quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Após estudo, Metrô do DF amplia nº de trens para Ceilândia durante pico

Mudança começa nesta quinta, durante um mês, em caráter experimental. 75% dos usuários usam sentido; outros passageiros vão para Samambaia.

O Metrô vai aumentar a partir desta quinta-feira (27) a quantidade de trens circulando em horário de pico na linha que vai para Ceilândia, maior região administrativa do Distrito Federal. O objetivo é diminuir a superlotação entre 16h45 e 20h15. Nesse intervalo, a empresa coloca normalmente 24 veículos em atividade.

A companhia informou que, durante o próximo mês, para cada trem que sair da estação da Rodoviária do Plano Piloto, haverá dois com destino a Ceilândia e um para Samambaia. Com a mudança, o intervalo entre os trens no trecho entre as Estações Águas Claras e Ceilândia será reduzido de 7 minutos para 3 minutos e 33 segundos

A medida foi tomada depois de um estudo que apontou que, a cada três usuários que usam a linha para Ceilândia , apenas um utiliza o ramal para Samambaia.  O Metrô funciona entre 6h e 23h30 de segunda a sábado e 7h e 19h aos domingos e feriados.

A média é de 140 mil passageiros por dia. O sistema tem 42,3 quilômetros de extensão e liga Ceilândia e Samambaia ao Plano Piloto. Ele opera com 24 vagões no horário de pico. A estação com maior fluxo é a da Rodoviária do Plano Piloto, por onde passam 20 mil pessoas por dia.


G1 – 27/08/2015

Trem nazista cheio de ouro achado na Polônia pode estar minado

O governo polonês alertou os caçadores de tesouros nesta quinta-feira (27) que o suposto "trem nazista", recentemente descoberto no sudoeste do país, provavelmente está minado. A localização exata do veículo, sobre o qual há boatos de que estaria carregado de ouro, permanece secreta.
"Neste trem, cuja existência estou convencido, pode haver materiais perigosos da Segunda Guerra Mundial. É provável que o trem esteja minado", escreveu em um comunicado o curador geral de monumentos, Piotr Zuchowski, secretário de Estado do ministério da Cultura e Patrimônio da Polônia.

Zuchowski também indicou que, após divulgação sobre a descoberta do "trem de ouro" na região da cidade de Walbrzych, um grande número de caçadores de tesouros frequentam a região. "Peço a todos que parem de procurar o veículo até o final do procedimento formal para garantir a segurança da descoberta", acrescentou.

O assessor jurídico dos descobridores, um polonês e um alemão que desejam permanecer anônimos, Jaroslaw Chmielewski, afirmou que seus clientes informaram oficialmente as autoridades do achado. Segundo Chmielewski, eles descreveram os detalhes da descoberta, que seria um trem blindado de 120 a 150 metros.

Lenda dos trens de ouro e joias

Ontem (26), o vice-prefeito de Walbrzych, Zygmunt Nowaczyk, declarou à imprensa que o trem está nesta cidade no sudoeste da Polônia. O anúncio da descoberta reacendeu a lenda de trens carregados de joias e objetos de valor, roubados dos judeus pelos nazistas.

Muitas lendas sobre túneis subterrâneos secretos próximos de Walbrzych, onde haveria tesouros escondidos do Terceiro Reich, baseiam-se na história de um enorme edifício nazista, com ramificações subterrâneas, conhecido pelo nome de Riese.

Essas instalações deveriam acomodar também arsenais estratégicos dos alemães, protegidos dos bombardeios aliados. Parte destas galerias subterrâneas estão abertas aos turistas, mas os caçadores de tesouros acreditam na existência de muitas outras.


RI – 27/08/2015

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Haddad é hostilizado durante inauguração de ciclovia em São Paulo

Foto Tiago M. Chiaravalloti
Prefeito de São Paulo foi xingado enquanto circulava de bicicleta; via já foi reaberta.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, foi hostilizado na manhã deste domingo (23) quando andava de bicicleta pela avenida Paulista.

A via foi fechada hoje para a circulação de carros e aberta somente para ciclistas, skatistas e pedestres, após uma semana de polêmicas sobre o bloqueio da via.

A Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo da Capital havia recomendado à Prefeitura que a avenida Paulista não fosse interditada neste domingo porque foi assinado com o Ministério Público, em 2007, um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta, no qual foi limitado a três o número de eventos de duração prolongada e interrupção da avenida Paulista. A prefeitura, contudo, decidiu manter o planejamento de fechar a via.

 Enquanto circulava pela avenida, o prefeito foi impedido de passar de bicicleta por um casal.

Os manifestantes o teriam insultado e retido sua bicicleta, recuperada pelos seguranças de Haddad instantes depois. A Secretaria de Comunicação da Prefeitura confirmou o ocorrido.

A avenida ficou totalmente bloqueada até as 17h42, segundo informou a CET.

Durante o dia, grande número de pedestres e ciclistas passaram pelo local.

Pela manhã, foi inaugurado mais um trecho para bicicletas, o da avenida Bernardino de Campos, na Vila Mariana, que é interligada à ciclovia da avenida Paulista.

De acordo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), a presença de um bloco carnavalesco no vão livre do MASP (Museu de Arte de São Paulo) fez com que o policiamento também fosse acionado para apoiar a liberação da via. 

R7 – 23/08/2015

Comentário do SINFERP

Nosso povo precisa de transporte coletivo, e não dessa frescura para deleite de classe média. 

Frente Parlamentar das Ferrovias se reúne com ministro dos Transportes, em Brasília

O deputado Mauro Bragato (PSDB), coordenador da Frente Parlamentar em Defesa da Malha Ferroviária Paulista, esteve nesta terça-feira, 18/08, no Ministério dos Transportes. Acompanhado de outros cinco parlamentares, foi recebido pelo ministro Antonio Carlos Rodrigues para tratar das ferrovias paulistas. Falaram do traçado da Norte—Sul em São Paulo, solicitaram mais investimentos na malha paulista e abordaram a situação de abandono das ferrovias por parte da concessionária ALL.
O ministro se colocou à disposição para celebrar convênios com São Paulo e o deputado Bragato o convidou para uma próxima reunião da Frente. Rodrigues ainda falou que se os deputados quiserem podem organizar um grupo técnico para definir quais seriam as ações definidas para atuação em São Paulo.
O deputado Orlando Bolçone (PSB) falou sobre a necessidade de cuidar da segurança, com aumento do eixo que corta o Estado, e do contorno ferroviário em São José do Rio Preto. O secretário de Desenvolvimento Econômico de Ourinhos, José Claudinei Messias (que acompanhou a comitiva) falou do trecho Ourinhos/Assis/Presidente Prudente, desativado pela concessionária ALL. Apresentou estatísticas do uso decrescente da Ferrovia Sorocabana.
Também ficou acertado que a Frente levará o assunto ao governador Geraldo Alckmin e ao secretário estadual de Logística e Transportes, Duarte Nogueira, para uma proposta de ação conjunta com o Ministério.
Além de Bragato e Bolçone estavam presentes na reunião os deputados Ramalho da Construção, Maria Lúcia Amary, Vaz de Lima (todos do PSDB) e Edson Giriboni (PV). Também participaram o diretor da ANTT, Carlos Nascimento, o secretário de Fomento do Ministério, Daniel Sigelmann,e o diretor de Infraesturura Ferroviária do DNIT, Mario Dirani.
Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo – 28/08/2015
Comentário do Sinferp
Como temos afirmado o tempo todo, a tal Frente Parlamentar em Defesa da Malha Ferroviária Paulista nada mais é do que uma reunião de deputados do interior, com o objetivo de marcar presença junto aos eleitores de suas bases, e com apoio dos prefeitos e vereadores das províncias que controlam.  Não sai dessa frente nenhuma discussão de amplitude maior, e que possa ter algum reflexo na malha ferroviária paulista. Esperto, o governo federal jogo pipoca para esse espetáculo, da mesma forma que o fez a própria ALL.  Resumindo: se depender de todos eles, a ferrovia no Estado de São Paulo vai ficar do jeito que está, se não ficar pior.


terça-feira, 25 de agosto de 2015

SP descarta estudos de projetos de infraestrutura em metrô, trem e ônibus

Entre eles estão obras para implantação de linhas de metrô e monotrilho. Governo diz que arquivou manifestações de interesses privados e não PPPs.

