quarta-feira, 18 de abril de 2018

Secretário de Transportes de SP, presidente do Metrô e mais 7 viram réus por compra de trens de R$ 615 milhões sem uso


26 trens ficaram sem uso porque Linha 5-Lilás não estava pronta. Metrô também terá que responder na Justiça.

A Justiça de São Paulo tornou réus o atual presidente do Metrô e cinco ex-presidentes, entre eles o secretário de Transportes Metropolitanos do estado, Clodoaldo Pelissioni, por improbidade administrativa pela compra de 26 trens por R$ 615 milhões que ficaram sem uso porque a linha 5-Lilás não estava pronta.

Quem virou réu:

·                  Clodoaldo Pelissioni - atual secretário de Transportes Metropolitanos e ex-presidente do Metrô
·                  Paulo Menezes de Figueiredo - atual presidente do Metrô
·                  Sérgio Avelleda - ex-presidente do Metrô e atual chefe de gabinete da Prefeitura de SP
·                  Jorge Fagali - ex-presidente do Metrô
·                  Peter Walker - ex-presidente do Metrô
·                  Luiz Antonio Pacheco - ex-presidente do Metrô
·                  Jurandir Fernandes - ex-secretário de Transportes Metropolitanos
·                  Laércio Biazzotti - ex-executivo do Metrô
·                  David Turubuk- ex-executivo do Metrô

Além dos nove réus, o Metrô também terá que responder na Justiça.

Na decisão, o juiz Adriano Marcos Laroca afirma que “segundo informações técnicas constantes dos autos, o teste definitivo do trem só poderia ser realizado na própria linha e, mesmo estando os trens parados sem uso em diversos locais, há mais ou menos quatro anos, além de outros desgastes do produto adquirido, e também o serviço de assistência técnica que pode ter sido afetado, exigindo nova contratação”.

Em 2010, o governo de São Paulo determinou paralisação das obras da linha onde os trens seriam usados por causa das denúncias de irregularidades no processo de licitação. Recentemente, os responsáveis pelas obras foram condenados.

Mesmo com as obras paradas, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) comprou os trens em 2011. Na ação, que agora foi aceita, o promotor Marcelo Millani afirmou que "os trens estão abandonados e foram vandalizados". A denúncia foi antecipada pelo Jornal Hoje em 2016.

A investigação apontou ainda que os trens novos têm bitolas (distância entre os trilhos) diferentes da usada na linha, informação que o Metrô nega. Na decisão judicial, o juiz diz que agora essa questão poderá ser esclarecida.

A Linha-5 Lilás liga o extremo sul de São Paulo a região central. A obra foi prometida para 2014 e teve a estação Moema inaugurada em abril, na última semana de Geraldo Alckmin no cargo de governador.

A área jurídica do Metrô e da Secretaria de Transportes Metropolitanos responde pelo presidente e os ex-presidentes.

Em nota, a Secretaria de Transportes Metropolitanos afirmou que não se justificam as inclusões de Cldoaldo Pelissioni e Paulo Menezes na denúncia porque eles exerceram ou exercem o cargo de presidentes anos depois da aquisição dos trens.

"- A denúncia do Ministério Público não foi recebida em definitivo, estando pendente de decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo;

- Não se justificam as inclusões de Clodoaldo Pelissioni e Paulo Menezes pelo simples fato de terem exercido o cargo de presidente do Metrô mais de 4 (quatro) anos após a assinatura do contrato de aquisição dos trens. Além disso, contrato de compra dos trens da Linha 5 – Lilás não foi assinado por Paulo Menezes Figueiredo ou Clodoaldo Pelissioni, não havendo qualquer participação deles em relação a estes atos administrativos;

- Não houve qualquer conduta irregular, uma vez que os gestores preservaram o erário e o interesse público, tanto que os trens já entraram em operação comercial após os devidos testes.

