custo de implantação seria infinitamente menor.
Conversa fiada. Propaganda vendendo roupagem de inovação, para que as coisas fiquem exatamente do jeito que estão.  Continuaremos persistindo no rodoviarismo, facilitando a vida dos empresários de ônibus, e injetando dinheiro em asfalto.

10 comentários:

Pregopontocom@tudo disse...

SÓ EU RINDO 1)Bus Rapid Transit (BRT). Este é um sistema de "alta capacidade", que em dezenas de cidades do mundo proporciona serviços de qualidade, com rapidez, eficiência, redução dos acidentes de trânsito e de "emissão de carbono." kkkkkkkkkkkkk - SO EU RINDO 2) O BRT funciona com ônibus capazes de transportar aproximadamente "300 passageiros"( eta p....) a uma velocidade média de "45 quilômetros por hora" (é um avião todo)KKKKKKKKKKKKKK. SO EU RINDO 3)"Em Bogotá, logo após a construção do BRT, a redução do número de acidentes com mortes no trânsito(?????!!!!!) foi de quase 90% e o nível de emissão de poluentes baixou 40%". A POPULAÇÃO LOCAL JÁ APELIDOU O SISTEMA DE TRANSMICHEIO??????..VÃO SE CATAR,BOGOTÁ NÃO É EXPL PRO BRASIL ...KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK - SO EU RINDO 4)O BRT É MUITO BOM...PARA O LOBBY DOS PNEUS E PARA OS QUE DELE SE BENEFICIAM.....ÔNIBUS COM CAPACIDADE PARA 300 PESSOAS... ERA SÓ O QUE FALTAVA (TRI ARTICULADO)...VELOCIDADE MÉDIA DE 45KM... SUPERIOR A DO METRÔ,QUANTA IGNORÂNCIA......

Guilherme M. disse...

45km/h é velocidade média de metrô, o BRT mais rápido é o Metrobus, na Turquia, que atinge 32km/h.
O biarticulado com maior capacidade leva 250 passageiros, sendo que qualquer vlt leva pelo meos 300 pessoas.
Emissões? Oníbus é a díesel, e a maioria dos VLT's são elétricos.
Fora que um VLT dura 30 anos, enquanto um ônibus tem vida útil de 5 anos,
Além do mais, outros modais de metrô leve, como o monotrilho e o aeromovel tem maior capacidade que qualquer BRT, são mais ágeis para o cidadão, são mais limpos e não atrabalham o transito por circular em via elevada.

Wellington Diego disse...

O que o Estão escreceu, provavelmente, não passou pelo crivo de alguém que entenda de transporte e esteja longe das influências dos empresários de ônibus. Um verdadeiro absurdo e igonorância total dos jornalista.

SINFERP disse...

Pois é, Pregopontocom: agora em editorial do Estadão...

SINFERP disse...

É, Guilherme... Não acreditamos em mera ignorância do jornalista... Isso saiu em editorial... Preferimos entender que é prenúncio de acontecimento... O novo prefeito de São Paulo, a exemplo de TODOS os anteriores, durante campanha apresentou projetos para corredores de ônibus. Nunca sequer fez citação aos VLTs...

SINFERP disse...

Pois é, Wellington... Entra prefeito e sai prefeito, e Sampa continua sendo o paraíso do asfalto, dos pneus, das montadoras, etc... Buzão no povo, sob o argumento que é mais barato do que transporte sobre trilhos.

Euripedes disse...

Tudo embromação visando as próximas eleições para governador de SP.O governador dispara estudos e mais estudos sobre linhas ferroviárias regionais.O prefeito responde com os BRT´s.O governo federal propõe mudança no sistema atual de concessões de linhas ferroviárias, dizendo que "agora vai".E o povo que é o mais interessado, vai ficar mais uma vez "chupando os dedos", assim que o tempo de eleições passar.Querem apostar que nada disso vai sair?Nem VLT, nem BRT e nem a famosa obra da norte-sul vai terminar.Quem viver verá.

SINFERP disse...

Boa noite, Eurípedes. Essa notícia envolve a Secretaria Municipal de Transporte, da cidade de São Paulo. Resta saber se o Haddad vai embarcar nessa. Em campanha falou um bocado sobre corredores de ônibus, mas nadinha sobre trilhos, exceto a destinação de uma verba para o Metrô.

Anônimo disse...

verba pro metrô? não é PPP? quem tem que por verba é a inicitaiva privada.

SINFERP disse...

Bom dia, Anônimo. O Metrô de sampa não é PPP. É empresa que tem o governo de são paulo como principal acionista, e a prefeitura de sampa como pequena acionista. Até ai... Nos preocupa é não ver nenhum dos prefeitos de sampa construir com seus próprios recursos um metro sequer de trilhos, mas gasta nosso dinheiro para construir corredores de ônibus.