O governo do estado de São Paulo descartou 32 projetos de estudos de parcerias público-privada (PPPs) na área de infraestrutura. Entre eles estão propostas para a realização de obras para implantação de linhas de metrô e monotrilho, trens de alta velocidade para o interior e ABC e corredores de ônibus, entre outros. A decisão do Conselho Gestor do Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas foi divulgada no "Diário Oficial" do último sábado (22).

A subsecretária de parcerias e inovações do governo de São Paulo, Karla Bertocco, explicou que os projetos arquivados são Manifestações de Interesse Privado (MIPs), apresentadas por empresas que pretendem estudar e apresentar uma proposta de Parceria Público-Privada (PPP). "Não existem essas PPPs ainda, não houve o arquivamento de propostas, e sim de manifestações de interesses privados para iniciar estudos sobre esses assuntos", disse.

A PPP é um contrato de prestação de serviços ou obras. As empresas são pagas diretamente pelo governo para realizar uma tarefa e podem ainda obter parte de seu retorno financeiro explorando o serviço. Nas MIPs, são os investidores interessados que levam ao governo estadual suas propostas de construção de uma nova linha de metrô, por exemplo.

Karla disse que as 32 propostas foram arquivadas neste momento também por causa de um decreto publicado em julho que define uma plataforma digital para os projetos serem apresentados. "É a forma que a gente tem de ter isso de forma mais organizada. Você pode submeter isso pelo site, não precisa vir até o governo, é como se fosse o Poupatempo, e em 60 dias pretendemos dar uma resposta aos interessados."

Alguns projetos foram negados, no entanto, devido a mudanças no cenário econômico e regulatório ou porque eram antigos e tinham outros projetos semelhantes já em curso. A área de mobilidade urbana foi a que teve mais propostas arquivadas. Ao todo, 12 propostas envolvendo o tema foram canceladas.

Entre as propostas de projetos de estudos descartadas sobre mobilidade estão:

- Implantação de linha de Metrô/ monotrilho interligando os bairros de Santo Amaro, Jardim Ângela e Capão Redondo
- Expresso ABC/Linha 10;
- Expresso Bandeirantes;
- Expresso Jundiaí;
- Construção, operação, manutenção e adequação da Linha 2 do Metrô;
- Modernização da Linha 7-Rubi da CPTM;
- Implantação, operação e manutenção da Linha 19 (Celeste) do Metrô;
- Implantação, operação e manutenção da Linha 20 (Rosa) do Metrô:
- Duplicação, operação e manutenção da Rodovia SP-079;
- Expresso ABC;
- Monotrilho ligando a estação Portuguesa/Tietê ao Aeroporto de Guarulhos;
- Corredor de ônibus (Ant. João/Alphaville/Santana do Parnaíba);
- Construção, operação e manutenção de extensão do trecho Sul do Rodoanel e Rodovia de acesso à Baixada Santista partindo do Trecho Leste do Rodoanel (Ligação SP-021).

As propostas de construção de fóruns regionais e de prédios do Ministério Público receberam parecer contrário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) porque “as atividades exercidas pelo Poder Judiciário não seriam passíveis de delegação à iniciativa privada”, provocando a “submissão” do Judiciário ao conselho e “violaria a separação dos Poderes”.

Dessalinização

O governo estadual também descartou as propostas de desenvolvimento para implantação dos projetos de dessalinização da água do mar e implantação do sistema de dessalinização de água associada ao sistema de transporte para a região metropolitana. Ao todo, o Conselho Gestor das Parcerias Público-Privadas (PPPs) excluiu cinco projetos de saneamento de investimentos. Um dos projetos, estimado em R$ 1,5 bilhão, foi apresentado ao governo em fevereiro deste ano por um consórcio formado por três empresas.

Algumas das propostas como a construção e operação de seis fóruns, de três complexos prisionais, de pátios para veículos apreendidos, da Linha 20-Rosa do Metrô e do Expresso ABC, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) já tinham estudos ou licitação anunciados.