- Os trens da Linha 5 não possuem bitola diferente e servem exclusivamente para esta linha. As composições possuem bitola menor (distância entre os dois trilhos) em sua extensão total. Todos os trens os foram testados e estão funcionamento;

- O Metrô entregou seis estações da Linha 5 até 2011 e outras seis foram entregues desde 2015 até o momento;

- A garantia técnica de cada trem foi contada a partir de sua entrada em operação comercial, ou seja, está em plena vigência. Além disso, não houve gasto extra para a manutenção dos equipamentos;

- Finalmente, a (STM) e o Metrô irão provar na Justiça que esta ação é descabida e totalmente fora de propósito. "

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que Sérgio Avelleda, atual chefe de gabinete, é inocente.

"Sérgio Avelleda é inocente, não é acusado de fraude e não assinou o contrato de compra dos trens, objeto da ação do Ministério Público. Mesmo não tendo participado da referida contratação, Avelleda comprovará em juízo que não houve qualquer ato na gestão do referido contrato que justifique a ação contra ele.

O contrato de compra de trens para a Linha 5 seguia a previsão do cronograma inicial da obra, que foi paralisada pela ação do MP. Não houve falha de planejamento. O MP não observou que o fabricante dos trens estendeu a garantia justamente para preservar os recursos investidos e garantir as condições das composições, sem danos aos cofres públicos. A linha-5 do Metrô beneficia 220 mil passageiros por dia e suas estações estão sendo entregues à população", diz o texto.

Segundo a defesa de Jurandir Fernandes, o Ministério Público "está equivocado ao colocar o ex-secretário como corresponsável pela assinatura do contrato. Jurandir só cumpriu uma obrigação do cargo, à época com o aval de todas as secretarias e órgãos técnicos e jurídicos competentes. Não havia justificativa para não assinar".

Os demais citados também foram procurados e o G1 aguarda retorno.

G1 – 18/-4/2018

Comentário do SINFERP

Essas coisas deixarão de ser notícia requentada quando sobrar condenação para alguém. Quem sabe, talvez, quem sabe agora, com o Aécio aparentemente na reta...

terça-feira, 17 de abril de 2018

Obras da Linha 9 da CPTM serão retomadas em 30 dias, diz Márcio França


Intervenção inclui a construção de quatro viadutos com custo estimado em R$ 25 milhões.

As obras de extensão da Linha 9-Esmeralda, de Grajaú a Varginha, serão retomadas em 30 dias. A afirmação foi feita nesta terça-feira (17) pelo governador Márcio França (PSB), que estima que o trecho entre em operação no segundo semestre de 2019.

A intervenção inclui a construção de quatro viadutos para a transposição da via férrea e possibilitar o tráfego de pedestres e de veículos na região. Serão 4,5 quilômetros de viaduto custeados com verba do Ministério das Cidades.

Também já foi publicado o edital de obras complementares do lote 1, que engloba a construção de parte da via permanente e da Estação Mendes-Vila Natal. A previsão é que esses serviços comecem no segundo semestre deste ano.

Extensão da linha

O custo total previsto para a obra é de R$ 945 milhões, dos quais R$ 500 milhões fazem parte do PAC (Programa de Aceleração ao Crescimento) da Mobilidade.

Até final de 2016, a obra foi tocada com verba do Governo do Estado e, em outubro do ano passado, foram liberados os primeiros recursos da União.

A Linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú) transporta atualmente cerca de 620 mil usuários por dia útil. Com a ampliação de 4,5 km entre Grajaú e Varginha, a projeção é que sejam acrescentados à linha 110 mil usuários atendidos pelo futuro trecho.

A construção das duas novas estações (Mendes-Vila Natal e Varginha) beneficiará os moradores do extremo sul de São Paulo: Grajaú, Estrada dos Mendes, Varginha, Vila Natal, Jardim Icaraí, Jardim São Bernardo e Conjunto Residencial Palmares. 

Atualmente, a Linha 9-Esmeralda tem conexão com o Metrô nas estações Santo Amaro (Linha 5-Lilás) e Pinheiros (Linha 4-Amarela) e com a Linha 8-Diamante da própria CPTM, nas estações Osasco e Presidente Altino.

