quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Metrô de SP vai instalar portas de proteção nas linhas Azul e Vermelha

O Metrô de São Paulo informou nesta terça-feira (9) que está sendo negociada desde setembro passado a implantação de portas de proteção nas plataformas das estações de maior demanda das linhas 1-Azul e 3-Vermelha.
Na tarde desta terça-feira (9), uma mulher de 23 anos foi empurrada em direção aos trilhos por um homem de 55 anos na parada Conceição, da Linha 1-Azul. Ela foi retirada do local com vida e lesões no corpo e levada ao pronto-socorro do Hospital Municipal Doutor Arthur Ribeiro de Saboya.
O homem foi detido por seguranças da companhia e levado para depor na Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom), onde disse ter agido por ordens do diabo. Ele não tinha passagem pela polícia e foi levado para uma audiência de custódia no Fórum Criminal da Barra Funda.
Em nota, o Metrô informou que o processo para abertura de uma linha de financiamento começou em setembro do ano passado com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A expectativa é concluir as tratativas até o final de janeiro.
Hoje, as estações que têm portas de proteção são Sacomã, Tamanduateí e Vila Prudente, na Linha 2-Verde, Vila Matilde, na Linha 3-Vermelha, Adolfo Pinheiro, na Linha 5-Lilás, e Oratório e Vila Prudente da Linha 15-Prata.
A Linha 4-Amarela, administrada pela ViaQuatro, também possui portas de segurança em todas as estações.

Veja – 10/01/2018

Comentário do SINFERP

A CPTM informou que vai colocar umas pranchas de madeira (usadas em andaimes) entre plataforma e piso dos trens, quando a composição parar nas estações, para o povão despencar menos nos vãos. "Para pobre está muito bom", pensam os dirigentes da empresa.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Homem que jogou mulher no metrô de SP diz que agiu sob 'ordens do diabo'

O homem preso por empurrar uma mulher na frente de um trem do metrô de São Paulo disse, em depoimento à polícia, que agiu por "ordens do diabo". Imagens do circuito interno de câmeras do sistema de transporte mostram quando Sebastião José da Silva, de 55 anos, atira a vítima sobre os trilhos, enquanto uma composição se aproximava da plataforma, na estação Conceição, sentido Tucuruvi, nesta terça-feira.

O faxineiro foi detido por passageiros e por agentes de segurança do metrô e encaminhado à Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom).

A vítima, identificada como Jussara Araújo Souza, de 23 anos, sofreu escoriações pelo corpo e está internada. Ela caiu em um vão entre os trilhos, escapando do impacto do trem, que passou por cima da mulher. A assessoria do Metrô SP ressaltou que um funcionário acionou o freio de emergência da composição ao ver o empurrão.

Segundo a delegacia, que registra ocorrências do metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Sebastião foi levado ao fórum de São Paulo para audiência de custódia nesta quarta-feira. Ele foi autuado por tentativa de homicídio. Aos investigadores, o acusado negou a autoria do crime, apesar do flagrante. Há suspeitas de que o faxineiro sofra de problemas mentais. Sua ficha criminal, até então, não tinha anotações.

Com o incidente, a circulação de trens na estação Conceição foi interrompida de 14h43m a 15h11m. Nesse intervalo, funcionários da estação socorreram a mulher, que foi parar debaixo do trem. Consciente, a vítima vestiu um colar cervical e foi levada em uma viatura do metrô até um pronto-socorro da região. Já o agressor foi entregue à polícia. O acusado não indicou parentes para serem avisados sobre a detenção. Retirada a passageira, a companhia normalizou o sistema de transporte no local.


O Globo – 10/01/2018

Falha na Linha 11-Coral da CPTM provoca lentidão na circulação dos trens

Usuários da linha reclamam que composição ficou parada por pelo menos 15 minutos entre as estações José Bonifácio e Itaquera.

A linha 11-Coral da CPTM apresentou falhas, na manhã desta quarta-feira (10). Os trens circularam com velocidade reduzida e maior tempo de parada entre as estações José Bonifácio e Itaquera, na Zona Leste da cidade de São Paulo.

Segundo a CPTM, vândalos cortaram os cabos de energia em uma tentativa de furto. Ainda não há informação sobre se os suspeitos, que não foram identificados, conseguiram levar os cabos.