Outras propostas foram arquivadas por decisão dos próprios conselheiros, em vista de parecer técnico existente contrário ao seguimento de tais propostas, segundo manifesto dos próprios setoriais responsáveis, que sustentaram a sugestão de arquivamento, principalmente pela incompatibilidade das propostas com as demais ações prioritárias de cada uma das pastas, ou pela inviabilidade de implementação de projeto que se demonstraria concorrente com demais empreendimentos implantados (alguns já, inclusive, em operação) ou por implantar.

A restrição orçamentária vigente revogou as propostas que demandariam grande participação financeira do Estado, recomendando o arquivamento da implantação, operação e manutenção da Linha 19 (celeste) do Metrô; implantação, operação e manutenção da Linha 20 (Rosa) do Metrô; e Pátio Legal.

A decisão de arquivamento também contemplou as propostas que foram apresentadas sem  os requisitos mínimos para a sua submissão como: duplicação, operação e manutenção da Rodovia SP-079; projeto identificação veicular; Expresso ABC; construção, operação e manutenção de 200 creches na Grande SP; e monotrilho ligando Portuguesa/Tietê ao Aeroporto de Guarulhos.

G1 – 25/08/2015

Comentário do SINFERP


Em resumo: quem acreditou em linhas de trens até para a Lua, ficará a ver navios.

Atirador em trem é suspeito de pertencer a grupo 'islâmico radical'

Duas pessoas ficaram gravemente feridas no ataque. Suspeito seria marroquino de 26 anos.

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, declarou neste sábado (22) que o homem detido depois de disparar tiros em um trem que ai de Amsterdã a Paris nesta sexta é suspeito de pertencer a um grupo "radical islâmico". O suspeito seria um homem marroquino de 26 anos que consta nas fichas do serviço secreto francês segundo informações fornecidas pela Espanha. No entanto, sua identidade ainda não foi formalmente estabelecida, segundo o ministro.

No incidente de sexta, duas pessoas - um americano e um britânico - foram feridas gravemente, enquanto uma terceira pessoa, o ator Jean-Hugues Anglade (dos filmes "Killing Zoe" e "Nikita"), ficou levemente ferido.

O atirador foi impedido quando saiu do banheiro. Dois militares norte-americanos à paisana o ouviram acionar a culatra de uma arma no banheiro e intervieram quando ele saiu, dominando-o. O Pentágono confirmou à CNN que um militar ficou ferido no incidente, mas não corre risco de morrer.

A procuradoria antiterrorista de Paris assumiu a investigação, "dada as armas utilizadas, o local e o contexto". O premiê belga, Charles Michel, afirmou que o caso é um "ataque terrorista".

"Temos que ser prudentes, mas se a identidade que declara for confirmada, seria um cidadão marroquino de 26 anos, que foi apontado pelas autoridades espanholas aos serviços de inteligência franceses", afirmou o ministro em coletiva de imprensa neste sábado.

De acordo com Cazeneuve, este homem morou em 2014 na Espanha e em 2015 na Bélgica. A justiça belga abriu uma investigação com base na lei antiterrorista.

O suspeito estava detido neste sábado na região de Paris, na sede da subdivisão antiterrorista e da Direção Geral de Segurança Interna. Segundo a emissora "BFM TV", ele teria negado ser terrorista e dito que pretendia assaltar os passageiros. Ele teria entrado em Bruxelas no trem, que só tinha outra parada no destino final, Paris.

Fontes policiais francesas ouvidas pela France Presse disseram que a declaração não convenceu os investigadores.

Fuzil

Uma vez que aconteceu o incidente, o trem foi desviado à estação de Arras, onde o autor dos tiros, que teria usado um fuzil AK-47, foi posto à disposição da polícia desta cidade do norte da França, perto da fronteira com a Bélgica.

Os serviços de saúde de urgência foram à estação de Arras para atender os feridos.

Em entrevista a revista "Paris-Match", o ator francês Jean-Hugues Anglade acusou os funcionários da companhia do trem de se trancar na cabine e negar ajuda.