O Destak – 17/04/2018

sábado, 14 de abril de 2018

Estações do Metrô de SP terão novas portas com reconhecimento facial

Tecnologia será implantada na Luz, Paulista e Pinheiros, da Linha 4-Amarela, a partir de quarta (18).

As estações do Metrô Luz, Paulista e Pinheiros, da Linha 4-Amarela, vão receber doze portas digitais interativas a partir de 18 de abril. Trata-se de um novo recurso visual focado em campanhas de orientação, mensagens de prestação de serviço e anúncios publicitários.

Funcionará da seguinte forma: por meio de uma câmera sensível, será possível quantificar o número de passageiros que passaram diante das portas, bem como medir a audiência em tempo real daquele material audiovisual que está sendo transmitido e até fazer um reconhecimento facial com o objetivo de analisar o comportamento do usuário.

“A tela é capaz de estudar as emoções esboçadas pelo passageiro, percebendo em suas expressões faciais as reações em relação à mensagem transmitida”, explica, em nota, a concessionária ViaQuatro, responsável pela gestão das estações.

“É uma tecnologia inovadora que vem para colaborar na criação de novas estratégias para públicos específicos, buscando mais efetividade na troca de mensagens importantes ou mesmo o incremento em vendas”, diz o presidente da ViaQuatro, Harald Zwetkoff.

Veja São Paulo – 12/04/2018

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Torcedores sobre trem e depredação na estação Barra Funda (SP)


Palmeirenses quebraram janelas de composições, acionaram botão de emergência e usaram extintores. Estação ficou fechada por 40 minutos.

Um grupo de torcedores depredou a estação Barra Funda do Metrô na Zona Oeste de São Paulo, na noite deste domingo (8), após derrota do Palmeiras para o Corinthians, nos pênaltis, na final do Campeonato Paulista. Extintores foram arrancados, vidros de portas quebrados, sinalizadores foram acesos dentro da estação e alguns torcedores subiram no teto de em um dos trens.

Cinco trens foram danificados. A estação ficou fechada das 19h25 às 20h05.

Na manhã desta segunda-feira (9), três dos trens funcionavam na estação Barra Funda. O intervalo entre os trens ficou maior por conta da falta das outras duas composições.

Na noite de domingo, seguranças foram acionados para conter o tumulto. Até a publicação desta reportagem não havia informações de confrontos ou detidos. “O Metrô solicitou apoio da Polícia Militar no controle de fluxo da estação e gradativamente foi liberando a entrada dos passageiros menos exaltados”, diz nota da companhia.

As interferências fizeram com que a Linha 3-Vermelha fosse afetada. Os trens circularam com velocidade reduzida. O Metrô informou que irá apurar todos os danos causados no incidente.

G1 – 09/04/2018

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Resultado da licitação do VLT de Salvador (BA) é adiado para 25 de abril. Empresa que irá implantar e operar o transporte será anunciada em São Paulo


Nome da empresa escolhida vai ser divulgado na sede da BM&FBovespa, em São Paulo, a partir das 14h.

O resultado da licitação para implantação e operação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Salvador foi adiado mais uma vez. Agora será anunciado no dia 25 de abril, na sede da BM&FBovespa, em São Paulo, a partir das 14h. A informação é da Secretaria de Comunicação do Governo do Estado (Secom).

Inicialmente, a empresa que iria implantar e operar o transporte seria anunciada nesta quarta-feira (4). Entretanto, a Secom informou que o Governo do Estado decidiu adiar o resultado do processo licitatório por considerar grande o número de consultas e dúvidas que ainda estão sendo esclarecidas pelas empresas interessadas.

A decisão do adiamento foi publicada na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) de 29 de março.

Adiamentos

Após uma série de suspensões desde o lançamento em 2015, o edital de construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), em Salvador, foi relançado em janeiro deste ano. O contrato será por meio de Parceria Público-Privada (PPP).