Às 7h30, a CPTM informou que o problema havia sido resolvido e que a operação estava em processo de normalização. Os trens passam a operar em via dupla e não mais única.

Passageiros reclamavam que um trem chegou a ficar parado por pelo menos 15 minutos entre as estações Bosco e Itaquera, e que um trem teve de ser esvaziado.

Por volta das 6h25, o sistema Paese foi acionado para auxiliar no transporte dos passageiros. Segundo a SPTrans, foram deslocados 58 ônibus para fazer a operação no trecho entre as estações Guaianases e Itaquera.

G1 – 10/01/2017

Comentário do SINFERP

Vândalos, é claro. O que mais explica as falhas diárias da CPTM?


terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Lobista do Metrô indicava conta no exterior de José Serra

O delator Pedro Novis, ex-presidente da Odebrecht, deu detalhes sobre o esquema de propinas da empreiteira para o senador José Serra (PSDB) e apontou a participação do conhecido lobista José Amaro Ramos, descrito por Novis como amigo de Serra; delator disse que recebeu das mãos de Ramos "o número da conta para a qual seriam destinados os recursos destinados a José Serra"; o lobista é investigado pelo Ministério Público da Suíça
247 - Os detalhes do esquema de propinas da Odebrecht ao senador José Serra (PSDB-SP) foram detalhados pelo delator Pedro Novis, ex-presidente da Odebrecht de 2002 a 2008.

Ele relatou pagamento de propina de R$ 23,3 milhões em 2010, como contrapartida à liberação, pelo governo paulista, de R$ 170 milhões em créditos devidos a uma empresa do grupo Odebrecht, em 2009. Os R$ 29,1 milhões restantes teriam sido transferidos como caixa dois eleitoral para as campanhas de 2002, 2004, 2006, 2008 e 2012, segundo Novis.
A conta onde da propina teria sido fornecida pelo lobista José Amaro Ramos, descrito por Novis como amigo de Serra. O delator disse que recebeu das mãos de Ramos "o número da conta para a qual seriam destinados os recursos destinados a José Serra". Amaro Ramos manteria relação com governo e empresas da França, e teria aproximado a Odebrecht de grupo empresarial daquele país na década de 90, segundo Novis.
Pedro Novis afirmou também que Amaro Ramos teria sido credenciado pelo próprio José Serra a receber os R$ 4,5 milhões para a campanha eleitoral de 2006 - fato que o tucano nega.
José Amaro Ramos foi citado em investigações que apuram ilícitos em contratos do governo de São Paulo para o Metrô. O nome dele chegou a constar de documentos enviados ao Brasil pelo Ministério Público da Suíça, que pediu para ouvi-lo. O pedido de oitiva, no entanto, foi esquecido em um escaninho da Procuradoria da República de São Paulo, de acordo com um investigador.


Brasil 247 – 09/01/2018

domingo, 7 de janeiro de 2018

Camargo Corrêa fecha leniência com Cade e revela cartel de obras do metrô e monotrilho

A empreiteira Camargo Corrêa fechou acordo de leniência com a Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e entregou documentos que indicam formação de cartel em 21 licitações do Metrô em sete Estados entre, pelo menos, 1998 e 2014 envolvendo nove empresas.

A partir de agora, seguem as investigações de projetos de metrô e monotrilho na Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo e no Distrito Federal.

Há indícios de conluio nas linhas 2 (verde) e linha 5 (lilás), ambas em São Paulo. Para outras oito licitações, realizadas entre 2008 e 2013, os acordos foram planejados, mas não chegaram a ser implementados. São elas: projeto de trecho paralelo à Raposo Tavares (futura linha 22) e projeto na região M'Boi Mirim, ambas no monotrilho de São Paulo; expansão dos metrôs de Brasília e de Porto Alegre; implantação dos metrôs de Belo Horizonte e de Curitiba; linha 3 do metrô do Rio de Janeiro e linha leste do metrô de Fortaleza.

Por fim, houve tentativa de conluio entre 2010 e 2014 para a linha 15-prata-expresso Tiradentes e linha 17-ouro, ambas do monotrilho de São Paulo; linha 15-branca-trecho Vila Prudente/Dutra e linha 6, ambas do metrô de São Paulo; e linha 4 do metrô do Rio de Janeiro.