Ação 'heroica'

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, qualificou de “heroica” a ação de dois militares americanos que dominaram o atirador . Obama expressou sua "profunda gratidão pela coragem e reação de vários passageiros, incluindo dois membros do Exército americano, que de maneira altruísta, dominaram o agressor", informou um funcionário da Casa Branca.

O presidente francês François Hollande receberá os militares no Palácio Eliseo nos próximos dias "para expressar o agradecimento da França", segundo nota obtida pela agência France Presse.

G1 – 22/08/2015

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

França tratará segurança em trens com países vizinhos

Foto François Lenoir
Paris - O secretário de Estado de Transportes francês, Alain Vidalies, anunciou nesta segunda-feira que, "nos próximos dias", irá manter reuniões com os países vizinhos" para decidir novas medidas" de segurança nos trens internacionais, após o ataque de sexta-feira no Thalys que faz a rota Amsterdam-Paris.
Vidalies, em entrevista à emissora "France Info", citou Bélgica, Holanda e Alemanha, que são os países pelos quais circulam os trens Thalys.
O presidente francês, François Hollande, tinha falado pouco antes de uma reunião entre ministros do Interior. O departamento francês de Interior não confirmou, por enquanto, a informação oferecida pelo canal "BFM TV" de que essa reunião possa ocorrer no próximo sábado, nem ventilou os países que participariam.
Vidalies anunciou que na França foi decidido criar um número de telefone para que o público possa avisar sobre qualquer incidência nas estações ou nos trens e que serão reforçados "os controles aleatórios das bagagens", como uma das respostas concretas.
O secretário de Estado descartou os controles sistemáticos na entrada dos trens porque "não se pode fazer o mesmo que ocorre no transporte aéreo", já que a cada ano há 2 bilhões de passageiros de trem na França, frente a 140 milhões de aviação.
"Não se pode imaginar que ponhamos controles em todas as estações" quando "a cada dia circulam na França entre 12 mil e 13 mil trens", argumentou.
O presidente da Sociedade Nacional de Ferrovias da França (SNCF), Guillaume Pépy, insistiu ao canal "BFM TV" que se houvesse controle de passageiros e de suas bagagens, seria preciso multiplicar por 20 as medidas feitas nos aeroportos.
"A resposta adequada são os serviços de inteligência" porque "os terroristas que atuam de forma individual podem atentar em qualquer lugar", argumentou Pépy, após reiterar que vão ser realizados controles aleatórios de bagagens mais frequentes e pedirá aos passageiros que estejam atentos.
Uma porta-voz da SNCF precisou à Agência Efe que no ano passado os trens de alta velocidade (TGV) transportaram 129 milhões de passageiros.
Desses 129 milhões, 29,7 milhões corresponderam a trens internacionais, como os Thalys que conectam com a Bélgica, Holanda e Alemanha (6,9 milhões), ou os que vão à Suíça, Itália, Espanha e Reino Unido.
De todos eles, unicamente os viajantes que utilizam o Eurostar para Londres têm que passar um controle de passageiros (o Reino Unido não pertence ao espaço Schengen) e ao mesmo tempo têm que passar suas malas pelo scanner antes de embarcar.

Exame – 24/08/2015

Trens do subúrbio de Salvador (BA) resistem à degradação

Marco Aurélia Martins
Às 5h45,  enquanto muita gente ainda dorme, Wilson Cruz, 53, realiza a  primeira viagem do dia. Aos olhos do condutor de trens do subúrbio ferroviário de Salvador,  na profissão há 26 anos,   o trajeto de 13 km entre a  Calçada e Paripe já não oferece novidade.

Quem faz o percurso pela primeira vez, no entanto,  impressiona-se com o que vê. O passeio transita entre o bucólico e a degradação.

O conserto de barcos na praia, o cozimento a lenha à margem dos trilhos e a vista da baía conferem o clima agradável. Por outro lado,  construções precárias,  lixo amontoado, desmanche de carros,   moradores de rua e a poluição do mar alertam para os problemas.