O projeto prevê a substituição dos trens que ligam o bairro de Paripe à Calçada, num percurso de 13,6 km. Com o novo modal de transporte, o sistema deve ser ampliado e se estender entre a Avenida São Luiz, em Paripe, e o bairro do Comércio. São 4,9 km a mais de trilhos, que, integrados aos existentes, farão o VLT percorrer um total de 18,5 km de extensão e 22 estações.

O valor de investimento estimado é de R$ 1,5 bilhão. As obras serão iniciadas 90 dias após a assinatura do contrato, com prazo de 24 meses para conclusão.

Diferente do atual sistema que liga o subúrbio à Calçada, o VLT é composto por trens mais leves. A perspectiva é de beneficiar, diretamente, os mais de 600 mil moradores do Subúrbio Ferroviário de Salvador. A capacidade diária do modal é de transportar 100 mil usuários.

G1 – 04/04/2018

terça-feira, 10 de abril de 2018

Furtos nas estações do Metrô e da CPTM crescem 8% em 2017, aponta levantamento


Estações Sé, Barra Funda, Luz, República e Brás são as com maior número de ocorrências.

Os furtos nas estações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPM) aumentaram 8,4% de 2016 para 2017, segundo levantamento feito pela TV Globo. Em 2017, foram 2189 furtos, 170 casos a mais do que no ano anterior.

É uma média de 6 furtos por dia.

As estações mais visadas pelos bandidos são, na ordem de número de furtos: Sé, Barra Funda, Luz, República, Brás, Tatuapé, Corinthians Itaquera, Pinheiros, Anhangabaú, Carandiru. Um em cada dez furtos foi na estação Sé, no período.

A estação de Pinheiros, que interliga a CPTM com a linha 1-Amarela, aparece com 51 casos. A Via Quatro, que administra a linha, disse que as pesquisas de satisfação mostram que os passageiros se sentem seguros nas estações e nos trens.

E ainda há vaga para segurança no Metrô, segundo os números na internet. O Metrô devia ter 1267 agentes, mas, em março, 109 vagas estavam em aberto porque as contratações foram suspensões pelo governo do Estado. Segundo o Metrô, agora foi autorizada nova contratação.

A reportagem do SP2 analisou 4 mil boletins de ocorrência de furtos nas estações do Metrô e CPTM e percebeu que o aumento de furtos nas estações foi maior do que o registrado na cidade de São Paulo no período (5,6%).

Os dias e horários preferidos dos ladrões são: segunda-feira entre 18h e 19h - horário campeão de furtos nas estações de trem e metrô. Nessa hora as estações ficam lotadas, é praticamente impossível andar, todo mundo se esbarrando e os ladrões se aproveitam disso.

11% dos furtos nos últimos dois anos foram 18h e 19h. Pela manhã, o pior horário é por volta das 8h, na segunda-feira.

Mas há casos registrados todos os dias, o dia inteiro. O gerente de segurança do Metrô admite que quando há mais policiamento, os furtos tendem a diminuir, e que a companhia vai preencher o quadro de seguranças.

G1 – 09/04/2018


segunda-feira, 2 de abril de 2018

'Homem-Aranha' invade trilho e é detido ao tentar parar trem da CPTM em SP


Homem foi detido por seguranças e depois levado a hospital. Ele alegava protestar contra a corrupção, mas policiais informaram que ele aparentava ter problemas psicológicos.

Um homem vestido de ‘Homem-Aranha’ foi preso ao invadir os trilhos da estação Palmeiras-Barra Funda da CPTM, na Zona Oeste de São Paulo, e tentar impedir a saída de um trem. O caso ocorreu na tarde de quinta-feira (29), mas vídeos da prisão, feitos por passageiros, circulavam neste fim de semana nas redes sociais.

O homem, que tem cerca de 40 anos, foi detido por seguranças da estação e acabou levado à delegacia que apura crimes relacionados ao transporte ferroviário. A Delegacia do Metropolitano (Delpom) registrou o caso como ‘perigo de desastre ferroviário’.