ACORDO CONJUNTO

O acordo, que foi assinado na terça-feira (5) e divulgado nesta segunda-feira (18), é um desdobramento da Operação Lava Jato e foi celebrado com conjunto com o MPF (Ministério Público Federal) em São Paulo.

Para desfrutar dos benefícios da leniência, executivos da Camargo Corrêa confessaram participação no cartel, forneceram informações e comprovantes dos delitos praticados no período.

Além da Camargo Corrêa, pelo menos nove empresas participaram do esquema: Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Carioca, Marquise, Serveng e Constran. Existem suspeitas de que outras dez construtoras também tenham participado do conluio: Alstom, Cetenco, Consbem, Construcap, CR Almeida, Galvão Engenharia, Heleno & Fonseca, Iesa, Mendes Junior e Siemens.

Entre 1998 e 2004, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht –as três maiores empreiteiras do país– dividiram entre si grandes projetos que foram explorados até 2008 quando entraram no cartel OAS e Queiroz Galvão. Esse grupo foi então batizado pelos participantes de "G-5" ou "Tatu Tênis Clube".

LAVA JATO

As suspeitas sobre ilicitudes em obras de metrôs surgiram na 23ª fase da Lava Jato, quando foi apreendido um documento intitulado "Tatu Tênis Clube".

Naquela ocasião, nos documentos apreendidos pela PF cada executivo que agora fechou leniência com o Cade tinha um apelido. O nome "Tatu" do grupo se refere à máquina usada para fazer escavações de túneis. Naquele momento, somente Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS e Queiroz Galvão tinham autorização para usar o equipamento.

Nos depoimentos, os executivos da Camargo Corrêa relataram que financiavam estudos de viabilidade dos projetos em conjunto com outras empreiteiras e que dividiam os projetos em "reuniões presenciais". As reuniões eram marcadas por telefone ou e-mail e usavam códigos como "mercado" para definir o assunto.

Ainda segundo os delatores, era comum que o grupo se alinhasse com empresas que fazem o projeto-base, como MWH e TC/BR, e empreiteiras com "bom trânsito local", como Carioca, Constran, Serveng e Marquise. O objetivo era "compor um acordo em uma licitação específica e influenciar a adoção de conduta comercial uniforme entre as concorrentes", segundo os executivos disseram à superintendência do Cade.

A fase mais ativa do cartel ocorreu entre 2008 e 2014, quando novos acordos entre eles passaram a ser firmados com mais frequência devido, principalmente, às obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), da Copa do Mundo de 2014, e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro de 2016.

O "histórico da conduta" da Camargo Corrêa, documento de 331 páginas divulgado pelo Cade nesta segunda-feira (18), não detalha a participação de servidores públicos nas fraudes admitidas pela empreiteira.

Os executivos da empreiteira afirmam que o grupo cartelizado conseguia alterar editais de licitação, mas não detalham como isso era feito e se havia pagamento de propina a agentes públicos.

O aspecto criminal da leniência deverá ser investigado por instrumento próprio, como inquérito policial, a pedido do Ministério Público Federal, que acompanha e também assina o mesmo acordo de leniência com a empreiteira.

São três as atribuições do Cade, previstas por lei de 2011, incluindo "investigar, em todo o território nacional, e posteriormente julgar cartéis e outras condutas nocivas à livre concorrência".

OUTRO LADO

Em nota, a Camargo Corrêa disse que "reafirma seu compromisso de manter investigações internas em bases permanentes e colaborar com as autoridades reportando quaisquer condutas ilícitas que venham eventualmente a ser descobertas."

"A decisão divulgada no site do Cade configura evidência inequívoca do compromisso pioneiro assumido de colaboração contínua junto às autoridades competentes, tanto no âmbito das investigações internas como também da implementação de uma nova governança e compliance já concluídos."

O Metrô de São Paulo disse ser "o maior interessado na apuração das denúncias de formação de cartel ou de conduta irregular de agentes públicos e, assim, continua à disposição das autoridades".