Na plataforma de embarque da Calçada, uma amostra da Maria Fumaça  figura entre os novos trens, já não tão novos assim. "Esse aqui é o melhor transporte  do mundo. Não tem quebra-molas, engarrafamento ou poluição. Mas eles preferem o rodoviário. Não dá para   entender!", observa o maquinista, como é popularmente chamado.

Wilson Cruz conta que entrou no ramo por  acaso: "Estava a caminho de uma entrevista de emprego para uma cervejaria, me atrasei e perdi a vaga. Então, vi no jornal A TARDE  que havia um concurso para a área. E aqui estou".

Degradação

Em todo o trajeto, principalmente no trecho até o Lobato, a linha férrea acumula muito entulho. Eletrodomésticos velhos, como fogão, sofá, estante, TV e até geladeira são descartados na margem da ferrovia.

Ao lado do trilho, um monte de barro se acumula, segundo Wilson, oriundo de escavações  para a construção de casas. "O lixo é um problema. Às vezes,  engancha no trem, tem que parar a composição para fazer manutenção. O que prejudica os usuários", conta.

O coordenador de operações da Companhia de Transporte da Bahia (CTB), Al Mello, diz que o acúmulo deve-se à falta de consciência dos moradores do entorno. "Eles sabem que, a cada 15 dias,  fazemos mutirão com o trem, recolhendo  lixo. Por isso, atiram os sacos da frente de casa. Nem se dão ao trabalho de procurar o ponto correto de descarte", diz.

"Não somos uma empresa de limpeza, mas de transporte. Não temos condição  nem é nossa responsabilidade recolher resíduos diariamente", complementa.

Outro problema, relatado pelo passageiro Antônio César, 50, é a insegurança. O aposentado utiliza o trem três vezes por semana para ir ao centro de fisioterapia das Obras Sociais Irmã Dulce, no largo de Roma.

Ele conta que, há dois meses, foi vítima de  assalto dentro de um dos vagões, por volta das 15h. "Dois pivetes entraram e fizeram um arrastão. Um rapaz foi agredido. Não havia segurança. Se  ocorre isso à tarde, imagina à noite", relata.

Al Mello afirma não ter informações sobre a ocorrência de assaltos no TUE (Trem Unidade Elétrica). "É muito difícil ocorrer, porque dispomos de segurança em cada uma das dez estações e em cada trem", diz.

Capacidade

O Sistema de Trens do Subúrbio transporta 15 mil pessoas por dia, com duas composições. Se contasse com  quatro trens em circulação, 50 mil passageiros seriam beneficiados diariamente.

O intervalo de espera é 40 minutos, mas, frequentemente, um dos veículos é tirado de circulação e o tempo aumenta para uma hora.

Sem se identificar, funcionários queixaram-se de três trens reformados, que permanecem no galpão sem nunca ter sido utilizados. O coordenador  de operações da CTB explica que os TUEs foram reformados, por uma empresa no Rio de Janeiro, mas continuaram  com defeito. "O caso está na Justiça desde o ano passado. A empresa foi considerada inadimplente", justifica.


A Tarde – Priscila Machado - 24/08/2015

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Em reconstituição, ciclista repete que estava fora de ciclovia sob Minhocão (SP)

Foto Nelson Antoine
Aposentado de 78 anos morreu na segunda-feira (17) atingido por bicicleta. Gilmar Raimundo de Alencar mostrou aos policiais como ocorreu acidente.

O ciclista e administrador de empresas Gilmar Raimundo de Alencar, de 45 anos, repetiu nesta sexta-feira (21), durante a reconstituição do atropelamento e da morte do aposentado Florivaldo Carvalho Rocha, de 78 anos, que não estava pedalando dentro da ciclovia localizada na Avenida General Olímpio da Silveira, sob o Minhocão.

Seria melhor eu falar que estava na ciclovia? Tudo bem. Seria melhor se eu estivesse mesmo lá. Mas em algum momento a verdade poderia me desmentir."

Ciclista  Gilmar Raimundo de Alencar

O delegado Lupércio Antônio Dimov, do 23º Distrito Policial em Perdizes, disse que o ciclista deverá ser indiciado por homicídio culposo. De acordo com Dimov, a polícia ainda aguarda o laudo necroscópico para confirmar se Florivaldo morreu por traumatismo craniano, com o impacto da batida da cabeça no chão, ou por excesso de velocidade da bicicleta.