Relatos e vídeos feitos por passageiros no Facebook informam que o ‘Homem-Aranha’ ficou caminhando pelos trilhos por aproximadamente dez minutos, obrigando os trens da Linha 8-Diamante a reduzirem a velocidade e parar.

Segundo as testemunhas, os seguranças da CPTM usaram apitos para pedir ao invasor para sair dos trilhos. Um outro usuário teria pulado para pegar o ‘Homem-Aranha’ e na sequência, cerca de cinco vigilantes agiram e detiveram o homem, que ainda tentou escapar.

Em sua defesa, o homem alegou que se fantasiou de super-herói, pulou da plataforma e caminhou em direção aos trens para chamar a atenção dos usuários e protestar contra a corrupção. Ele também usava um chapéu de couro.

Segundo policiais ouvidos pelo G1, como o homem demonstrou ter problemas psicológicos, ele foi encaminhado a um hospital no Mandaqui, na Zona Norte.

Procurada, a assessoria de imprensa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) não se pronunciou.

A reportagem entrou em contato nesta segunda-feira (2) com a unidade médica para onde o homem teria sido encaminhado, para saber se ele foi mesmo levado para lá e se continuava internado. O órgão não havia respondido até a publicação desta reportagem.

G1 – 02/04/2018

sábado, 31 de março de 2018

Trem para o Aeroporto de Guarulhos (SP) começa a funcionar após 14 anos de atraso


Nos primeiros dois meses, linha circulará somente aos sábados e domingos, das 10h às 15h, gratuitamente; veja o cronograma de funcionamento.

Após 14 anos de atraso, a Linha 13 - Jade da CPTM, que liga São Paulo ao Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, começa a funcionar neste sábado (31). A princípio, durante um mês, a linha circulará somente aos sábados e domingos, das 10h às 15h, gratuitamente. O governador Geraldo Alckmin tinha prometido entregar a Linha 13 até 2004.

Depois, passará a funcionar em todos os dias no mesmo horário e no terceiro mês começará a operação comercial, com cobrança de tarifa.

A Linha 13-Jade tem 12,2 km de extensão e três estações: Aeroporto-Guarulhos, Guarulhos-Cecap e Engenheiro Goulart (na Zona Leste de São Paulo), onde haverá integração com a Linha 12-Safira (Brás-Calmon Viana) da CPTM.

A expectativa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) é que a linha seja utilizada por 120 mil passageiros por dia útil.

Inicialmente projetada para ser próxima ao terminal 3, conhecido como terminal internacional, a estação Aeroporto Guarulhos foi construída próxima ao terminal 1, o que deixará os passageiros distantes da área de embarque. A mudança ocorreu após o aeroporto que era administrado pela Infraero ser concedido à iniciativa privada.

No aeroporto, o trem para na estação que fica em frente ao Terminal 1, onde operam as companhias Azul e Passaredo. Para ir para os principais terminais do GRU Airport, o Terminal 2 (voos nacionais) e o Terminal 3 (voos internacionais), será preciso atravessar a passarela e tomar um ônibus gratuito que será disponibilizado pela concessionária do aeroporto.

Atrasos

A promessa de um trem que liga a capital ao Aeroporto de Guarulhos, no entanto, é antiga. Em sua primeira gestão, no começo dos anos 2000, o governador Geraldo Alckmin tinha prometido entregar a Linha 13 até 2004.

Em 2007, na gestão de José Serra (PSDB), a entrega do foi anunciada para 2010. Porém, em 2009, a promessa mudou para a Copa de 2014. Por falta de interesse privado, a obra não saiu do papel.

Em 2015, o governo voltou a cogitar o projeto e prometeu entregá-lo até o fim de 2017. Em setembro do ano passado, o governo alterou a data para março de 2018.
As obras da Linha 13 começaram no final de 2013 e a data da entrega foi adiada por várias vezes. A previsão é de que ela fosse concluída em 2015.

G1 – 31/03/2018

Comentário do SINFERP

Nada como um ano eleitoral depois do outro, né?