O ex-governador Claudio Lembo, que assumiu o governo paulista entre março e dezembro de 2006, quando Geraldo Alckmin se desincompatibilizou, afirmou que não abriu nenhuma licitação e apenas deu continuidade aos processos então em andamento.

"Não fiz nada, obra, licitação, nada. Não tinha dinheiro. Nós estávamos em uma situação financeira péssima. O que tinha sido iniciado continuou", disse Lembo.

A assessoria de Geraldo Alckmin (PSDB) respondeu, em nota, que o Metrô e o governo de São Paulo "são os maiores interessados na punição do crime de formação de cartel, um delito contra a ordem econômica e a livre concorrência, que prejudica os cidadãos e o Estado".

"As obras foram todas licitadas de acordo com a lei e, se houve conduta ilícita que tenha prejudicado os certames, o Estado de São Paulo, assim como já fez em outras situações, irá cobrar as responsabilidades devidas." 

Folha de São Paulo – 18/12/2017

Comentário do Sinferp


Gozado: nem com empresa envolvida na tramoia confessando a coisa anda. Eta governo blindado este de São Paulo.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Linhas 8 e 9 da CPTM têm queda no sistema de energia e circulação de trens é interrompida

Toda a Linha 8- Diamante e trecho da Linha 9-Esmeralda da CPTM registraram falha provocada por interrupção no sistema de energia nesta manhã. Sistema Paese foi acionado.

A Linha 8- Diamante da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) ficou com a circulação totalmente interrompida na manhã desta sexta-feira (5) devido a uma falha provocada pela interrupção no sistema de energia. A Linha 9-Esmeralda também teve uma interrupção parcial na circulação de trens devido a falta de energia.

Na Linha 8, a circulação dos trens ficou paralisada desde a estação Amador Bueno até a estação Júlio Prestes desde as 5h. Por volta das 6h50, a CPTM informou que a circulação foi normalizada.
O Sistema Paese foi acionado por volta das 6h10. Os ônibus foram acionados para fazer dois trajetos: de Carapicuíba até a Barra Funda e da estação Carapicuíba até a estação Barueri. Os passageiros formaram longas filas para entrar nos ônibus, especialmente no sentido São Paulo. Os pontos de ônibus perto das estações ficaram lotados.

Próximo da plataforma da estação Osasco, os funcionários da companhia precisaram ajudar os passageiros a saírem dos trens que pararam no meio do trajeto para seguirem até a plataforma mais próxima.

Já na Linha 9-Esmeralda a interrupção na circulação de trens ocorreu entre as estações Osasco e Presidente Altino. O restante da Linha teve a velocidade reduzida.

Na estação Presidente Altino, que pertence as duas linhas da CPTM, as plataformas ficaram cheias de passageiros que aguardavam a normalização dos trens. Às 7h, um carro parou na estação e os passageiros conseguiram embarcar.

A Eletropaulo informa que não teve nenhuma falha no sistema de energia da concessionária e que a companhia tem uma rede de energia própria.

G1 – 05/01/2018

Comentário do SINFERP


E isso porque são as linhas “vip” da CPTM.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Metrô, trens e ônibus de São Paulo sobem para R$ 4 neste domingo

A partir do próximo domingo (7), a tarifa de transporte para ônibus, trens e metrô de São Paulo passará de R$ 3,80 para R$ 4,00. O valor da passagem, que estava congelado desde janeiro de 2016, foi reajustado em 5,26%.
Já o valor da integração de ônibus municipais com os trens do Metrô e da CPTM sobe de R$ 6,80 para R$ 6,96.
Os passageiros que carregarem os bilhetes até as 23h59 do dia 6 de janeiro poderão usar os ônibus e trens da cidade pagando o valor antigo da tarifa até o crédito se esgotar. No entanto, o valor máximo de recarga é de R$ 300.
Veja abaixo as novas tarifas de transporte:
·         Tarifa do Metrô: de R$ 3,80 para R$ 4,00
·         Tarifa da CPTM: de R$ 3,80 para R$ 4,00
·         Tarifa dos ônibus municipais (SPTrans): de R$ 3,80 para R$ 4,00
·         Integração ônibus + trens (Metrô/CPTM): de R$ 6,80 para R$ 6,96
·         Bilhete Diário comum (24 horas): de R$ 15,00 para R$ 15,30
·         Bilhete Diário integrado (24 horas): de R$ 20,00 para R$ 20,50
·         Bilhete Mensal comum: de R$ 190,00 para R$ 194,30
·         Bilhete Mensal integrado: de R$ 300,00 para R$ 307,00