“Sou livre para tomar minhas decisões. Se eu cometi imprudência? Seria melhor eu falar que estava na ciclovia? Tudo bem. Seria melhor se eu estivesse mesmo lá. Mas em algum momento a verdade poderia me desmentir. E eu iria gerar todo um conflito político. O debate sobre a ciclovia deve acontecer normalmente", disse Gilmar.

O ciclista alega que estava a 20 km/h e que uma das pilastras do Minhocão acabou o impedindo de visualizar o pedestre. O filho da vítima e o síndico do prédio em frente ao acidente serão ouvidos nos próximos dias. "Uma ciclovia naquele local causa temor. Está feita em um lugar inapropriado", disse o delegado ao G1. Segundo ele, mesmo que o ciclista estivesse na ciclovia, a pilastra teria impedido que o pedestre fosse visto.

Versão do administrador

Segundo Alencar, administrador de fazendas de 45 anos, ele pedalava na faixa de ônibus da avenida, para alcançar a guia rebaixada de acesso à ciclovia alguns metros à frente.

 “Eu estava prestando atenção no trânsito, estava com o foco na frente. Não tive a menor chance de reação”, disse. “Não estava na ciclovia, estava na rua. Ia acessar a ciclovia. Estava fazendo a trajetória da pista e o impacto se deu na rua, na faixa de ônibus, um pouco antes do acesso da ciclovia o canteiro a 50m”, disse.

Para o ciclista, a pilastra pode ter impedido que o idoso enxergasse a bicicleta e levado a vítima a atravessar a rua bem em frente ao seu trajeto. “Ele caiu na rua. Caímos os dois. Então o coloquei na calçada, perto da ciclovia, para poder prestar socorro”, afirmou. “A pilastra prejudicava minha visão da calçada, mas quem provavelmente ficou prejudicado foi o pedestre, que não me viu e se pôs na minha frente.”

O ciclista disse que socorreu o idoso deitando o aposentado no canteiro central da avenida, sob o Minhocão, ao lado da ciclovia, e chamou o resgate. A vítima foi levada para o hospital, mas não resistiu. Alencar chegou a ir ao prédio onde o aposentado mora, bem próximo ao local do acidente, para saber sobre seu estado de saúde, onde foi informado da morte de Rocha.

De acordo com o delegado Lupércio Dimov, do 23º DP em Perdizes, o ciclista disse em seu depoimento que pedalava a aproximadamente 20 km/h. O filho da vítima, o administrador Eduardo Carvalho Rocha, disse ao Bom Dia SP que o ciclista estava em alta velocidade.
“Meu pai saiu para comprar um pão, ele atravessou a avenida e quando ele entrou na parte de pedestre da ciclovia foi atropelado por uma bicicleta. Essa bicicleta vinha em alta velocidade, pegou ele e consequentemente por ser uma pessoa já idosa ele sofreu ferimentos, vindo a falecer”, afirmou.

Sinalização

A ciclovia sob o Minhocão foi inaugurada há dez dias. O trecho é palco de conflito entre ciclistas, usuários de ônibus e pedestres.

A sinalização não determina que os usuários de ônibus têm que sair ou deixar os pontos de ônibus a partir de faixas de pedestres que ficam ao lado desses pontos. Assim, andam um bom trecho embaixo do canteiro central e se arriscam principalmente perto dos pilares, onde as ciclovias fazem curvas e é impossível ver quem está vindo do outro lado.

O problema se repete perto de outros pontos de ônibus da ciclovia, que passa ao longo de 50 pilares do Minhocão, entre a região da Barra Funda e o Centro de São Paulo.

A presença de pedestres atravessando fora das faixas também é motivo de riscos no novo serviço, especialmente se o pedestre pisa no canteiro central perto dos pilares. A Prefeitura de São Paulo chegou a instalar gradis bem ao lado dos pilares, mas os pedestres passam ao lado deles a todo momento.

O Secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, disse que o atropelamento foi "uma tragédia". "Lamentamos profundamente. Não podemos ficar culpando o ciclista. Temos de verificar o inquérito e ver o que aconteceu. Se precisar fazer ajustes (na ciclovia), vamos fazer", afirmou.

O prefeito Fernando Haddad pediu apuração do caso. "Obviamente vamos acompanhar o inquérito para saber o que aconteceu. São cerca de 3 a 4 mortes por dia na cidade de São Paulo. Já vi acidentes no Parque Ibirapuera entre ciclistas e pedestres", disse Haddad.

G1 – Carolina Dantas – 21/08/2015

Comentário do Sinferp


Com a reconhecida falta de transporte coletivo em São Paulo, e ficam desvairados do panelaço e do mortadelaço as voltas com mais uma solução para o transporte individual e privado sobre pneus – a bicicleta. Para piorar, tomando espaço do já abandonado e sofrido pedestre - o mais ecológico, democrático e saudável de todos – na calçada. Por que não vão cuidar da segurança de ciclistas na periferia, onde bicicleta é transporte por falta de opção, e não frescura ostentativa de classe média metida a politicamente correta?

Jovem relata abuso coletivo dentro do Metrô de SP

Jornal GGN - Outro caso de abuso contra mulher dentro do Metrô de São Paulo foi denunciado nas redes sociais. Segundo o relato de uma testemunha, uma jovem de 17 anos sofreu um abuso coletivo após reclamar de um homem que a incomodava e iniciar uma discussão. Uma terceira pessoa teria gritado para que ela fosse estuprada, seguido por outras pessoas que incentivaram a violência.
A testemunha diz que ajudou a retirar a vítima do vagão, e, ao procurar ajuda dos funcionários do Metrô, eles teriam dito que nada poderia ser feito, já que a vítima era a única que poderia depor. 
Recentemente, o Metrô iniciou uma campanha contra a violência sexual, com cartazes com o slogan "Você não está sozinha".
Do R7
Em meio a gritos de "estupra", jovem sofre abuso coletivo no Metrô
Testemunha relata que grupo de pessoas no vagão mandava encoxador estuprar vítima
Mais um suposto caso de negligência de atendimento do Metrô em caso de abuso aconteceu na manhã desta quinta-feira (20) na estação Bresser-Mooca do Metrô. Uma jovem de cerca de 17 anos sofreu um abuso coletivo ao reclamar com um encoxador e os funcionários da companhia teriam dito que "nada poderia ser feito".
De acordo com um relato publicado nas redes sociais, a jovem teria pedido para o agressor parar de encoxá-la, quando ele iniciou uma discussão. Foi então que uma terceira pessoa teria gritado: "Estupra ela para ela saber o que é ser encoxada de verdade". Então o suspeito e outro homem teriam agarrado no braço da vítima embalados pelos gritos de um grupo de pessoas que dizia: "Estupra, estupra".
A testemunha ajudou a vítima a sair do vagão e, junto com ela, procurou os funcionários do Metrô para pedir ajuda. Foi quando os funcionários teriam dito que nada poderia ser feito e que a jovem era a única que poderia depor, que o depoimento da testemunha não seria considerado. Acontece que, segundo o relato, a vítima estava em choque e em prantos, totalmente sem condições de falar.
A vítima então ligou para parentes e a testemunha aguardou a chegada deles para seguir viagem.
O namorado da vítima também está em contato com o Metrô para conseguir explicações.
A assessoria de imprensa do Metrô entrou em contato para afirmar que analisou todas as imagens da estação Bresser/Moóca e da SSO (Sala de Supervisão Operacional) da estação, mas não encontrou nenhuma cena onde a suposta vítima e a jovem que a ajudou aparecessem. Além disso, não há registro de boletim de ocorrência nem de testemunhas do caso.

testemunha por intermédio da amiga, porém, por medo e receio, ela preferiu não se expor.
Obs.: As informações foram retiradas do depoimento de uma amiga da testemunha com a qual a reportagem conversou. O R7 fez contato com testemunha por intermédio da amiga, porém, por medo e receio, ela preferiu não se expor.


GGN – 21/08/2015