Metro Jornal – 02/01/2018

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Obras de implantação da Linha 3 do VLT do Rio de Janeiro começam dia 6 de janeiro

A Prefeitura do Rio, por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), da Concessionária do VLT Carioca, da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e da Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CET-Rio), informa que as obras para a implantação da Linha 3 do Veículo Leve sobre Trilhos começam no dia 6 de janeiro, com alterações na circulação a partir das 14h.
O novo trecho do VLT ligará a Central do Brasil ao Aeroporto Santos Dumont, passando pela Avenida Marechal Floriano, com três novas paradas. A ligação com a Linha 1 se dará na Avenida Rio Branco, entre as paradas São Bento e Candelária.
Nesta primeira fase, a Avenida Marechal Floriano será fechada para obras no trecho entre a Avenida Tomé de Sousa e a Rua Camerino, o acesso local à Rua Alexandre Mackenzie e ao comércio da Av. Marechal Floriano será mantido em apenas uma faixa.
Confira os desvios de tráfego:
- Motoristas procedentes da Praça Cristiano Otoni destinados à Zona Sul e Candelária, deverão seguir pelas ruas Senador Pompeu e Camerino;
- Veículos procedentes da Praça Cristiano Otoni que desejarem acessar a pista lateral da Presidente Vargas, no sentido Av. Brasil, poderão continuar seguindo a Rua Marcílio Dias, Rua Visconde da Gávea, Av. Marechal Floriano e Av. Tomé de Souza;
- Quem estiver trafegando pela Rua Visconde de Inhaúma em direção à Central do Brasil, poderá seguir pela Av. Marechal Floriano até a Av. Passos, onde deverá virar à esquerda e acessar a Av. Presidente Vargas.
- As linhas de ônibus municipais que saem do Terminal Procópio Ferreira e atualmente seguem pela Av. Marechal Floriano no sentido Zona Sul terão o trajeto desviado Praça Cristiano Otoni, Rua Senador Pompeu, Rua Camerino até alcançarem a Avenida Passos.
- As duas linhas intermunicipais que possuem pontos finais no trecho interditado passarão a parar no terminal Américo Fontenelle.   
Por conta das mudanças, será proibido o estacionamento nos dois lados da Rua Senador Pompeu. As atividades de carga e descarga deverão ocorrer exclusivamente pelas vias transversais à Rua Senador Pompeu, nos locais indicados pela sinalização.
Agentes de trânsito da Guarda Municipal, CET-Rio, Porto Novo e apoiadores contratados pelo VLT irão auxiliar os motoristas na região afetada pelas obras, assim como a sinalização viária da Av. Marechal Floriano e dos arredores será alterada com o objetivo de indicar as alterações.
Linhas municipais com trajeto alterado
007 - Silvestre/Central (circular)
Itinerário atual: Pça. Cristiano Otoni (Ponto Regulador), Rua Marcilio Dias, Rua Visc. da Gávea, Av. Marechal Floriano, Av. Passos (...)
Itinerário alterado: Pça. Cristiano Otoni (Ponto Regulador), Rua Senador Pompeu, Rua Camerino, Av. Passos (...)
100 - Troncal 1 - General Osório/Central (via Av. N S de Copacabana / Aterro do Flamengo)
105 - Troncal 5 -  Alto Gávea/Central (via Botafogo / Praia do Flamengo / 1º de Março)
106 - Troncal 3 - Central/Leblon (via Aterro / Av. N S de Copacabana - circular)
Itinerário atual: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Marcílio Dias, Rua Visconde da Gávea, Av. Marechal Floriano, Rua Visconde de Inhaúma, Av. Rio Branco (...)
Itinerário alterado: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Senador Pompeu, Rua Camerino, Av. Passos, Av. Presidente Vargas (pista central), agulha acesso pista lateral Rua Miguel Couto, Av. Presidente Vargas (pista lateral), Av. Rio Branco (...)
107 - Central/Urca (circular)
309 -  Alvorada/Central (via Av Lúcio Costa / /Botafogo / Praia do Flamengo) e seus serviços
Itinerário atual: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Marcílio Dias, Rua Visconde da Gávea, Av. Marechal Floriano, Av. Passos (...)
Itinerário alterado: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Senador Pompeu, Rua Camerino, Av. Passos (...)
Linhas intermunicipais alteradas
- As linhas da Transturismo Rei Ltda (Trel) e Viação União Ltda, com pontos finais na Av Marechal Floriano, serão remanejadas para o Terminal Américo Fontenelle e passarão a fazer o seguinte itinerário:
(...) Via Binário do Porto (sentido Praça Mauá), Av. Venezuela, Rua Barão de Tefé, Rua Camerino, Rua Barão de São Félix, Terminal Américo Fontenelle, Rua Bento Ribeiro, Túnel João Ricardo, Rua Rivadávia Correia, Via Binário do Porto (...)
Informações sobre as linhas que terão itinerário mantido
- 315 - Central x Recreio dos Bandeirantes - via L Amarela
Term. Procópio Ferreira, Pça Cristiano Otoni, R Bento Ribeiro, Tn. João Ricardo
- 109 - São Conrado x Central - via Jd Botânico/Tn. Sta Bárbara (Troncal 9)
- 111 - Central x Jd. de Alah - via Elevado/tn. Rebouças - circular
- 117 - Central x Cosme Velho - via Tn. Sta. Bárbara (Troncal 7)
Term. Procópio Ferreira, Pça. Cristiano Otoni, R. Marcílio Dias, R. Visc. da Gávea, Av. Mar Floriano, Av. Tomé de Sousa.

Jornal do Brasil – 01/01/2018

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Transporte público por ônibus, trens e metrô em SP tem reajuste de 5,26%

O governo do estado e a prefeitura de São Paulo anunciaram hoje (28) que a tarifa básica do transporte público coletivo por ônibus, trens e metrô terá aumento de 5,26% a partir de 7 de janeiro: passará dos atuais R$ 3,80 para R$ 4,00.

De acordo com a nota conjunta emitida pela prefeitura e o governo do estado, a elevação em 5,26% na tarifa básica está abaixo da inflação acumulada desde o último reajuste, em janeiro de 2016, e é necessária para “adequar a receita ao custo dos sistemas”.

Conforme a explicação, nos últimos dois anos, o índice inflacionário com base no IPC-Fipe alcançou 8,36%. Caso fosse aplicada toda a inflação do período, o transporte passaria a custar R$ 4,12 aos usuários”, diz o texto.

A nova tarifa de R$ 4,00 passa a valer para o metrô, os trens da CPTM e os ônibus intermunicipais (SPTrans).

As demais tarifas são: integração ônibus + trens (Metrô/CPTM), que aumentou de R$ 6,80 para R$ 6,96 (aumento de 2,35%); bilhete diário comum (24 horas), de R$ 15,00 para R$ 15,30 (+2%); bilhete diário integrado (24 horas), de R$ 20,00 para R$ 20,50 (+2,5%); bilhete mensal comum: de R$ 190,00 para R$ 194,30 (+2,26%); e bilhete mensal integrado, de R$ 300,00 para R$ 307,00 (+2,33%).

Acima da inflação

Em abril de 2017, apesar de a tarifa básica do transporte não ter sido elevada (permaneceu em R$ 3,80), os demais preços de passagem já haviam sofrido aumentos expressivos: a integração subiu de R$ 5,92 para R$ 6,80 (elevação de 14,8%); o bilhete diário comum (24 horas) aumentou de R$ 10 para R$ 15 (+50%); o bilhete diário integrado (24 horas) foi elevado de R$ 16 para R$ 20 (+33%); o bilhete mensal comum subiu de R$ 140 para R$ 190 (+35,7%); e o bilhete mensal integrado aumentou de R$ 230 para R$ 300 (+30,4%).

Protesto

O Movimento Passe Livre (MPL) criticou a elevação do preço da passagem e informou, por meio de suas redes sociais, que voltará a promover, em janeiro, protestos contra o aumento da tarifa. A primeira manifestação está marcada para o dia 11, em frente ao Theatro Municipal.


Isto É – 28/12/2017